GESTOS MUDOS

José Batista Dal Farra Martins

Resumo


O artigo, ao confrontar duas pragmáticas pedagógicas, dirigidas por François Kahn e Jan Ferslev em 2013, com os gestos de duas grandes atrizes, Helene Weigel e Myrian Muniz, indaga o papel da ‘relação’ nos percursos para a criação cênica. Enquanto François Kahn se apoia diretamente nela para os esboços da vocalidade poética, Jan Ferslev aposta em um trabalho individual do ator, para definir e aprimorar sua partitura.

Texto completo:

PDF


ISSN Eletrônico: 2177-8841