Museus, ação e multidão: para além da “obra aberta”

Autores

  • Vladimir Sibylla Pires

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.0vn0.53444

Resumo

Estamos diante hoje de um novo paradigma produtivo, o cognitivo. Esta mudança faz emergir um conjunto de conceitos que problematizam o modo como analisamos o papel do museu na contemporaneidade. A hegemonia das dimensões imateriais do trabalho está no âmago dessa mudança paradigmática. Esta nova centralidade impõe desafios analíticos e metodológicos para a Ciência da Informação e para a Museologia. Diante disso, um novo modelo de museu se anuncia: não mais centrado em uma relação contratualista, mas atenta à produção do comum; não mais restrito ao edifício ou ao território, mas relacionado com uma rede de redes; não mais a serviço do desenvolvimento de um público ou população, mas uma ferramenta para a autonomia da multidão; não mais focado no objeto ou no patrimônio, como o conhecemos, mas nas dinâmicas comunicacionais. Um não-museu, um pós-museu para além do modelo da obra aberta. Um museu do acontecimental, do encontro entre praxis e poiesis.

Palavras-chave: Ciência da Informação. Museu. Capitalismo cognitivo. Multidão. Obra aberta.

Link: https://revistas.ancib.org/index.php/tpbci/article/view/431 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vladimir Sibylla Pires

Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Publicado

2020-06-21

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos