LITERATURA E ESCOLA: UM INSTRUMENTO PARA AÇÕES AFIRMATIVAS NAS RELAÇÕES ETNICORRACIAIS

  • Gilsa Elaine Ribeiro Andrade Universidade Federal da Paraíba. Aluna do Doutorado em Letras (PPGL/UFPB).

Resumo

As Orientações Curriculares Nacionais, assim como as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana apontam para uma das principais finalidades do Ensino Médio: a formação do cidadão crítico, capaz de ler o mundo através de suas diferentes formas de representação para assim poder interferir conscientemente nas situações concretas que a vida em sociedade proporciona. Assim, partindo do pressuposto, como afirma Silva (2008), de que o domínio da leitura torna-se necessidade numa democracia em que a justiça social é urgente, em que se espera de cada indivíduo a compreensão e a habilidade no manejo das linguagens para que possa inserir-se numa sociedade tecnocrata e interferir nas transformações culturais de um mundo globalizado, precisamos repensar qual o papel da literatura para a formação de uma cidadania justa, igualitária, positiva e solidária. Nesse sentido, pretendemos demonstrar como a literatura em diálogo com outras linguagens pode ser um instrumento para a promoção de ações afirmativas nas relações etnicorraciais em sala de aula, através do desenvolvimento de projetos didáticos, partindo de abordagens teórico-metodológicas como as de Zilberman (2005). Palavras-chave: Literatura – escola – relações etnicorraciais.

Biografia do Autor

Gilsa Elaine Ribeiro Andrade, Universidade Federal da Paraíba. Aluna do Doutorado em Letras (PPGL/UFPB).
Mestre em Letras (2011), área de concentração "Memória e Produção Cultural". Professora de Língua e Literatura Brasileira em escolas da rede particular de ensino. Tutora a distância do curso Letras Virtual (UFPB). Doutoranda em Letras (PPGL/UFPB).
Publicado
2013-03-01
Seção
Educação, Ações Afirmativas e Relações Etnicorraciais