ADAPTAR, ADEQUAR, DIFERENCIAR: reflexões a partir das políticas curriculares para o público-alvo da Educação Especial

Palavras-chave: Currículo. Adaptação, adequação e diferenciação curricular.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo investigar como no conjunto de documentos que estamos nomeando como políticas curriculares, especialmente cinco textos curriculares criados pós Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva, em 2008, vêm evidenciando movimentos curriculares como adaptação, adequação ou diferenciação curricular como formas de inclusão do público-alvo da Educação Especial. O desenvolvimento metodológico deste trabalho deu-se por meio de pesquisa documental, investigando-se alguns dos textos políticos se referem a estes movimentos e que advogam na defesa de um determinado termo como processo de inclusão. Esta pesquisa fez parte do projeto intitulado “Escolarização de alunos com deficiência intelectual: políticas públicas, processos cognitivos e avaliação da aprendizagem” que procurou investigar as formas de escolarização dos alunos com deficiência intelectual inseridos na sala de aula regular e no Atendimento Educacional Especializado. Essa discussão, portanto, é um aprofundamento de questões curriculares presentes no projeto.  A análise das políticas curriculares realizadas neste artigo identificou que poucas são as evidências dos movimentos curriculares de adaptação, flexibilização e/ou diferenciação curricular como possibilidades para a inclusão dos alunos público-alvo da Educação Especial. De acordo com a leitura atenta, por meio das políticas curriculares pesquisadas, os tipos de movimentos curriculares aqui conceituados não são representados como formas efetivas de possibilidade de trabalho pedagógico para o público-alvo da Educação Especial.

Biografia do Autor

Yasmin Ramos Pires, Universidade do Estado de Santa Catarina
Professora da Rede Municipal de Florianópolis e Mestranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina. E-mail: yasminpires@hotmail.com. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-4781-1076 
Geovana Mendonça Lunardi Mendes, Universidade do Estado de Santa Catarina
Professora do Departamento de Pedagogia e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado de Santa Catarina. E-mail: geolunardi@gmail.com. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-3405-9639

Referências

BOER, Wania Aparecida. Adequações curriculares na área da deficiência intelectual: análise de uma realidade. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, SP, 2012.

HEREDERO, Eladio Sebastian. A escola inclusiva e estratégias para fazer frente a ela: as adaptações curriculares. Acta Scientiarum Education. v. 32. n. 2. 2010.

LUNARDI-MENDES, Geovana Mendonça. Projeto “Escolarização de alunos com deficiência intelectual: políticas públicas, processos cognitivos e avaliação da aprendizagem”. 2013. 10f. (Texto digitado).

MESQUISTA, Amélia. Vozes ausentes: o currículo e a proposta de educação inclusiva. Revista Eletrônica de Educação. v. 3. n. 1. mai. 2009.

______. Currículo e educação inclusiva: as políticas curriculares nacionais. Espaço do Currículo. v. 3. n. 1. 2010.

MOSCARDINI, Saulo Fantato. Escolarização de alunos com deficiência intelectual em classes comuns e em salas de recursos multifuncionais. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Araraquara, SP, 2011.

PACHECO, José. Notas sobre diversificação/diferenciação curricular em Portugal. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação. Campo Grande: MS. v. 14. n. 28. p. 178-187. jul./dez. 2008.

ROLDÃO, Maria do Céu. Diferenciação Curricular Revisitada: conceito, discurso e práxis. Porto, PT: Porto Editora, 2003.

SACRISTÁN, Gimeno. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Tradução Ernani F. da F. Rosa. 3. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2000.

SILVA, Fabiany Cássia Tavares da; LUNARDI-MENDES, Geovana Mendonça. Currículo e conhecimento escolar na contemporaneidade: desafios para a escolarização de sujeitos com deficiência. Arquivos Analíticos de Políticas Educativos. v. 22. n. 80. 2014.

VIERA, Alexandre Braga. Currículo e educação especial: as ações a partir de diálogos cotidianos. 2012. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

FONTES DOCUMENTAIS

ARANHA, Maria Salete Fábio. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola: necessidades educacionais especiais dos alunos. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

BRASIL. (2008). Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SECADI.

BRASIL. (2009a). Decreto n.º 6.949, de 25 de agosto de 2009, promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência - ONU. Diário Oficial da União, Brasília.

BRASIL. (2009b). Ministério da Educação/CNE. Resolução 04, de 02 de outubro de 2009. Institui diretrizes operacionais para o atendimento educacional especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial.

BRASIL. (2010). Resolução CNE/CEB n.º 04, de 13 de junho de 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para Educação Básica.

BRASIL. (2011). Ministério da Educação. Decreto n.º 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências.

ONU. (2006). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela Assembleia Geral da ONU em dezembro de 2006. Disponível em: Acesso em 8 julho de 2016.

UNESCO. (1994) Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais: Salamanca: Espanha.

WCEFA. (1990). Conferência Mundial de Educação Para Todos. Declaração mundial sobre educação para todos e Plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia: março de 1990.

Publicado
2019-10-03