Diversidade e comunicação: percepções de surdos sobre atividade de educação em saúde realizada por estudantes de medicina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2020v15n4.56645

Resumo

A comunidade surda possui cultura e linguagem próprias, desconhecidas pela maioria dos ouvintes, o que a
exclui de vários processos da sociedade. As barreiras na comunicação e o preconceito dificultam seu acesso
a serviços de saúde. Analisou-se a vivência de uma atividade prática de Educação em Saúde com 19 surdos
feita por 20 estudantes do primeiro ano de um curso de medicina. Após um curso de Língua Brasileira de
Sinais, os estudantes realizaram uma atividade junto aos surdos, na qual apresentaram palestras sobre
temas de saúde e interagiram em ações como aferição da pressão e cálculo do Índice de Massa Corporal.
Posteriormente, os surdos participaram de dois grupos focais para relatarem sua experiência. A análise dos
dados deu-se pelo Discurso do Sujeito Coletivo. Os surdos ficaram satisfeitos com a interação, relataram
preocupação com prevenção e autocuidado e expectativas positivas quanto à formação de médicos
humanizados e qualificados para seu atendimento.

 

Palavras-chave: Educação médica. Humanização da assistência. Relações médico-paciente. Comunicação.
Surdez.

 

Link: https://www.reciis.icict.fiocruz.br/index.php/reciis/article/view/1827/2360

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Pereira Rodrigues Yonemotu, Faculdade de Medicina de Marília

Mestre em Ensino e Saúde pela Faculdade de Medicina de Marília.

Camila Mugnai Vieira, Universidade Estadual Paulista

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual Paulista.

Publicado

2020-12-27

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos