TRABALHO BANCÁRIO: O PARADOXO ENTRE O AVANÇO NA BARGANHA COLETIVA E A CRESCENTE INSEGURANÇA

  • Ana Paula Fregnani Colombi
  • José Dari Krein
  • Taíse Cristina Gehm Gehm

Resumo

O artigo evidencia contra movimentos existentes no seio da categoria bancária. Por um lado, durante os anos 2000, esses trabalhadores retomaram seu potencial grevista e conquistaram a elevação do salário médio e novas cláusulas nas negociações coletivas. Por outro lado, tem ocorrido uma maior pressão sobre o trabalho, causando uma série de novos problemas nas condições de trabalho. O artigo contextualiza as mudanças recentes no sistema financeiro brasileiro, analisa as tendências das campanhas salariais durante os anos 2000 e discute a condições de trabalho dos bancários do Banco do Brasil. A pesquisa tem como hipótese que a degradação nas condições de trabalho da categoria, inclusive nos bancos públicos, está relacionada à submissão dos bancários ao sistema de remuneração variável, maior controle do trabalho e exigência pelo cumprimento de metas pouco factíveis, num contexto de adequação dos bancos aos paradigmas do capitalismo financeirizado.

Seção
Dossiê: Precarização do trabalho: o outro lado da “modernização” produtiva