TRANSTORNOS ALIMENTARES, IMAGEM CORPORAL E ESTADO NUTRICIONAL EM UNIVERSITÁRIAS DE PETROLINA-PE

  • Karine Bento Maria BENTO Discente do curso de bacharelado em Nutrição da Universidade de Pernambuco, Petrolina-PE, Brasil.
  • Karen Natacha Dantas Silva de ANDRADE Discente do curso de bacharelado em Nutrição da Universidade de Pernambuco, Petrolina-PE, Brasil.
  • Emerson Iago Garcia e SILVA Discente do curso de bacharelado em Nutrição da Universidade de Pernambuco, Petrolina-PE, Brasil.
  • Marianne Louise Marinho MENDES Universidade de Pernambuco Campus Petrolina Colegiado de Nutrição
  • Cristhiane Maria Bazílio de OMENA Professora Adjunta do colegiado de Nutrição da Universidade de Pernambuco, Petrolina-PE, Brasil
  • Paulo Gustavo Serafim de CARVALHO Professor Adjunto do colegiado de Engenharia Agrícola e Ambiental da Universidade Federal do Vale do São Francisco, Juazeiro-BA, Brasil.
  • Paulo Adriano SCHWINGEL Professor Adjunto do colegiado de Nutrição da Universidade de Pernambuco, Petrolina-PE, Brasil.

Resumo

Introdução: Os transtornos alimentares afetam principalmente adultas jovens, sendo a Anorexia e a Bulimia Nervosa as duas formas principais. Os padrões de beleza impostos pela mídia e o medo de engordar faz com que cada vez mais pessoas busquem controlar o peso, através de dietas milagrosas e altamente restritivas, exercícios físicos exagerados, drogas anorexígenas, laxantes e diuréticos, na busca excessiva pelo corpo desejado. Objetivo: O objetivo deste estudo foi verificar o comportamento de risco para transtornos alimentares, estado nutricional e percepção da imagem corporal em estudantes do sexo feminino dos cursos de saúde da Universidade de Pernambuco (UPE), Campus Petrolina. Material e Métodos: Estudo transversal, onde foram aplicados questionários autopreenchíveis, Body Shape Questionnaire (BSQ) para avaliar percepção da imagem corporal, Eating Attitudes Test (EAT-26) com finalidade de identificar indivíduos com padrões alimentares anormais e escala de silhuetas onde as estudantes marcaram a qual mais se assemelhavam. Houve também aferição das medidas antropométricas nas 174 universitárias. Aos dados obtidos foi aplicada estatística descritiva, com análise de variância e teste de significância. Resultados: As voluntárias tinham idade compreendida, entre 18 a 26 anos, das quais 45,40% cursavam enfermagem, 37,36% fisioterapia e 17,24% nutrição. Destas 69,54% estavam eutróficas, 8,7% apresentavam leve insatisfação corporal, bem como, 21,8% corriam risco de desenvolver algum transtorno alimentar. Conclusão: Conclui-se que houve universitárias com risco a desenvolver transtornos alimentares assim como com distorção da imagem corporal, apesar da maior parte apresentar-se eutróficas quanto ao estado nutricional. DESCRITORES Anorexia. Bulimia. Antropometria.

Biografia do Autor

Marianne Louise Marinho MENDES, Universidade de Pernambuco Campus Petrolina Colegiado de Nutrição
Professora Adjunta do Colegiado de Nutrição da Universidade de Pernambuco, Campus Petrolina-PE. Nutricionista Mestre em Ciência e Tecnologia dos Alimentos Doutora em Ciência e Tecnologia dos Alimentos
Publicado
2016-08-04
Como Citar
BENTO, K. B. M., ANDRADE, K. N. D. S. de, SILVA, E. I. G. e, MENDES, M. L. M., OMENA, C. M. B. de, CARVALHO, P. G. S. de, & SCHWINGEL, P. A. (2016). TRANSTORNOS ALIMENTARES, IMAGEM CORPORAL E ESTADO NUTRICIONAL EM UNIVERSITÁRIAS DE PETROLINA-PE. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 20(3), 197-202. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/rbcs/article/view/26418
Seção
Pesquisa