OBSERVATÓRIO DO PARANÁ: o movimento curricular das licenciaturas em artes visuais

Palavras-chave: Currículo. Formação do professor de arte. Subjetividade. Conhecimento, Conhecimento artístico e pedagógico.

Resumo

Esse estudo sobre o movimento curricular das licenciaturas em Artes Visuais tem origem nas discussões sobre a especificidade do conhecimento artístico no ensino de arte, a partir da pedagogia histórico‐crítica (SAVIANI, 2013). Busca-se pensar a contribuição do ensino de arte frente à alienação, ao poder hostil e destrutivo com que se defronta o(a) professor(a) (MÉSZÁROS, 2006), problematizando: o currículo proposto na licenciatura em Artes Visuais, da Universidade Federal (PR), corresponde às demandas de qualificação exigidas de quem atua no ensino de arte nos níveis fundamental e médio? Há aderência entre conhecimentos artísticos específicos e pedagógicos oferecidos na licenciatura em Artes Visuais (UFPR), os currículos das Secretarias de Educação e os conteúdos abordados na Educação Básica? Buscou-se compreender quem é o professor de carne e osso, a partir da crítica a tendência de se situar a subjetividade “dentro” e o social e o cultural “fora” do sujeito (GONZALEZ REY, 2012). Constatou-se que essa tendência encontrou expressão num projeto mais prescritivo de formação e menos aderente a investigação dos recursos subjetivos do professor no enfrentamento das situações cotidianas em sala de aula, a exemplo da prática institucionalizada de um único professor trabalhando com todas as linguagens. Enfim, como ele destrincha os conhecimentos específicos da arte (o quê) e os pedagógicos (o como) e o que resulta dessa amálgama, tendo em vista as condições cada vez mais adversas nas quais está mergulhada a escola no contexto atual brasileiro?

Biografia do Autor

Consuelo Alcioni Borba Duarte Schlichta, Universidade Federal do Paraná
Possui Bacharelado em Pintura e Licenciatura Plena em Desenho pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (1980), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1998) e doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná (2006). Atualmente é professora associada da Universidade Federal do Paraná. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Visuais, atuando principalmente nas disciplinas de desenho na graduação, fundamentos do ensino de artes visuais, formação do professor articuladamente a sua atuação e leitura de imagens. Em 2014 realizou estudos de Pós-Doutorado na Universidade do Estado de Santa Catarina, tendo como interlocutora a Profª Drª Maria Cristina da Rosa Fonseca da Silva. Investigou a formação enquanto uma dimensão inseparável da atuação do professor de Artes Visuais, sobretudo as assimetrias entre as propostas curriculares à construção de um novo perfil de professor e de ensino de artes visuais articulados às exigências da contemporaneidade.

Referências

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino da arte: anos oitenta e novos tempos. São Paulo. Perspectiva; Porto Alegre: Fundação IOCHPE, 1991.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte. v. 6. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. 3 ed. Brasília: A Secretaria, 2001.

CANCLINI, Nestor G. A socialização da arte: teoria e prática na América Latina. 2 ed. São Paulo: Cultrix, 1984.

GONZÁLES REY, Fernando Luis. O social na psicologia e a psicología social: a emergência do sujeito. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

______. Sujeito e subjetividade. São Paulo: Thomson, 2003.

______. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. Tradução de: SILVA, M. A. F. São Paulo: Thomson Pioneira Learning, 2002. Título original: Investigacíon cualitativa em psicologia.

KLEIN, Ligia Regina. Apresentação. In: CHAGAS, E. F.; RECH, H. L.; VASCONCELOS, R. e MATA, W. da (org.). Subjetividade e Educação. Fortaleza: Edições UFC, 2012. p. 7-18.

KLEIN, Ligia Regina. Alfabetização: quem tem medo de ensinar? 5. ed. São Paulo: Cortês; Campo Grande: Editora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2008.

______. Proposta Político-Pedagógica para o Ensino Fundamental. Cadernos da Escola Guaicuru. Secretaria de Estado de Educação. Núcleo de Ensino. Mato Grosso, 2000.

KOSIK, Kosik. Dialética do concreto. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

LUKÁCS, György. Estetica: la peculiaridad de lo estetico. Cuestiones preliminares y de principio. 2ª ed. Barcelona: Grijalbo, vol. 1. 1966.

MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. Educação na Cultura Visual: narrativas de ensino e pesquisa. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2009.

MÉSZÁROS, István. A teoria da alienação em Marx. Tradução de: TAVARES, I. São Paulo: Boitempo, 2006. Título original: Marx’s theory of alienation.

OCHOA, César González. Imagen y Sentido: Elementos para uma semiotica de los mensajes visuales. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 1986.

PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. 1.ed. Tradução de: GARCEZ, M. H. N. São Paulo: Martins Fontes, 1984. Título original: I problemi dell’estetica.

PEIXOTO, Maria Inês Hamann. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas: Autores Associados, 2003.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

______. Educação: Do senso comum à consciência filosófica. 18. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2009.

SAVIANI, Nereide. Saber escolar, currículo e didática: problemas da

unidade/método no processo pedagógico. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

SCHAFF, Adam. História e verdade. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

SCHLICHTA, C. A. B. D.; ALVARENGA, V. M. O currículo das licenciaturas em Artes Visuais no Paraná: do proposto na lei à formação e atuação do professor. In: BUJÁN, F.; FRADE, I. N.; FONSECA DA SILVA, M. C. da R & COHAS, M. G. de la E. (Org.). Investigación y Formación en Artes: Miradas desde América Latina. Valparaíso; Florianópolis: UDESC; Universidade de Playa Ancha; Selo Editorial Puntángeles, 2018.

VÁZQUEZ, Adolfo Sanchez. As ideias estéticas de Marx. Tradução de: COUTINHO, C. N. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978. Título original: Las ideas esteticas de Marx.

______. Filosofia da praxis. 2 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO. Tradução de: CARDOSO, L. F. Currículo básico para a escola pública do estado do Paraná. Curitiba/ PR: Imprensa Oficial, 1990. Título original: Filosofia da praxis.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DO PARANÁ. Diretrizes curriculares da educação básica: Arte. Departamento de Educação Básica. Curitiba/ PR: Imprensa Oficial, 2008.

SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO. Currículo Básico: uma contribuição para a escola pública brasileira. Curitiba/ PR: Imprensa Oficial, 1898.

SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO. Currículo Básico: compromisso permanente para a melhoria da qualidade do ensino na escola pública. Impressão Coygraf: Curitiba, 1991.

Publicado
2019-10-03