Indexação Automática no Âmbito da Ciência da Informação no Brasil

  • Remi Lapa UFPE
  • Renato Correa UFPE

Resumo

Apresenta um panorama dos estudos sobre a Indexação Automática por meio do mapeamento e análise da produção acadêmica e científica nacional da área de ciência da informação no período de 1973 a 2012. Como objetivos específicos, procura coletar um corpus de análise e caracterizar as publicações quanto aos objetivos e aspectos metodológicos. A metodologia consiste em um estudo bibliográfico aprofundado de caráter qualitativo e quantitativo, bem como análise de conteúdo da produção literária no Brasil a respeito da indexação automática de textos escritos no idioma português, dentre livros, artigos de periódicos científicos, anais publicados e literaturas cinzentas. Os principais resultados encontrados foram: 35% dos trabalhos realizaram revisão bibliográfica, enquanto 65% investigaram a indexação automática por meio de fórmula, método ou sistema, dos quais 23% realizaram proposição e aplicação, 20% a proposição, e 22% realizaram aplicação; os sistemas como o objeto de estudo mais pesquisado, e a comparação com a indexação manual como o método de avaliação mais usado; o texto completo como a natureza do corpus mais pesquisado; o trabalho científico como a tipologia do corpus mais estudada; a indexação semi-automática como procedimento mais aplicado na validação dos termos; o processo de atribuição como o meio mais adotado para identificar os termos; o texto não estruturado como a entrada de dados preferida nos sistemas; a linguagem natural como a natureza da linguagem, os termos compostos como a natureza dos termos mais pesquisados; a análise estatística como o método de seleção dos termos mais utilizado. Concluímos que há uma tendência em estudos sobre a indexação automática por meio dos sintagmas nominais e que com o uso de novas tecnologias procura-se desenvolver uma identificação automática dos termos por meio da atribuição.

Referências

ALVES, J. C.; CAFÉ, L. M. A. Análise focada em metadados sob a luz do padrão MTD-BR. Em Questão, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 179-202, jul./dez. 2010.

ANDREEWSKI, A.; RUAS, V. Indexação automática baseada em métodos linguísticos e estatísticos e sua aplicabilidade a língua portuguesa. Ciência da Informação, Brasília, v. 12, n. 1, p. 61-73, 1983.

BARRETO, J. S. Desafios e avanços na recuperação automática da informação audiovisual. Ciência da Informação, Brasília, v. 36, n. 3, p. 17-28, set./dez. 2007.

BORGES, G. S. B.; MACULAN, B. C. M. S.; LIMA, G. A. B. O. Indexação automática e semântica: estudo de análise do conteúdo de teses e dissertações. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v.18, n.2, p. 181-193, maio/ago. 2008.

CAPURRO, R.; HJØRLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 12, n. 1, p. 148-207, jan./abr. 2007.

CESARINO, M. A. N.; PINTO, M. C. M. F. Análise de assunto. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 8, n. 1, p. 254-263, p. 32-43, jan./jun. 1980.

FUJITA, M. S. L. (Org.). A indexação de livros: a percepção de catalogadores e usuários de bibliotecas universitárias. Um estudo de observação do contexto sociocognitivo com protocolos verbais. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GIL LEIVA, I. La automatización de la indización, propuesta teórico-metodológica: aplicación al área de Biblioteconomía y Documentación.1997. 268f. Tese – Universidad de Murcia, Murcia, España, 1997.

GUEDES, V.; BORSCHIVER, S. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6., 2005, Salvador. Anais... Salvador: ICI/UFBA, 2005.

KOCHANI, A. P.; BOCCATO, V. R. C.; RUBI, M. P. Política de indexação para sistemas automatizados de coordenadorias de comunicação em ambientes universitários. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 24., 2011, Maceió. Anais... São Paulo: FEBAB, 2011.

KURAMOTO, H. Uma abordagem alternativa para o tratamento e a recuperação de informação textual: os sintagmas nominais. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, n. 2, p. 1-18, 1995.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. 2. ed. ver. atual. Brasília: Briquet de. Lemos, 2004.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 7. ed., 5. reimpr. São Paulo: Atlas, 2010.

MORAES, A. F. de. Os pioneiros da ciência da informação nos EUA. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 12, n. 2, 2002.

NASCIMENTO, G. F. C. L. Folksonomia como estratégia de indexação dos bibliotecários no Del.icio.us. 2008. 104f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

PALMQUIST, R. A. Class lecture notes: Luhn and automatic indexing – references to the early years of automatic indexing and information retrieval. Organizing and providing acess to information – LIS 391D.2 – Spring, 1998.

ROBREDO, J. Documentação de hoje e de amanhã. 4. ed. rev. ampl. Brasília, DF: Ed. Do Autor, 2005.

ROBREDO, J. Indexação automática de textos: uma abordagem otimizada e simples. Ciência da Informação, Brasília, v. 20, n. 2, p. 130-136, jul./dez. 1991.

SOUZA, R. R. Uma proposta de metodologia para indexação automática utilizando sintagmas nominais. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, n. esp., p.42-59, 1. Sem. 2006.

VIEIRA, S. B. Indexação automática e manual: revisão de literatura. Ciência da Informação, Brasília, v. 17, n. 1, p. 43-57, jan./jun. 1988.

Publicado
2014-12-31
Seção
ARTIGOS DE PESQUISA