GRUPO REFLEXIVO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO PODER JUDICIÁRIO DE RONDÔNIA

Autores

  • Chaiene de Jesus Capeleline Psicóloga pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed)
  • Helena Veloso de Melo Araújo Psicóloga pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed)
  • Thainá Sampaio Ribeiro Psicóloga pela Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed)
  • Leandro Aparecido Fonseca Missiatto Mestre em Psicologia (Unir/RO), Docente curso de Psicologia da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (Facimed). Analista Processual em Psicologia do Tribunal de Justiça de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n3.47762

Palavras-chave:

Violência Doméstica. Grupo Reflexivo. Gênero

Resumo

Os registros de violência doméstica no Brasil cresceram nos últimos anos, conforme dados fornecidos pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Para combater esse problema, sancionou-se a Lei Maria da Penha, nº 11.340, que entre seus mecanismos de coibição prevê a atuação de grupos de atendimento para homens (art. 30 e 45) e mulheres (art. 30) em contexto de violência doméstica. Em busca de compreender melhor o funcionamento e benefícios do atendimento psicossocial em formato de grupo para mulheres vítimas desse tipo de violência, realizou-se esta pesquisa. O presente estudo trata de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória, realizada com 06 mulheres atendidas pelo Grupo Reflexivo para Mulheres e Homens em Situação de Violência Doméstica – Aequalitas, realizado pelo Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia, comarca de Pimenta Bueno. Aplicou-se um questionário sociodemográfico e de percepção sobre o funcionamento do grupo. Os resultados demonstram que o grupo influiu de modo positivo na vida das participantes com relatos de transformação no sistema de família, o que sugere a importância desse tipo de atendimento no Sistema de Justiça, dada sua eficácia e benefícios advindos de suas ações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, Gracielle Almeida; Roso, Patrícia Lucion (2016). “O Empoderamento de Mulheres Vítimas de Violência Através do Serviço de Acolhimento Psicológico: caminhos possíveis”. In: XIII Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea – Mostra Internacional de Trabalho Científícos. Santa Cruz do Sul. Consultado a 22. 05.19, em http://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/15876/3773.

Avanci, Joviana Quintes et al (2017). “Atendimento dos casos de violência em serviços de urgência e emergência brasileiros com foco nas relações intrafamiliares e nos ciclos de vida”. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , 22(9), 2825-2840. Consultado a 22.05.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002902825&lng=en&nrm=iso.

Bezerra, D. B.; Oliveira, J. M. (2002). “A atividade artística como recurso terapêutico em saúde mental”. Boletim da Saúde, 16 (2), 135-137.

Bittar, Danielle; Kohlsdorf, Marina (2013). “Ansiedade e depressão em mulheres vítimas de violência doméstica”. Psicologia Argumento, 31(74), 447-456. Consultado a 04.07.19, em https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/20447.

Carmo, P. C. C. S.; Moura, F. G. A. (2010). “Violência doméstica: a difícil decisão de romper ou não com esse ciclo”. In: Seminário Fazendo Gênero 9, Florianópolis, Anais. Consultado a 15.01.19, em http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/1278278656_ARQUIVO_VIOLENCIADOMESTICAADIFICILDECISAODEROMPEROUNAOCOMESSECICLO.pdf.

Carneiro, Alessandra Acosta; Fraga, Cristina Kologeski (2012). “A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada”. Serv. Soc. Soc., 110, 369-397. Consultado a 10.06.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-66282012000200008&lng=en&nrm=iso.

Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (2011). “Violência Doméstica: intervenção em grupo com mulheres vítimas”. Porto. Consultado a 23.06.19, em https://www.cig.gov.pt/siic/wp-content/uploads/2015/01/Viol%C3%Aancia-dom%C3%A9stica-Interven%C3%A7%C3%A3o-em-grupo-com-mul-heres-v%C3%Adtimas.pdf>.

Conselho Nacional de Justiça (2018). “Dados de violência doméstica e feminicídio no Brasil (2016 a 2018)”. Consultado a 22.05.19, em http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2019/03/c7bb60579ffe93584acf30929c349c50.pdf>.

Conselho Nacional de Justiça (2017). “O Poder Judiciário na aplicação da Lei Maria da Penha”. Consultado a 21.05.19, em http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2017/10/ba9a59b474f22bbdbf7cd4f7e3829aa6.pdf.

