PILATES E FLEXIBILIDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

  • Jean Filipe Romão PACHECO Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
  • Adriana Coutinho de Azevedo GUIMARÃES Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
  • Maria Helena KRAESKI Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
  • Ana Claudia KRAESKI Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
  • Melissa de Carvalho SOUZA Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
  • Camila da Cruz Ramos de ARAÚJO Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC

Resumo

Introdução: O método Pilates é considerado uma atividade física eficaz na promoção de saúde, por ser considerada de baixo impacto e de intensidade leve a vigorosa, sendo buscado por diversos grupos com objetivos e necessidades específicas, que comumente envolvem a manutenção da flexibilidade. Objetivo: Esta revisão tem por objetivo identificar e analisar artigos originais que relacionam o método Pilates e a flexibilidade, publicados entre 2002 e 2012 nas línguas portuguesa e inglesa. Material e Métodos: Realizou-se uma busca eletrônica nas bases Google Acadêmico, LILACS, Portal Periódicos da Capes, PubMED e SciELO, até a data limite de 22 de março de 2012. Utilizou-se os termos “Pilates” e “flexibilidade” na língua portuguesa e “Pilates” e “flexibility” na língua inglesa. Resultados: Foram identificados 136 estudos com resumo disponível, sendo selecionados 23 artigos que atenderam aos critérios de inclusão, dos quais 12 foram publicados em língua portuguesa e 11 em língua inglesa. Foi verificado que 22 estudos foram realizados com pessoas jovens ou adultas, saudáveis e com patologias músculo-articulares. Conclusão: O método Pilates mostrou-se eficaz não somente na melhora da flexibilidade, como também na resistência muscular, equilíbrio e propriocepção, obtendo resultados relevantes como o aumento da qualidade de vida e a redução do risco de lesões. Todos os estudos relacionados nesta revisão demonstraram que o método Pilates contribui positivamente para a manutenção da flexibilidade dos diferentes grupos investigados, com ganhos significativos em bailarinos. DESCRITORES: Técnicas de Exercício e de Movimento. Flexibilidade. Atividade Física.

Biografia do Autor

Jean Filipe Romão PACHECO, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Graduado em Educação Física pela Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Adriana Coutinho de Azevedo GUIMARÃES, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Professora Doutora do Departamento de Educação Física e do Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Maria Helena KRAESKI, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Professora Mestre do Departamento de Educação Física do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Ana Claudia KRAESKI, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Professora Mestre do Departamento de Educação Física do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
Melissa de Carvalho SOUZA, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.
Camila da Cruz Ramos de ARAÚJO, Universidade do Estado de Santa Catarina- Centro de Ciências da Saúde e do Esporte - CEFID/UDESC
Mestranda do Programa de Pós-graduação em Ciências do Movimento Humano do Centro de Ciências da Saúde e do Esporte da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.
Publicado
2017-06-26
Como Citar
PACHECO, J. F. R., GUIMARÃES, A. C. de A., KRAESKI, M. H., KRAESKI, A. C., SOUZA, M. de C., & ARAÚJO, C. da C. R. de. (2017). PILATES E FLEXIBILIDADE: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(3), 275-280. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n3.20654
Seção
Revisão