VIOLÊNCIA SEXUAL:

CONCEPÇÕES DE ESTUPRO E ASSÉDIO POR ESTUDANTES UNIVERSITÁRIAS/OS

  • Gabriela universidade estadual do centro-oeste-UNICENTRO
  • Katia Alexsandra dos Santos Universidade Estadual do Centro-Oeste-UNICENTRO
Palavras-chave: Violência sexual. Estupro. Assédio. Estudantes universitárias/os. Universidade.

Resumo

A universidade foi por muito tempo entendida enquanto um lugar seguro, e os objetos estudados seriam fenômenos vindos de fora de sua estrutura. Apenas recentemente surgiram pesquisas que apontam questões de violência dentro da universidade, pois, como afirmou Almeida (2017), agora têm se intensificado o número de denúncias de assédios e estupros nesse ambiente. Deste modo, esta pesquisa teve como objetivo analisar as concepções construídas em torno da questão de estupro e assédio por estudantes, a partir de experiências no contexto universitário. A investigação foi realizada com método misto, utilizou como instrumento um questionário online, e os dados foram analisados por meio de análise de conteúdo. Os resultados obtidos foram divididos a partir de três categorias, que contemplam concepções de estupro, abuso sexual e assédio. A partir desse estudo, percebeu-se que, apesar de diferenciações, ainda é nebulosa a distinção desses dois conceitos para muitas/os estudantes.

Biografia do Autor

Gabriela, universidade estadual do centro-oeste-UNICENTRO

Graduanda em Psicologia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste-UNICENTRO

Referências

Almeida, Tânia Mara Campos de. (2017). “Violências contra mulheres nos espaços universitários”. In: STEVENS, Cristiana et al (Org). Mulheres e violências: Interseccionalidades. 1a edição. Brasília: Technopolitik. 384 – 399.
Andrade, Vera Regina Pereira de. (1997). “Criminologia e feminismo: da mulher como vítima à mulher como sujeito de construção da cidadania”. Sequência, n. 35, 18: p. 42 – 29.
Andrade, Vera Regina Pereira de. (2014). Pelas mãos da criminologia: o controle penal para além da (des)ilusão. 1a edição. Rio de Janeiro, Revan: ICC.
Bandeira, Lourdes Maria. (2017). “Violência, gênero e poder: múltiplas faces”. In: Stevens, Cristiana et al (Org). Mulheres e violências: Interseccionalidades. 1a edição. Brasília: Technopolitik. 14 – 35.
Bardin, Lawrence. (2011). Análise de Conteúdo. Edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70.
Bernardes, Márcia Nina. (2016). “Sobre violência doméstica e familiar contra a mulher e discriminação baseada no gênero: questões de justiça”. In: OLIVEIRA, Adriana Vidal de (org.). Violência doméstica, discriminação de gênero e medidas protetivas de urgência. Curitiba: Juruá. 15 – 38.
Bitencourt, Carlos Roberto. (2018). Tratado do direito penal: crimes contra a dignidade sexual até crimes contra a fé pública. 12ª edição. São Paulo: Saraiva Educação.
Campos, Carmen Hein de. (2017). “Lei Maria da Penha: fundamentos e perspectivas”. In: MACHADO, Isadora Vier (Org.). Uma década de Lei Maria da Penha: percursos, práticas e desafios. Curitiba: Editora CRV. p. 17 – 38.
Cerqueira, Daniel et al. (2018). Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: Ipea e FBSP.
Código Penal. Senado Federal, 2017. Brasília. Consultado a 04.09.2019, em: [https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529748/codigo_penal_1ed.pdf].
Creswell, John W. (2010) Projeto de Pesquisa: Método qualitativo, quantitativo e misto. 3a edição. Porto Alegre: Artmed.
Decreto-Lei nº 13.772, de 19 de dezembro de 2018. Código Penal. Diário Oficial da União, Brasília.
Decreto-Lei nº 13.718, de 24 de setembro de 2018. Código Penal. Diário Oficial da União, Brasília.
Dias, Isabel. (2008). “Violência contra as mulheres no trabalho: o caso do assédio sexual”. Sociologia, problemas e práticas. n. 57: p. 11- 23.
Efrem filho, Roberto. (2017) “A reivindicação da violência: gênero, sexualidade e a constituição da vítima”. Caderno Pagu, n. 50.
Gil, Antônio Carlos. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6a edição. São Paulo: Atlas S.a..
Gomes, Thais Ribeiro; Silva, Fábio Marques da; Kitazawa, Hugo Minoru. (2016). “A apropriação do espaço da universidade pública pelos movimentos sociais que se organizam em prol das mulheres”. In: Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, 4, Porto Alegre, Anais eletrônicos. Porto Alegre: CBEO, 19-21.
Machado, Isadora Vier. (2014). “Para além da judicialização: uma leitura da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/06) em três dimensões”. Revista Feminismos. n. 7, 3: 31-43, dez.
Maggio, Vicente de Paula Rodrigues. (2018). O estupro e suas particularidades na legislação atual. Consultado a 04.12.2018, em: .
Minayo, Maria Cecília de Souza. (2002). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 21a edição. Petrópolis: Vozes.
OMS, Organização Mundial de Saúde. (2002). “Relatório Mundial sobre Violência e Saúde”. Genebra: OMS.
Pamplona Filho, Rodolfo. (2001) “Assédio sexual: questões conceituais”. Revista de Direitos do Trabalho, n.103, 27: p.182-199, jul-set.
Placca, Caroline Lopes. (2018). O estupro como violência de gênero. Dissertação (Mestrado) - Curso de Direito, Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo.
Prado, Luiz Regis; Carvalho, Gisele Mendes de. (2017). Curso de direito penal brasileiro: volume II – parte especial. 15ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais.
Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Conselho Nacional de Saúde. Brasília.
Silveira, Juliana; Autora (2016). “"Uma presidenta fora de si"? #istoémachismo: o discurso ativista e o papel das hashtags como palavra-argumento nas mídias digitais”. Colóquio Internacional De Estudos Linguísticos e Literários, 4, Anais eletrônicos. Maringá: CIELLI, p.828-838.
Shimidt, Nicoly; Shons, Patrícia Delorenzi. (2018). “A importunação sexual como crime: uma análise da atualização legislativa comparada à opinião pública”. In: Jornada De Integração E Iniciação Científica, 5, Florianópolis. Cadernos de iniciação científica. Florianópolis: Faculdade Cesusc.
Saffioti, Heleieth. (2015). Gênero, patriarcado, violência. 2a edição. São Paulo: Expressão Popular.
Schraiber, Lilia et al. (2003) “Violência vivida: a dor que não tem nome’’. Interface (Botucatu), n. 12, 7 p. 41-54, fev.
Solnit, Rebecca. (2017). A mãe de todas as perguntas: Reflexões sobre os novos feminismos. 1a edição. São Paulo: Companhia das Letras.
Sudario, Sandra; Almeida, Paulo César de; Jorge, Maria Salete Bessa. “Mulheres vítimas de estrupo: contexto e enfrentamento dessa realidade”. Psicologia & Sociedade, n. 3, 17: p. 80-86, Dec.
Unicentro. (2017). Anuário estatístico 2017, Informações acadêmicas, consultado a 03.10.2019, em: .
Publicado
2020-05-30
Como Citar
GERALDO, G. B.; SANTOS, K. A. DOS. VIOLÊNCIA SEXUAL: . Gênero & Direito, v. 9, n. 04, 30 maio 2020.
Seção
Sexualidades, Subjetivações e Práticas Psi