CHAVE POÉTICA DECIFRATÓRIA: O PENSAR MÍTICO NA EXPLICAÇÃO DO DESCONHECIDO EM AS BALEIAS DE QUISSICO, DE MIA COUTO

  • Erick Camilo da Silva Gouveia UPE - Universidade de Pernambuco - Campus Garanhuns

Resumo

Tendência das atuais literaturas africanas, a evocação do passado pela memória busca, através da desconstrução da história oficial imposta pelo dominador, dar voz e tornar sujeito de sua própria história aqueles colocados à margem pelo processo de colonização. Tal preocupação é uma constante na escritura do moçambicano Mia Couto e, associada à questão identitária, perpassa de forma marcante sua obra. Tendo em vista tal tessitura narrativa, o presente trabalho tece um estudo do conto As baleias de Quissico, do livro Vozes anoitecidas (1986), tendo como fio condutor o trabalho de evocação do passado, através da memória de seu povo e desconstrução da história oficial, alicerçado no pensar mítico, pois este ultrapassa o aspecto primordial do mito: a redução das coisas à narrativa de sua origem. Desse modo, o pensar mítico fornece novas chaves interpretativas para eventos que careçam desta demanda, o que, neste conto, traz à luz uma explicação circunscrita à visão de mundo do homem moçambicano, considerando-se, também, a diversidade étnico-cultural deste país. Palavras-chave: literatura; Moçambique; Mia Couto.

Biografia do Autor

Erick Camilo da Silva Gouveia, UPE - Universidade de Pernambuco - Campus Garanhuns
CEAB - Centro de Estudos Afro-Brasileiros - Literaturas africanas de língua portuguesa
Publicado
2013-01-31
Seção
Literaturas Africanas e da Diáspora Negra