Políticas de Formatos de Arquivos para Objetos de Aprendizagem: Preservação Digital no Saber Tecnologias Educacionais e Sociais

  • Vildeane da Rocha Borba Universidade Federal de Pernambuco
  • Sandra de Albuquerque Siebra Universidade Federal de Pernambuco
  • Marcos Galindo Universidade Federal de Pernambuco
  • Josiane Lemos Machiavelli Universidade Federal de Pernambuco
  • Cristine Martins Gomes Gusmão Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Este artigo tem o objetivo de apresentar as políticas de formatos de arquivos para objetos de aprendizagem implementadas no SABER Tecnologias Educacionais e Sociais, com o propósito de viabilizar o acesso a longo prazo aos recursos educacionais produzidos nos cursos na modalidade a distância. A fundamentação teórica se pauta em conceitos sobre estratégias de preservação digital, políticas de preservação, educação a distância e formatos de arquivos, adotando instrumentos necessários para o controle e a preservação da memória em meio digital e sua permanência continuada. A metodologia utilizada foi a pesquisa qualitativa e o procedimento metodológico utilizado foi o método de estudo de caso. O objeto de estudo foram os objetos de aprendizagem produzidos pelo grupo SABER, devido ao grande quantitativo produzido para atender às demandas de cursos de especialização e capacitação, especialmente, na área de saúde. A política de formatos de arquivos para objetos de aprendizagem abrangeu arquivos em formato textual, imagem, áudio e vídeo, apresentando a padronização necessária levando-se em consideração as vertentes acesso e preservação. Como conclusão, verifica-se que, na prática, é encorajado que os objetos de aprendizagem sejam criados e possam ser reutilizados por outros cursos e iniciativas, quando necessário. Dessa forma, é preciso garantir a sua preservação, para proporcionar o contínuo acesso e uso. Assim, a preservação desses objetos deve ser encarada como algo primordial, considerando os impactos advindos das mudanças tecnológicas.

Biografia do Autor

Vildeane da Rocha Borba, Universidade Federal de Pernambuco
Mestra em Ciência da Informação pela Universidade
Federal da Paraíba. Professora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco (DCI/UFPE), pesquisadora do Laboratório de Tecnologia do Conhecimento (LIBER/UFPE) e pesquisadora do
Grupo SABER Tecnologias Educacionais e Sociais da UFPE (SABER/
UFPE).
Sandra de Albuquerque Siebra, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Ciência da Computação. Professora
do Departamento de Ciência da Informação da Universidade
Federal de Pernambuco (DCI/UFPE), pesquisadora do Laboratório
de Tecnologia do Conhecimento (LIBER/UFPE) e pesquisadora do
grupo SABER Tecnologias Educacionais e Sociais da UFPE (SABER/
UFPE).
Marcos Galindo, Universidade Federal de Pernambuco
Doutor em História pelo Departamento de Línguas e Cultura da América Latina da Leiden University Países Baixos (2004). Professor do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco e do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Coordenador do Laboratório de Tecnologia do Conhecimento (LIBER/UFPE) onde desenvolve os projetos Rede Memorial de Pernambuco e Preservação da memória digital: um panorama brasileiro.
Josiane Lemos Machiavelli, Universidade Federal de Pernambuco
Mestra em Odontologia. É coordenadora técnico-pedagógica
da UNA-SUS na Universidade Federal de Pernambuco, colaborando
no planejamento, desenvolvimento e avaliação das ofertas
educacionais para trabalhadores do Sistema Único de Saúde. É
pesquisadora do grupo SABER Tecnologias Educacionais e Sociais
da UFPE.
Cristine Martins Gomes Gusmão, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Ciência da Computação. Professora adjunta da Universidade Federal de Pernambuco – Departamento de Engenharia Biomédica, Coordenadora Geral da UNA-SUS UFPE, Bolsista de Produtividade Desenvolvimento Tecnológico Extensão Inovadora do CNPq – Nível 2 e Coordenadora do grupo de pesquisa SABER Tecnologias Educacionais e Sociais.

Referências

ARELLANO, M. A. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 15-27, maio/ago. 2004. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/archive/00002940/01/Ci%5B1%5D.Inf-2004-343.pdf>. Acesso em: 10 maio. 2014.

BIA PLATAS, A.; SÁNCHEZ QUERO, M. Desarrollo de una política de preservación digital: tecnología, planificación y perseverancia. Cervante Virtual, Alicante, Espanã, p. 1-10, 2002. Disponível em: <http://www.cervantesvirtual.com/research/articles/JBIDI02a.pdf>. Acesso em: 26 maio 2014.

