O patrimônio cultural nas cidades inteligentes

Autores

  • Juliana Martins de Castro
  • Renata Maria Abrantes Baracho

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1981-0695.2020v15n4.56931

Resumo

O artigo tem como objetivo a investigação da temática da preservação patrimonial no contexto das cidades inteligentes. As smart cities, ou cidades inteligentes, constituem uma proposta relativamente recente, cujos primeiros estudos datam da década de 1990, e que começou a se difundir a partir da década de 2010. Essas propostas visam transformar o espaço urbano e seus serviços de modo “inteligente”, com o uso das novas tecnologias da informação e comunicação (TICs), em vários campos de atuação, tais como saúde, mobilidade, segurança, dentre outros. Entretanto, observa-se nessas propostas uma abordagem quase inexistente a questões relacionadas ao patrimônio cultural, o que motivou o presente estudo. Para tanto, foi realizada uma revisão sistemática de literatura (RSL), contando com 56 publicações de diferentes países, conjunto que revela algumas questões importantes para o campo patrimonial frente a projetos de smartificação de cidades, como as que já vem ocorrendo no Brasil. Como conclusões, aponta-se a proposta desses estudos de constituição de uma nova forma de preservação patrimonial – o “patrimônio inteligente”, discutindo suas implicações, limitações e possibilidades.


Palavras-chave: Patrimônio cultural. Preservação. Conservação. Cidades inteligentes. Patrimônio inteligente.


Link: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/99053

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2020-12-22

Edição

Seção

Resumos de artigos científicos