Corrêa, Márcio; Benegas, Maurício (2019). "Violência doméstica, empoderamento feminino e a dinâmica do divórcio". Consultado a 17.06.19, em http://www.caen.ufc.br/wp-content/uploads/2017/10/violencia-domestica-empoderamento-feminino-e-a-dinamica-do-divorcio.pdf.

Cox, J. W.; Stoltenberg, C. D. (1991). “Evaluation of a treatment program for battered wives”. Journal of Family Violence, 6, 395-403, 1991.Consultado a 20.05.19, em http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v30n1-2/v30n1-2a08.pdf.

Falcke, D.; Wagner, A. (2005). “A dinâmica familiar e o fenômeno da transgeracionalidade: Definição de conceitos”. In A. Wagner (Org). Como se perpetua a família? A transmissão dos modelos familiares. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Faria, Camilla Coimbra; Stein, Silvia Canaan de Oliveira (2015). “Grupo de atendimento social para mulheres em situação de violência doméstica e/ou familiar: trabalhando a autonomia econômica e financeira”. In: VII Jornada Internacional Políticas Públicas, São Luis. Consultado a 14.06.19, em http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinpp2015/pdfs/eixo7/grupo-de-atendimento-social-para-mulheres-em-situacao-de-violencia-domestica-eou-familiar-trabalhando-a-autonomia-economica-e-financeira.pdf.

Ferreira, Rebeca Monteiro et al (2016). “Características de saúde de mulheres em situação de violência doméstica abrigadas em uma unidade de proteção estadual”. Ciênc. saúde coletiva, 21(12), 3937-3946. Consultado a 16.06.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016001203937&lng=en&nrm=iso.

Ferro, Àlvaro Kalix (2018). “Magistrado qualifica dissertação no mestrado em Direitos Humanos sobre a eficiência do Projeto Abraço, que oferta reuniões terapêuticas a agressores e vítimas de violência doméstica”. Consultado a 09.05.19, em http://emeron.tjro.jus.br/noticias/796-magistrado-qualifica-dissertacao-no-mestrado-em-direitos-humanos-sobre-a-eficiencia-do-projeto-abraco-que-oferta-reunioes-terapeuticas-a-agressores-e-vitimas-de-violencia-domestica.

Filho, Adalberto Ayjara Dornelles et al (2014). Perfil da mulher vítima de violência doméstica no Brasil, Rio Grande do Sul e Caxias do Sul. In: XIII Encontro Aspectos Econômicos e Sociais da Região Nordeste do RS, Caxias do Sul. Consultado a 19.06.19, em https://www.ucs.br/site/midia/arquivos/TEC-10-Dornelles-Mincato-Grazzi-Violencia-domestica.pdf.

Fonseca, Denire Holanda et al (2012). “Violência doméstica contra a mulher: realidade e representações sociais”. Psicologia & Sociedade, 24(2), 307-314. Consultado a 22.05.19, em http://www.scielo.br/pdf/psoc/v24n2/07.pdf.

Freire, Paulo (1980). “Educação como prática da liberdade”. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Gomes, Nadirlene Pereira et al (2012). “Violência conjugal: elementos que favorecem o reconhecimento do agravo”. Saúde debate, 36(95), 514-522. Consultado a 22.05.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042012000400003&lng=en&nrm=iso.

Herbele, Andréia Yess, Oliveira, Lisandra Antunes (2016). “Grupos terapêuticos em saúde mental: uma modalidade na prática dos serviços de atenção a saúde mental”. Consultado a 27.04.19, em http://www.uniedu.sed.sc.gov.br/wp-content/uploads/2016/09/unoesc-ANDR%C3%89IA-YESS-HEBERLE.pdf.

Lucena, Kerle Dayana Tavares et al (2016). “Análise do ciclo da violência doméstica contra a mulher”. J Hum Growth Dev, 26, 139-146. Consultado a 15.03.19, em http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rbcdh/v26n2/pt_03.pdf.

Madureira, Alexandra Bittencourt et al (2014). “Perfil de homens autores de violência contra a mulheres detidos em flagrante: contribuições para o enfrentamento”. Escola Anna Nery, 18(4), 600-606. Consultado a 17.05.19, em http://www.scielo.br/pdf/ean/v18n4/1414-8145-ean-18-04-0600.pdf.