BETTIO, R. W. de; MARTINS, A. Objetos de aprendizado: um novo modelo

direcionado ao ensino a distância. 17 dez. 2004. Universia Brasil. Disponível em: < http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2004/12/17/493047/bjetos-aprendizado-um-novo-modelo-direcionado-ao-ensino-distncia.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

BROWN, A. Digital preservation guidance note 1: selecting file formats for long-term preservation. The National Archives, Reino Unido, p. 1-10, 2008. Disponível em: < https://www.nationalarchives.gov.uk/documents/selecting-file-formats.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2014.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Carta para preservação do patrimônio arquivístico digital: preservar para garantir o acesso. Rio de Janeiro: Conarq, 2005. Disponível em: <http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/carta.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2014.

ERPANET. Digital preservation policy tool. Glasgow: ERPANET, 2003. Disponível em: < http://www.erpanet.org/guidance/docs/ERPANETPolicyTool.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2014.

FERREIRA, M. Introdução à preservação digital: conceitos, estratégias e actuais consensos. Guimarães: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. 85p. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5820/1/livro.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

FLVC. Florida Virtual Campus. Recommended data formats for preservation purposes in the Florida Digital Archive. Flórida: FLVC, nov. 2013. Disponível em: < http://fclaweb.fcla.edu/uploads/recFormats_2.pdf>. Acesso em: 2 jun. 2014.

HEDSTROM, M. Digital preservation: a time bomb for digital libraries. Language Resources and Evaluation, v. 31, n. 3, maio 1997. Disponível em: < http://www.springerlink.com/content/h73v57h6587k4l7n/fulltext.pdf>. Acesso em: 07 abr. 2008.

HODGE, G.; FRANGAKIS, E. Digital preservation and permanent acess to scientific information: the state of the practice. Oak Ridge: CENDI, 2004. Disponível em: < http://cendi.dtic.mil/publications/04-3dig_preserv.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2014.

LIBRARY OF CONGRESS. Sustainability of digital formats: planning for Library of Congress collections: format descriptions. Washington: The Library of Congress, 2014. Disponível em: <http://www.digitalpreservation.gov/formats/fdd/descriptions.shtml>. Acesso em: 12 jun. 2014.

LONGMIRE, W. A primer on learning objects. Virginia: American Society for Training & Development, 2001.

MICHEL, M. H. Metodologia e pesquisa em ciências sociais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MORAN, J. M. As múltiplas formas do aprender. São Paulo, Jul. 2005. Entrevista concedida a Revista Atividades & experiências. Disponível em: < http://ucbweb.castelobranco.br/webcaf/arquivos/23855/6910/positivo.pdf>. Acesso em: 24 jun. 2014.

NARA. The U.S. National Archives and Records Administration. Preservation: digital file types. College Park: NARA, 2010. Disponível em: < http://www.archives.gov/preservation/products/definitions/filetypes.html>. Acesso em: 10 jun. 2014.

RIMKUS, K. et al. Digital preservation file format policies of ARL member libraries: an analysis. D-Lib Magazine, v. 20, n. ¾, mar./abr. 2014. Disponível em: < http://www.dlib.org/dlib/march14/rimkus/03rimkus.print.html>. Acesso em: 26 jun. 2014.

ROG, J.; VAN WIJK, C. Evaluating file formats for longterm preservation. Den Haag: National Library of the Netherlands, 2008. p. 1-11. Disponível em: < http://www.kb.nl/sites/default/files/docs/KB_file_format_evaluation_method_27022008.pdf>. Acesso em: 25 jun. 2014.

SÁ FILHO, C. S. e; MACHADO, E. de C. O computador como agente transformador da educação e o papel do objeto de aprendizagem. 17 dez. 2004. Universia Brasil. Disponível em: < http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2004/12/17/493049/omputador-como-agente-transformador-da-educao-e-papel-do-objeto-aprendizagem.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2014.

SOUZA, J. de; VIERA, F. G. A Tecnologia Open Archives Initiative, Object Reuse and Exchange: histórico e perspectivas. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, abr. 2012. Disponível em: < http://www.dgz.org.br/abr12/Art_04.htm>. Acesso em: 15 set. 2014.

WHITE, J. Sustainable file formats for electronic records: a guide for government agencies. Springfield: Illinois State Archives, 2013. Disponível em: < http://www.cyberdriveillinois.com/departments/archives/records_management/sustainableformats.html>. Acesso em: 25 jun. 2014.

WILEY, D. Connecting learning objects to instructional design theory: a definition, a metaphor, and a taxonomy. In: WILEY, D. (Ed.). The instructional use of learning objects: on line version. Bloomington: Association for Instructional Technology, 2000. Disponível em: <http://reusability.org/read/chapters/wiley.doc>. Acesso em: 20 jun. 2014.

Publicado
2015-12-31
Seção
ARTIGOS DE PESQUISA