A economia de Francisco

  • Armando de Melo Lisboa Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo

Neste artigo discute-se sobre a “economia de Francisco”, pois diante da grave "crise ecológica" em que se vive o Papa Francisco sempre buscou um diálogo com todos acerca da nossa casa comum, tentando ajudar a construir o futuro do planeta. Em maio de 2015, o pontífice promulgou a encíclica Laudato Si (LS) reafirmando as linhas centrais em economia de sua exortação apostólica Evangelii Gaudium (EG), buscando eliminar as causas estruturais das disfunções da economia mundial e corrigir os modelos de crescimento que parecem incapazes de garantir o respeito do meio ambiente. Centrada na dimensão ecológica, LS aprofunda as causas das "mudanças climáticas" e as razões que levam à depredação dos recursos da terra e à deterioração da qualidade de vida: são as "formas imediatistas de entender a economia", a "serviço da finança e do consumismo". Mais precisamente, são "as novas formas de poder derivadas do paradigma tecno-econômico" e o seu “poder tremendo” que impele à degradação ambiental e da vida. Reluzindo entre as posições tecnofóbicas e tecnófilas encontramos a rara figura de Romano Guardini que, de forma sábia, soube forjar uma síntese entre as “falsas dialéticas” que ainda nos aprisionam. Os ensinamentos de Guardini não contrapõem a cultura ecológica à tecnológica, como propõe o Papa Francisco, mas indicam que o Cristianismo deve compreender, assumir e dialogar criticamente com o mundo da tecnologia e do antropoceno.

Palavras-chave: Economia de Francisco. Laudato Si. Cultura ecológica.   Link: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/5149

Biografia do Autor

Armando de Melo Lisboa, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutor em Sociologia Econômica pela Universidade Técnica de Lisboa, Portugal, Mestre em Sociologia Política pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Brasil, e graduação em Ciências Econômicas pela mesma instituição. Atualmente Professor Associado da Universidade Federal de Santa Catarina.

Publicado
2020-09-11
Seção
Resumos de artigos científicos