TRATAMENTO DA DOR FANTASMA EM PACIENTES SUBMETIDOS À AMPUTAÇÃO: REVISÃO DE ABORDAGENS CLÍNICAS E DE REABILITAÇÃO

  • Luiz Fernando Martins de SOUZA FILHO Universidade Estadual de Goiás Liga de Marcha
  • Jordana Campos Martins de OLIVEIRA Universidade Estadual de Goiás
  • Ana Cristina Ferreira GARCIA Medica Fisiatra no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER) e na Fisiatrica
  • Flavia Martins GERVÁSIO Docente na UEG, Coordenadora do Laboratório de Movimento – UEG, Coordenadora da Liga de Marcha

Resumo

Introdução: A dor do membro fantasma é uma sequela comum após uma amputação, sendo de difícil tratamento. Compromete a aquisição de habilidades e a qualidade de vida dos amputados, o que justifica a definição de uma terapêutica eficaz. Objetivo: Identificar e descrever intervenções clínicas e/ou de reabilitação para o tratamento da dor fantasma em pessoas submetidas à amputação. Material e Métodos: Revisão estruturada da literatura de artigos publicados nas bases de dados eletrônicas Pubmed e Bireme de 2003 a 2014 (salvo literaturas clássicas), foram aceitos artigos completos, disponíveis na íntegra e nos idiomas português, inglês ou espanhol. Resultados: Identificou-se sete modalidades distintas de tratamento para dor fantasma, sendo que, dos oito artigos inclusos, dois abordavam a mesma terapia física. Portanto, as modalidades terapêuticas foram classificadas em medidas invasivas associadas ou não à terapia farmacológica (quatro artigos) e terapia física (quatro artigos). Todas as modalidades terapêuticas identificadas na revisão: infusão venosa de lidocaína seguida de bloqueio da cadeia simpática torácica, substituição de terapia farmacológica pelo uso de bomba intratecal de zicotinotide, uso bloqueio ciático contínuo, uso da gabapentina no pré-operatório,terapia da caixa espelho, prática de exercícios orientados e aplicação da corrente Transcutaneous electrical nerve stimulation demonstraram ser benéficas para diminuição da dor fantasma. Conclusão: Foram identificadas as medidas terapêuticas mais relatas e utilizadas na prática terapêutica, sendo: terapia medicamentosa, terapia invasiva e terapia física, entretanto, não houve consenso na literatura consultada sobre a melhor opção terapêutica no tratamento da dor fantasma. DESCRITORES Dor do Membro Fantasma. Amputação. Fisioterapia.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Martins de SOUZA FILHO, Universidade Estadual de Goiás Liga de Marcha
Bacharel em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Goiás
Jordana Campos Martins de OLIVEIRA, Universidade Estadual de Goiás
Bacharel em Fisioterapia pela Universidade Estadual de Goiás
Ana Cristina Ferreira GARCIA, Medica Fisiatra no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER) e na Fisiatrica
Medica Fisiatra no Centro de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER) e na Fisiatrica
Flavia Martins GERVÁSIO, Docente na UEG, Coordenadora do Laboratório de Movimento – UEG, Coordenadora da Liga de Marcha
Docente na UEG, Coordenadora do Laboratório de Movimento – UEG, Coordenadora da Liga de Marcha
Publicado
2016-08-04
Como Citar
SOUZA FILHO, L. F. M. de, OLIVEIRA, J. C. M. de, GARCIA, A. C. F., & GERVÁSIO, F. M. (2016). TRATAMENTO DA DOR FANTASMA EM PACIENTES SUBMETIDOS À AMPUTAÇÃO: REVISÃO DE ABORDAGENS CLÍNICAS E DE REABILITAÇÃO. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 20(3), 241-246. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/22089
Seção
Revisão