Requisitos funcionais para registros bibliográficos-frbr: um estudo de sua aplicação em repositórios

  • Wellington Freire Cunha Costa Universidade Federal Fluminense
  • Elisabete Gonçalves de Souza Universidade Federal Fluminense

Resumo

Estuda o uso do modelo conceitual FRBR em repositórios digitais a fim de contribuir para uma melhor organização e recuperação dos registros de informação em bibliotecas digitais. Busca verificar se a estrutura descritiva do repositório digital se ajusta ao novo paradigma das entidades, atributos e relacionamentos. Analisa a adequação de padrões de metadados, como o Dublin Core, ao modelo conceitual FRBR. Tem como campo empírico, o repositório LUME da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A partir de pesquisa feita na base, mostra como o repositório organiza e representa seus registros e a seguir identifica as entidades e atributos das expressões/manifestações de uma obra. Simula como seria o resultado de uma pesquisa se a arquitetura do RI-LUME fosse adequada aos princípios do FRBR. No que diz respeito aos dados de autoridade, sugere a adição de novos atributos FRAD aos metadados Dublin Core de modo a oferecer ao usuário mais informações sobre o criador das obras, incluindo as informações sobre área e linha de pesquisa, grupos, etc. Conclui que uso do modelo FRBR qualifica as entidades, as individualiza por meio de atributos e concomitantemente as relaciona, o que torna as buscas muito mais precisas dando ao usuário a oportunidade de encontrar, identificar, selecionar e obter as informações de forma simples e rápida, permitindo que este, a partir de uma questão de pesquisa, recupere todas as expressões e manifestações de uma obra ou conheça todas as obras, expressões e manifestações produzidas por uma pessoa ou entidade.

Biografia do Autor

Wellington Freire Cunha Costa, Universidade Federal Fluminense
Mestre em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFF) da Universidade Federal Fluminense. Bibliotecário e Arquivista.
Elisabete Gonçalves de Souza, Universidade Federal Fluminense
Professora do Departamento de Ciência da Informação e do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense (PPGCI/UFF).
Publicado
2018-06-05