Marinheiro, André Luis Valentini et al (2006). “Prevalência da violência contra a mulher usuária de serviço de saúde”. Rev. Saúde Pública, 40(4), 604-610. Consultado a 22.05.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102006000500008&lng=en&nrm=iso.

Martins, Aline Gomes; Nascimento, Adriano Roberto Afonso do (2017). “Violência doméstica, álcool e outros fatores associados: uma análise bibliométrica”. Arq. bras. psicol., 69(1), 107-121. Consultado a 06.05.19, em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672017000100009&lng=en&nrm=iso

Matos, Marlene et al (2012). “Intervenção em grupo com vítimas de violência doméstica: uma revisão da sua eficácia”. Análise Psicológica, 30(1-2), 79-91. Consultado a 23.06.19, em http://www.scielo.mec.pt/pdf/aps/v30n1-2/v30n1-2a08.pdf.

Mendonça, Marcela Franklin Salvador; Ludermir, Ana Bernarda (2017). “Violência por parceiro íntimo e incidência de transtorno mental comum”. Revista de Saúde Pública, 51(32), 01-09. Consultado a 23.05.19, em http://www.scielo.br/pdf/rsp/v51/pt_0034-8910-rsp-S1518-87872017051006912.pdf.

Narvaz, Martha Giudice; Koller, Sílvia Helena (2006). “Famílias e patriarcado: da prescrição normativa à subversão criativa”. Psicol. Soc., 18(1), 49-55. Consultado a 10.06.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822006000100007&lng=en&nrm=iso

Organização Pan-Americana da Saúde (2018). “Quase 60% das mulheres em países das Américas sofrem violência por parte de seus parceiros”. Consultado a 21.06.19, em https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5812:quase-60-das-mulheres-em-paises-das-americas-sofrem-violencia-por-parte-de-seus-parceiros&Itemid=820.

Pinto, Lucielma Salmito Soares et al (2017). “Políticas públicas de proteção à mulher: avaliação do atendimento em saúde de vítimas de violência sexual”. Ciênc. saúde coletiva, 22(5), 1501-1508. Consultado a 12.06.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002501501&lng=en&nrm=iso

Ramos, Maria Eduarda; Oltramari, Leandro Castro (2010). “Atividade reflexiva com mulheres que sofreram violência doméstica”. Psicologia Ciência e Profissão, 30(2), 418-427. Consultado a 10.06.19, em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932010000200015&lng=en&nrm=iso

Scott, Juliano Beck; Oliveira, Isabel Fernandes (2018). “Perfil de homens autores de violência contra a mulher: uma análise documental”. Revista de Psicologia da IMED, 10(2), 71-88. Consultado a 25.06.19, em https://seer.imed.edu.br/index.php/revistapsico/article/view/2951/1993.

Siga Brasil (2019). “Página institucional”. Consultado a 15.05.19, em http://www9.senado.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=senado%2Fsigabrasilpainelcidadao.qvw&host=QVS%40www9&anonymous=true&Sheet=shOrcamentoVisaoGeral.

Vieira, Letícia Becker et al (2014). “Abuso de álcool e drogas e violência contra as mulheres: denúncias de vividos”. Revista Brasileira de Enfermagem, 67(3), 366-372. Consultado a 04.04.19, em http://www.scielo.br/pdf/reben/v67n3/0034-7167-reben-67-03-0366.pdf.

Wilson, K. J. (1997). “When violence begins at home”. CA: Hunter House Publishers.

Yalom, Irvin D.; Leszcz, Molyn (2006). “Psicoterapia de grupo: teoria e prática”. Porto Alegre: Artmed.

Zart, Louise; Scortegagna, Silvana Alba (2015). “Perfil sociodemográfico de mulheres vítimas de violência doméstica e circunstâncias do crime”. Perspectiva, 39(148), 85-96. Consultado a 19.0.19, em http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/148_536.pdf

Downloads

Publicado

2019-08-30

Como Citar

CAPELELINE, C. de J.; ARAÚJO, H. V. de M.; RIBEIRO, T. S.; MISSIATTO, L. A. F. GRUPO REFLEXIVO PARA MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO PODER JUDICIÁRIO DE RONDÔNIA. Gênero & Direito, [S. l.], v. 8, n. 3, 2019. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2019v8n3.47762. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ged/article/view/47762. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero