Os idosos como imigrantes digitais e o acesso e uso das tecnologias digitais de informação e das redes sociais

Autores

  • Bruno Luce Instituto Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel Prado Thomaz
  • Lizandra Brasil Estabel

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2020v15n4.56862

Resumo

O presente trabalho é um estudo sobre o comportamento de idosos em relação ao uso das redes sociais. O início da internet e a evolução da Web trouxe a necessidade de adaptação dos idosos que antes lidavam apenas com mídias receptivas, como jornal, que não demandavam interação e, ainda, que não exigiam uma dinâmica de uso em tempo real. Nos dias atuais, os idosos são considerados imigrantes digitais, aqueles que nasceram antes da evolução tecnológica e que tem que se adaptar a essa constante mudança. A partir disso, foi realizado um estudo de caso, com o objetivo de identificar como os idosos acessam as redes sociais, quais são as redes mais utilizadas por eles e se teriam interesse em se capacitar no uso das Tecnologias Digitais de Informação e de Comunicação (TDIC). Evidenciou-se que a maioria utiliza o celular para ter acesso a internet e o Whatsapp é a rede social mais usada, seguida pelo Facebook. Muitos idosos demonstraram interesse em se capacitar no letramento informacional visando reduzir o sentimentode vulnerabilidade e fragilidade perante as redes sociais e aumentando sua inserção na era digital.

 

Palavras-chave: Idosos. Imigrantes digitais. Redes sociais. Fake News. Alfabetização Midiática Informacional.

 

Link: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/148549

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Luce, Instituto Federal do Rio Grande do Sul

Bibliotecário e Mestrando no IFRS.

Raquel Prado Thomaz

Mestranda em Ciências Médicas.

Lizandra Brasil Estabel

Doutora em Informática na Educação; Professora do Mestrado Profissional Informática na Educação -IFRS e Professora no PPGEducação Ciências: Química da Vida e Saúde -UFRGS.
     

Publicado

2020-12-23

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos