O PAGAMENTO POR SERVIÇO AMBIENTAL ÀS COOPERATIVAS DE CATADORES: AMPLIAÇÃO DA RENDA OU GESTÃO DA POBREZA?

  • Marconi Tabosa de Andrade

Resumo

Neste artigo, pretendemos discutir o Pagamento por Serviço Ambiental (PSA) às cooperativas de catadores de materiais recicláveis, na perspectiva da ampliação da renda destes trabalhadores. A partir da observação das atividades de catadores na ASMARE e na RECICLAMP, quanto à renda e à organização do processo de trabalho, é possível relativizar a noção de que este tipo de empreendimento perfaz, predominantemente, um mecanismo de gestão da pobreza. Discutiremos também o desenvolvimento dos processos de autogestão, pois, enquanto política de fomento à Economia Solidária, a Lei no 12.305/2010 parece apontar não só para a estruturação econômica dos Empreendimentos Econômicos Solidários no âmbito da reciclagem, mas avança para uma reconfiguração da sua forma de inserção no campo da indústria brasileira de recicláveis, com possível impacto na organização do trabalho coletivo no interior dos empreendimentos.