PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E HÁBITOS DE VIDA DE IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO

  • Vanessa Teixeira de Lima OLIVEIRA Professora do Curso de Nutrição – Coordenadora da Pesquisa – Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/Universidade Federal do Rio Grande do Norte – Natal/RN – Brasil.
  • Edneyde Samara Salústio Dos SANTOS Nutricionista graduada pela Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Nadja Najara De Almeida MEDEIROS Nutricionista graduada pela Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Amoysa Araújo RIBEIRO Acadêmica do curso de Nutrição da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
  • Maria Tereza Gouveia PESSOA Acadêmica do curso de Nutrição da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Resumo

Objetivo: Rrealizar a caracterização socioeconômica e identificar o consumo alimentar de idosos portadores de hipertensão atendidos em unidades básicas de saúde de um município do Rio Grande do Norte. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e quantitativo. A amostra (n=160), de ambos os sexos, cadastrados no HIPERDIA das unidades básicas de saúde. Aplicou-se um formulário abordando dados socioeconômicos, clínicos, hábitos cotidianos e o questionário de frequência do consumo alimentar. Resultados: Observou-se 79% (n=126) dos idosos do sexo feminino e faixa etária entre 60 – 70 anos. A renda foi de até 1 salário mínimo e escolaridade limitada ao ensino fundamental incompleto. Quanto aos hábitos cotidianos, verificou-se que 89% não referiram tabagismo, 95% não consumiam bebida alcoólica e 53% não praticavam de atividade física. Além da hipertensão, 36% dos idosos apresentaram Diabetes MeIlitus. Quanto ao consumo alimentar, 53% e 23% dos idosos consumiam temperos e molhos prontos, respectivamente. Quanto ao consumo de carnes curadas, 92%, consumiam de 1 a 4 vezes por semana. Quanto aos embutidos, destaca-se o consumo de linguiça (24%), mortadela (23%) e salsicha (17%). Dentre os enlatados, destaca-se o consumo de milho verde (32%) e os derivados do leite, observou-se um considerável consumo (49%) de queijo coalho. Conclusão: Verificou-se um maior número de idosos ainda na fase inicial do envelhecimento, com um nível sócioeconômico que os caracteriza como uma população vulnerável, que apresenta um consumo alimentar rico em cloreto de sódio, o que pode comprometer o quadro existente de hipertensão, favorecendo o surgimento de ouras doenças cardíacas. DESCRITORES Hipertensão. Idoso. Consumo de alimentos.

Biografia do Autor

Vanessa Teixeira de Lima OLIVEIRA, Professora do Curso de Nutrição – Coordenadora da Pesquisa – Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/Universidade Federal do Rio Grande do Norte – Natal/RN – Brasil.
Professora, Mestre do Curso de Nutrição da área de nutrição e dietética da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/FACISA da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Atuação e coordenação de projetos de pesquisa na área de envelhecimento.
Publicado
2016-11-23
Como Citar
OLIVEIRA, V. T. de L., SANTOS, E. S. S. D., MEDEIROS, N. N. D. A., RIBEIRO, A. A., & PESSOA, M. T. G. (2016). PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO E HÁBITOS DE VIDA DE IDOSOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(1), 59-66. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n1.27625
Seção
Pesquisa