DISFUNÇÃO SEXUAL FEMININA E PARTO NORMAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

  • Erica Carneiro NUNES
  • Bruna Camila Araujo da SILVA
  • Danieli AMORIM
  • Gustavo Fernando Sutter LATORRE

Resumo

Introdução: A vida sexual faz parte do bem-estar do indivíduo e é parte integrante da saúde global.A disfunção sexual pode determinar efeitos nocivos sobre a autoestima da mulher e seus relacionamentos. Objetivo: Verificar a influência do parto vaginal na vida sexual da mulher. Metodologia: Foi realizada uma revisão integrativa da literatura por intermédio de uma pesquisa eletrônica da literatura, recorrendo as bases de dados PUBMED e LILACS. Foram utilizados os termos “Natural Childbirth”, “Sexual Dysfunction, Physiological”, “Parto” e “disfunção sexual”, filtrado por limite sexo feminino e humano, nas línguas inglesa, espanhola e portuguesa. A pesquisa ocorreu de junho a agosto de 2015.Foram incluídos oito artigos da base PUBMED e cinco da LILACS, que explorassem a disfunção sexual em mulheres que tiveram parto normal sem/ou com auxílio de extração, sem diferenciação das mulheres primíparas e multíparas. Resultados: Os problemas sexuais são mais frequentes no pós-parto, especialmente no vaginal instrumentado com episiotomia, fórceps e/ou vácuo extração, embora ainda reste discussão com relação à correlação entre a frequência de lesões e a via de parto. Há ainda alterações significativas na prevalência dos problemas sexuais ao longo dos primeiros seis meses, independentemente da via de parto, mas o percentual vai diminuindo após esse tempo. Conclusão: A prevalência de disfunção sexual é maior em mulheres que passaram pelo parto vaginal, especialmente o instrumentalizado, sendo mais pronunciada nos primeiros meses após o parto, e diminuindo seis meses após. DESCRITORES Disfunção Sexual Fisiológica. Parto Obstétrico. Gestação. Períneo
Publicado
2017-11-15
Como Citar
NUNES, E. C., SILVA, B. C. A. da, AMORIM, D., & LATORRE, G. F. S. (2017). DISFUNÇÃO SEXUAL FEMININA E PARTO NORMAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA. Revista Brasileira De Ciências Da Saúde, 21(4), 24182. https://doi.org/10.22478/ufpb.2317-6032.2017v21n4.24182
Seção
Revisão