RUMO À INTEGRAÇÃO? PERSPECTIVAS CULTURAIS EM UMA ORGANIZAÇÃO MILITAR

  • Tatyane Araújo Batista Sales UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
  • BRUNO OLIVEIRA UNINOVE - SÃO PAULO MBA EM CONTROLADORIA
Palavras-chave: Cultura Organizacional, Administração Pública, Forças Armadas.

Resumo

A cultura organizacional como um conjunto de valores, crenças, pressupostos e elementos simbólicos define fortemente a forma como uma organização conduz seus processos. A partir dos estudos de Martin e Frost (2001) temos a visão por três diferentes perspectivas: as perspectivas da integração, da diferenciação e da fragmentação. No contexto das organizações públicas, onde a prestação de serviços para sociedade é objetivo maior (DIAS, 1998), vemos que as transformações e inovações das organizações no mundo contemporâneo vêm exigindo uma postura mais ativa. Devido atual conjuntura socioeconômica do país torna-se relevante refletir sobre a atuação destas organizações. O objetivo desse estudo é analisar a visão dos profissionais de uma instituição pública federal a partir das perspectivas culturais de integração, diferenciação e fragmentação proposta por Martin e Frost (2001). Através de estudo de caso realizado numa instituição das Forças Armadas aqui denominada RBG: situada em Recife-PE, foram obtidas por coleta de dados 20 entrevistas semi-estruturadas interpretadas por análise de conteúdo. Os resultados apontam que a instituição se enquadra dentro de uma perspectiva de integração e identificou-se que os elementos culturais e/ou simbólicos têm um forte poder de interferir nas atividades.

Biografia do Autor

Tatyane Araújo Batista Sales, UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA
Tatyane Sales de Araújo BatistaMestranda pelo PPGA/UFPBEspecialista em Gestão de ProjetosAdministradora - CRA nº5140
BRUNO OLIVEIRA, UNINOVE - SÃO PAULO MBA EM CONTROLADORIA
Bacharel em CIÊNCIAS MILITARES pela AMANMBA em Controladoria - UNINOVE (SP)

Referências

ALVESSON, M; WILLMOTT, H. On the idea of emancipation in management and organization studies. Academy of Management Review, v. 17, n. 3, p. 432-464, 1992.

ANDREWS, Kenneth R. O Conceito de Estratégia Corporativa. In: MINTZENBERG, Henry; QUINN, James Brian. O processo de estratégia. p. 78-84. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 496p.

AROGYASWAMY, B.; BYLES, C. M. Organizational Culture: Internal and External Fits. Journal of Management, v.13, n.4, 1987, p.647-659.

BARROSO, H. C. M. P.; FREITAS, M. E.. Integração e fragmentação na cultura organizacional: Discurso e silêncio em uma empresa de alimentos. RAD Vol.15, n.2, 2013, p.129-150.

BAUER, M. W.; AARTS, B. A Construção do Corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, p. 39-63, 2002.

BERVIAN, Pedro Alcino; CERVO, Amado Luiz. Metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CARRIERI, A. P.; RODRIGUES, S. B. As transformações nas significações culturais em uma empresa de telecomunicações: de empresa pública a filial privada. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 2001, Campinas. Anais do XXV Enanpad. Rio de Janeiro: Anpad, 2001.

CAVEDON, N. R.; FACHIN, R. C. Homogeneidade versus heterogeneidade cultural: um estudo em Universidade Pública. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 2000, Florianópolis. Anais do XXIV Enanpad. Rio de Janeiro: Anpad, 2000.

CRESWELL, J. W. Qualitative Inquiry and Research Design: Choosing Among Five Approaches. Thousand Oaks, CA: Sage, 2012.

DIAS, T. L. Modelo de sistemas viáveis em organizações públicas: um estudo de caso da função de planejamento de informações estratégicas para informatização da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte. 1998, 146 f. Dissertação (Mestrado) — Escola de Governo, Fundação João Pinheiro, Belo Horizonte, 1998.

FONTANA, A.; FREY, J. H. The Interview: from neutral stance to political involvement. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). Handbook of Qualitative Research. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, p. 695-727, 2005.

GUERRA, Isabel Carvalho. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Lucerna, 2006.

HILAL, A. V. Brazilian National Culture, Organizational Culture and Cultural Agreement. International Journal of Cross Cultural Management, vol. 6, n.02:139-167, 2006.

KROCK, J. T. O vínculo institucional entre o exército e as polícias militares: reflexos na estrutura organizacional formação e prática (1934-1988). Dissertação de mestrado em História. Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2008.

MARTIN, Joanne; FROST, Peter. Jogos de guerra na cultura organizacional: a luta pelo domínio intelectual. In: CLEGG, Stewart R.; HARDY, Cynthia; NORD, Walter R. (org.). Handbook de estudos organizacionais. Volume 2. São Paulo: Atlas, 2001.

MASCARENHAS, A. O.; KUNDA, G.; VASCONCELOS, I. F. G. Cultura organizacional e antropologia interpretativa – ultrapassando a abordagem de integração na pesquisa e na prática. In: VASCONCELOS, F. C.; VASCONCELOS, I. F. G. (Orgs.) Paradoxos Organizacionais: uma visão transformacional. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004. p. 197-229.

MILAN, G. S.; LARENTIS, F.; TONI, D.. Múltiplas Perspectivas da Cultura Organizacional em uma Loja Exclusiva de Móveis: Um Estudo Etnográfico. Anais XIII SemeAd. Seminários em Administração. São Paulo, 2010.

MOTTA, F. C. P; VASCONCELOS, I. F. F. G.. Teoria geral da administração. 2. ed. São Paulo: Thomson Learning, 2002.

RODRIGUES, S. B. The Political Dynamics of Organizational Culture in an Institutionalized Environment. Organization Studies, vol. 27, n.04, p. 537-557, 2006.

RODRIGUES, M. P. R. Gestão da polícia militar: a cultura institucional como agente limitador da construção de uma polícia cidadã. Dissertação de mestrado em gestão empresarial. Fundação Getúlio Vargas. Rio de Janeiro, 2010.

SHENKAR, O; LUO, Y.; YEHESKEL, O. From “distance” to “friction”: substituting metaphors and redirecting intercultural research. Academy of Management Review, v. 33, n. 4, p. 905-923, 2008.

SILVA, A. R. L. da; JUNQUILHO, G. S.; CARRIERI, A. de P.. Cultura em organizações e suas diversidades: perspectivas de análises à luz da metáfora dos “três porquinhos”. Revista Alcance – Eletrônica, v. 17 - n. 3 - p. 211-225, jul./set. 2010.

SINGH, S. K.; SRINIVASAN, V.; SISTA, S.; PARASHAR, M. Cross Cultural Conceptualisations: a case for multiple national cultures in India. Indian Institute of Management Bangalore Management Review, vol. 20, n.03, p. 249-262, 2008.

SMIRCICH, L. Concepts of Culture and Organizational Analysis. Administrative Science Quarterly, vol. 28, n.3, p. 339-358, 1983.

STAKE, R. E. Qualitative Case Studies. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). The Sage Handbook of Qualitative Research. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, p. 443-466, 2005.

WOLCOTT, Harry F. Transforming qualitative data: description, analysis, and interpretation. Thousand Oaks: Sage Publications, 1994.

Publicado
2018-12-29
Edição
Seção
Pesquisas científicas