SUSCETIBILIDADE ANTIMICROBIANA E FATORES DE VIRULÊNCIA DE STAPHYLOCOCCUS EM FÔMITES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SUL FLUMINENSE

  • Caroline da Costa NOEL Graduada em Biomedicina pela Universidade Severino Sombra (USS), Vassouras/RJ – Brasil.
  • Francine Motta SILVÉRIO Graduada em Biomedicina pela Universidade Severino Sombra (USS), Vassouras/RJ – Brasil.
  • Neila Lilyane da Silva Gomes FRANCISCO Mestranda em Higiene Veterinária e Processamento Tecnológico de Produtos de Origem Animal pela UFF.
  • Nádia Rossi de ALMEIDA Doutora em Ciências pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Brasil.
  • Lidiane de Castro SOARES Universidade Severino Sombra - Vassouras/RJ Professora Adjunta de Microbiologia

Resumo

Objetivo: Caracterizar os fatores de virulência e o perfil de suscetibilidade antimicrobiana de isolados de Staphylococcus spp. provenientes de amostras de jaleco e estetoscópio dos profissionais de saúde, e das maçanetas das portas da enfermaria e Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Sul Fluminense. Material e Métodos: As amostras de estetoscópio, maçaneta e jaleco, foram coletadas com“swab” estéril umedecido em solução salina e foram colocados em caldo Infusão de Cérebro e Coração Bovino (BHI) e incubados por 24-48h a 37ºC para o crescimento. Foram feitas as identificações necessárias para caracterização dos fatores de virulência e o perfil de suscetibilidade antimicrobiana de isolados de Staphylococcus spp. no laboratório de Microbiologia da Universidade Severino Sombra. Resultados: Foi obtido um total de 59 Staphylococcus spp, identificados como Staphylococcus aureus (n=6) e Staphylococcus coagulase negativos (n=53). Do grupo coagulase-negativo foram identificados 34 isolaods de Staphylococcus epidermidis e 19 de Staphylococcus saprophyticus. Em relação aos fatores de virulência, 76,3% isolados foram produtores de “slime”. A hemólise foi detectada em 50,9% dos isolados, destes 35,6% apresentaram hemólise total e 15,3% a hemólise parcial. O sinergismo hemolítico foi positivo em 59,3% dos isolados sendo que destes, 13 não apresentaram hemolisinas. De acordo com o perfil de suscetibilidade, 96,6% foram resistentes à penicilina. A gentamicina foi o antibiótico que apresentou menor percentual de resistência (15,3%). Conclusão: Os jalecos, estetoscópios e maçanetas das portas, podem ser considerados como um veículo potencial para transmissão de micro-organismo dentro do ambiente hospitalar. DESCRITORES: Fatores de Virulência. Antibiograma. Staphylococcus.
Publicado
2017-06-26
Como Citar
NOEL, C. da C., SILVÉRIO, F. M., FRANCISCO, N. L. da S. G., ALMEIDA, N. R. de, & SOARES, L. de C. (2017). SUSCETIBILIDADE ANTIMICROBIANA E FATORES DE VIRULÊNCIA DE STAPHYLOCOCCUS EM FÔMITES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO SUL FLUMINENSE. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(3), 245-254. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n3.29619
Seção
Pesquisa