MEMÓRIAS DA DIVERSIDADE NA PARAÍBA: AS DORES E OS GUARDINS DE NINA KELLY

Autores

  • Sérgio Pessoa Ferro Doutorando na área de Direitos Humanos e Desenvolvimento pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas, Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas (2017) e pelo Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas (2019), ambos da Universidade Federal da Paraíba. Graduado em Direito pela Universidade do Estado da Bahia (2013). Advogado, credenciado sob a inscrição n. 42.536 OAB/BA. Realizador audiovisual. Pesquisa na área de Direitos Humanos, Epistemologia, História do Direito, Direito de Crianças e Adolescentes, Direito da Igualdade Racial, Direito da Diversidade Sexual. Integra os grupos de pesquisa História do Direito (PPGCJ/UFPB) e Socioeducação em análise (PPGDH/UFPB). Atualmente, trabalha com consultoria jurídica junto ao Centro de Referência em Direitos Humanos, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n3.47761

Palavras-chave:

diversidade sexual e identidades de gênero, memória social, direitos humanos, Paraíba

Resumo

Este trabalho conta a história de vida de Nina Kelly, sessenta anos, travesti, transformista, costureira, destaque de escola de samba. Nascida no interior da Paraíba, migrou para a capital ainda adolescente, onde se estabeleceu. A narrativa foi construída com base numa metodologia interdisciplinar, elegendo o gênero textual da entrevista comentada como método de produção discursiva. Posicionamos os estudos sobre direitos humanos entre a teoria literária, história, geografia, psicologia e direito. Como fontes primárias de informação, manejamos, além da entrevista semiestruturada, fotografias decorrentesdo acervo pessoal da sujeita. A perspectiva de Maurice Halbwachs nos oferece o conceito de memória enquanto construção social, de modo que o individual e o coletivo se cruzam em nossas lembranças. Assim, através das reminiscências de Nina, pretendemos mergulhar na memória social da comunidade sexo-gênero dissidente em João Pessoa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Baptista, Jean; Boita, Tony (2017). “Memória e esquecimento LGBT nos museus, patrimônios e espaços de memória no Brasil”,Revista do centro de pesquisa e formação SESC SP, 5,108-119.

Bento, Berenice (2008). O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense.

Bortolozzi, Remon Matheus (2015). “A arte transformista brasileira: rotas para uma genealogia decolonial”, Quaderns de Psicologia, 17(3), 123-134. Consultado a 02.07.2019, em https://doi.org/10.5565/rev/qpsicologia.1274

Burke, Peter (2017). Testemunha ocular: o uso de imagens como evidência histórica. Tradução de Vera Maria Xavier dos Santos. São Paulo: Editora UNESP.

Butler, Judith (2016). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Candidoet al. (1998). A personagem de ficção. São Paulo: Editora Perspectiva.

Distante, Carmelo (1988). “Memória e identidade”, Revista Tempo Brasileiro, 1(1), 77-86.

Dornelles, João Ricardo (2017).“Direitos humanos em tempos sombrios: barbárie, autoritarismo e fascismo do século XXI”,Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, 5(2), 153-168.

Gomes, José Cleudo (2016). Direitos humanos, educação e cidadania LGBT: uma análise das ações do programa Brasil sem Homofobia em João Pessoa-PB. Dissertação (Mestrado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa.

Halbwachs, Maurice (1990). A memória coletiva. Tradução de Lauren León Schaffter. São Paulo: Vértice.

Hocquenghem, Guy (2009). El deseo homossexual. Prólogo de René Schérer. Espanha: Mulusin.

Khède, Sônia Salomão (1982). “Memorialismo e identidade”, O eixo e a roda: memorialismo e autobiografia, 6, 181-195.

Kilomba, Grada (2010). Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Tradução de Jéssica Oliveira de Jesus. Müster: Unrast Verlag. Versão eletrônica consultada a 23.07.2019, em https://www.revistas.usp.br/clt/article/viewFile/115286/112968.

Lima, Luiz Costa (2013). Frestas: a teorização de um país periférico. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio.

Lopes Junior, Francisco Caetano (1982). “Memória, antropofagia e carnaval”, O eixo e a roda: memorialismo e autobiografia, 6, 181-195.

Mbembe, Achille (2016). “Necropolítica”, Arte & Ensaios, Tradução de Renata Santini, 32, 122-151.

Meihy, José Carlos Sebe Bom (1996). Manual de história oral. São Paulo: Loyola.

Mèlich, Joan-Carles (2000). “A memória de Auschwitz”, in: Carvalho, Adalberto Dias de (Org.). A educação e os limites dos direitos humanos: ensaios de filosofia da educação. Porto: Editora Porto, 47-59.

Mombaça, Jota (2016). “Rastros de uma Submetodologia Indisciplinada”, Revista Concinnitas, 1(28), 341-354.

Mott et al. (2017). Grupo Gay da Bahia – GGB. Mortes violentas de LGBT no Brasil. Relatório 2017. Consultado a 25.01.2019, em https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

Pollak, Michael (1989). “Memória, esquecimento, silêncio”,Estudos históricos, 2(3), 3-15.

Preciado, Paul (2014). Manifesto contrassexual. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: N-1 Edições.

Queiroz, Jandira. Anistia Internacional.“29 de janeiro: um dia nacional de luta pela dignidade da pessoa trans”.Página consultada a 14.06.2017, em https://anistia.org.br/29-de-janeiro-um-dia-nacional-de-luta-pela-dignidade-para-pessoas-trans/

Rodino, Ana Maria et al. (2016). Cultura e Educação em direitos humanos na América Latina. João Pessoa: Editora da UFPB.

Silva, Helio (1993). Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: ISER.

Silveira, Rosa Maria Godoy (2016). A fascistização da sociedade brasileira. In: XXII Encontro Estadual de História, 17, 2016, Guarabira, PB. Anais...Guarabira: ANPUH-PB.

Tiburi, Márcia (2018). “A máquina misógina e o fator Dilma Roussef na política brasileira”, in: Rubim; Argolo (Org.) O golpe na perspectiva de gênero. Salvador: Edufba, 107-118.

Trevisan, João Silvério (2000). Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Record.

Vainfas, Ronaldo (1989). Trópico dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Vanoye, Francis (1985). Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. Tradução de Clarisse Madureira Saboia. São Paulo: Martins Fontes.

Vilela, Eugênia (2000). “Os arquivos da dor”, in: Carvalho, Adalberto Dias de (Org.). A educação e os limites dos direitos humanos: ensaios de filosofia da educação. Porto: Editora Porto, 126-138

Downloads

Publicado

2019-08-30

Como Citar

FERRO, S. P. MEMÓRIAS DA DIVERSIDADE NA PARAÍBA: AS DORES E OS GUARDINS DE NINA KELLY. Gênero & Direito, [S. l.], v. 8, n. 3, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n3.47761. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ged/article/view/47761. Acesso em: 28 jan. 2022.

Edição

Seção

Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero