Breve ensaio sobre o caso colonial da música sem nação

  • João Veras Universidade Federal de Santa Catarina; Universidade Federal do Acre

Resumo

O presente ensaio busca refletir - tendo como lócus territorial e epistêmico a esfera geocultural do Acre - como certas manifestações sensoriais criativas sonoras são tratadas pelo mercado, pelo estado e pela academia no contexto de um Estado-Nação colonizado. A pretensão é demonstrar a ocorrência de práticas colonizadoras em face da produção sensorial criativa local, especialmente a musical, oferecendo como fato-modelo a ausência de preocupação historiográfica, mormente pelas políticas públicas, em relação a dita produção, fato este que se revela como uma das expressões concretas e simbólicas do fenômeno da colonialidade cultural. Ausência esta fortalecida, senão também determinada, pelas ações da indústria cultural e da academia com seus estatutos de estética norte-eurocêntricos (no plano global), e brasilcêntricos (no plano nacional), o que faz com que a música acreana se ponha como uma expressão cultural negada pelo Estado-Nação brasileiro.

Biografia do Autor

João Veras, Universidade Federal de Santa Catarina; Universidade Federal do Acre

João José Veras de Souza é músico, poeta e compositor acreano. Mestre em Direito e Doutor em Ciências Humanas pela UFSC. Autor da obra Seringalidade – o Estado da Colonialidade na Amazônia e os Condenados
da Floresta. Editora Valer, 2017.

Referências

MIGNOLO, Walter. (org.), Capitalismo y geopolítica del conocimiento: El eurocentrismo y la filosofia de la liberación em el debate intelectual contemporâneo. – Buenos Aires, Argentina: Ediciones Del Signo, 2001.

______. Histórias locais/ projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar; trad. Solange Ribeiro de oliveira. – Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

______. et. al. Des-colonidad del ser y del saber. (vídeos indígenas y los limites coloniales de la izquierda en Bolívia). 1ª Ed. – Buenos Aires: Del Signo, 2006.

______. La Idea de América Latina – La herida colonial y la opción decolonial; trad. Silvia Jawerbaum e Julieta Barba. Barcelona, España: Editorial Gedisa S.A., 2007.

_____. (org.). Género y descolonialidad. 1ª Ed. – Buenos Ayres: Del Signo, 2008.

_____.La teoria política en la encrucijada descolonial. 1ª Ed. – Buenos Aires: Del Signo, 2009.

______. Desobediencia epistêmica: retórica de la modernidade, lógica de la colonialidad, gramática de la descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

_____. De la Hermenéutica y la semiosis Colonial al Pensar Descolonial. Quito, Ecuador: Editorial Universitaria Abya-Yala, 2011a.

_____. El vuelco de la razón: diferencia colonial y pensamiento fronterizo. 1ª Ed. – Buenos Aires: Del Signo, 2011b.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade e Modernidade/Racionalidade. In BONILLO, Heraclio (org.) Los Conquistados. Bogotá: Tecer Mundo Edciones; FLACSO, 1992, pp. 437-449.

_____________ Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In La Colonialidad del saber: Eurocentrismo y Ciencias Sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Edgardo Lander [org]. Caracas: Clacso, 2000.

___________Os fantasmas da América Latina. In NOVAES, Adauto (org.). Oito visões da América Latina. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

____________ Colonialidade do poder e classificação social. In Epistemologias do Sul. SANTOS, Boaventura de Souza e MENEZES, Maria Paula [orgs.] São Paulo: Cortez, 2010.

Seção
Artigos do Dossiê