Racismo, eugenia e doença falciforme: o caso de um programa de triagem populacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2020v15n4.56642

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar a relação entre eugenia e racismo associada às doenças genéticas,
especificamente à doença falciforme, tendo como referência o caso do Programa de Triagem Populacional
(PTP), cuja implantação em Salvador, Bahia, não se concretizou devido às mobilizações sociais. Realizou-se
uma pesquisa qualitativa, ancorada na perspectiva feminista e antirracista, que aliou a análise documental
da proposta do programa e entrevistas em profundidade com mulheres negras com doença falciforme
acerca da percepção sobre o conteúdo do programa. A análise do documento evidenciou conteúdos racistas
e eugenistas, relacionados com um discurso de cerceamento do direito reprodutivo de mulheres com este
agravo. Entre as mulheres negras entrevistadas, prevaleceu o sentimento de indignação frente à interdição
de seu direito reprodutivo. Há necessidade de destituir práticas institucionais que se forjam sob o crivo do
racismo institucional e produzem violências sobre os corpos negros.

 

Palavras-chave: Racismo. Eugenia. Doença falciforme. Direitos reprodutivos. Saúde da população negra.

 

Link: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1881/2356

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela dos Santos Silva, Universidade Federal da Bahia

Mestrado em Saúde Comunitária pela Universidade Federal da Bahia.

Clarice Santos Mota, Universidade Federal da Bahia

Doutorado em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia.

Leny Alves Bomfim Trad, Universidad de Barcelona

Doutorado em Ciencias Sociales y Salud pela Universidad de Barcelona.

Publicado

2020-12-27

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos