Curadoria Digital: um termo interdisciplinar

Resumo

O termo Curadoria Digital ainda gera dúvidas sobre seu significado devido a sua natureza polissêmica e ao fato da curadoria ser uma prática naturalmente interdisciplinar. Nesse contexto,  este artigo tem como objetivo contribuir para a reflexão sobre o termo Curadoria Digital na Ciência da Informação e sua interdisciplinaridade. Para tal, coletaram-se definições, contextos e abordagens para sua análise e interpretação na Ciência da Informação. A tendência interdisciplinar do conceito é interpretada e refletida por meio do método quadripolar, que analisa a questão em quatro vieses: teórico, epistemológico, técnico e  morfológico, de modo que o estudo possa se enquadrar nos horizontes de uma Ciência da Informação contemporânea. A pesquisa reflete que os desafios associados à curadoria digital não são puramente técnicos, mas principalmente de ordem humana, em que seu processo curatorial vislumbra a sustentabilidade de objetos digitais a longo prazo. Diante do supracitado são necessários o conhecimento atualizado e adequado dos profissionais da informação, a busca por recursos financeiros e políticas institucionais que regulamentem a realização do trabalho necessário.

Biografia do Autor

Sandra de Albuquerque Siebra, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora em Ciência da Computação. Professora Adjunta do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Professora do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Pesquisadora do Laboratório LIBER.
Vildeane da Rocha Borba, Universidade Federal de Pernambuco.
Mestra em Ciência da Computação. Doutoranda na UFRGS. Professora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Pesquisadora do Laboratório LIBER.
Májory Karoline Fernandes de Oliveira Miranda, Universidade Federal de Pernambuco
Doutora. Professora Adjunta do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Professora do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação. Pesquisadora do Laboratório LIBER.

Referências

ABBOT, D. What is digital curation? 2008. Disponível em: <http://www.dcc.ac.uk/resources/briefing-papers/introduction-curation/what-digital-curation>.

Acesso em: 25 jul. 2016.

ASSOCIATION FOR LIBRARY COLLECTIONS & TECHNICAL SERVICES. Definitions of Digital Preservation. 2007 Disponível em: <http://www.ala.org/alcts/resources/preserv/defdigpres0408>. Acesso em: 12 jul. 2016.

BEAGRIE, N. Digital Curation for Science, Digital Libraries, and Individuals. International Journal of Digital Curation, v. 1, n. 1, p. 3-16, nov. 2006. Disponível em: <http://www.ijdc.net/index.php/ijdc/article/view/6/2>. Acesso em: 25 jul. 2016.

BEAGRIE, N. The Digital Curation Centre. Learned Publishing, v. 17, n. 1, p. 7–9, Jan. 2004.

BOHN, R. E.; SHORT, J. E. How Much Information? 2009 Report on American Consumers. San Diego: University of California, 2009. Disponível em: <http://hmi.ucsd.edu/pdf/HMI_2009_ConsumerReport_Dec9_2009.pdf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

BRASIL. Lei Nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 18 nov. 2011. Seção 1, p. 1. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm>. Acesso em: 17 set. 2016.

BRASIL. Lei Nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 09 jan. 1991. Seção 1, p. 455. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8159.htm> . Acesso em: 17 set. 2016.

BRASIL. Ministério da Justiça. Arquivo Nacional. Conselho Nacional de Arquivos. Resolução nº 43, de 04 de setembro de 2015. Altera a redação da Resolução do CONARQ nº 39, de 29 de abril de 2014, que estabelece diretrizes para a implementação de repositórios digitais confiáveis para a transferência e recolhimento de documentos arquivísticos digitais para instituições arquivísticas dos órgãos e entidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos - SINAR. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 08 set. 2015. Seção 1, p. 34. Disponível em: <http://www.conarq.gov.br/legislacao/resolucoes-do-conarq/335-resolucao-n-43,-de-04-de-setembro-de-2015.html>. Acesso em: 17 set. 2016.

BRUYNE, P. de; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. de. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. 5.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

CASTILHO, C. A. V. O Papel da Curadoria na Promoção do Fluxo de Notícias em Espaços Informativos Voltados para a Produção e Conhecimento. 2015. 155f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

DALLAS, C. An Agency-oriented Approach to Digital Curation Theory and Practice. In: INTERNATIONAL CULTURAL HERITAGE INFORMATICS MEETING (ICHIM07), 2007, Toronto. Proceedings... Toronto: Archives & Museum Informatics. 2007. Disponível em: <http://www.archimuse.com/ichim07/papers/dallas/dallas.html>. Acesso em: 4 ago. 2016.

DCC. DIGITAL CURATION CENTRE. DCC Curation Lifecycle Model Edinburgh: University of Edinburgh, c2004-2016b. Disponível em: <http://www.dcc.ac.uk/resources/curation-lifecycle-model>. Acesso em: 10 jul. 2016.

DCC. DIGITAL CURATION CENTRE. What is Digital Curation? Edinburgh: University of Edinburgh, c2004-2016a. Disponível em: <http://www.dcc.ac.uk/digital-curation/what-digital-curation>. Acesso em: 10 jul. 2016.

GRAY, J. Jim Gray on escience: a transformed scientific method. In: HEY, T.; TANSLEY, S.; TOLLE, K. (Ed.). The fourth paradigm: data-intensive scientific discovery. Washington: Microsoft Research, 2009. Disponível em: <http://languagelog.ldc.upenn.edu/myl/JimGrayOnE-Science.pdf>. Acesso em: 02 ago. 2016.

HARVEY, Ross. Digital Curation: a how-to-do-it manual. New York: Neal-Schuman, 2010.

HERTHER, Nancy. Content curation: a look of the some of the best. The Magazine for Database Professionals, p. 26-35, out. 2012.

HEY, T.; HEY, J. E-science and its implications for the library community. Library Hi Tech, v. 24, n. 4, p. 515-528, 2006.

HIGGINS, S. Digital curation: the emergence of a new discipline. The International Journal of Digital Curation, v. 6, n. 2, 2008. Disponível em: <http://www.ijdc.net/index.php/ijdc/article/ view/184>. Acesso em: 1 ago. 2016.

HILBERT, M.; LÓPEZ, P. The World’s Technological Capacity to Store, Communicate, and Compute Information. Science, v. 332, n. 6025, p. 60-65, apr. 2011.

LAVOIE, B.; DEMPSEY, L. Thirteen ways of looking at...Digital Preservation. D-Lib, v. 10, n. 7/8, Jul./Ago. 2004. Disponível em: <http://www.dlib.org/dlib/july04/lavoie/07lavoie.html>. Acesso em: 30 jul. 2016.

LEE, C. A.; TIBBO, H. Where's the Archivist in Digital Curation? Exploring the Possibilities through a Matrix of Knowledge and Skills. Archivaria, v. 72, p.123-168, 2011. Disponível em: <https://ils.unc.edu/callee/p123-lee.pdf>. Acesso em: 5 ago. 2016.

LIU, S. B. Trends in Distributed Curatorial Technology to Manage Data Deluge in a Networked World. UpGrade, v. 12, n. 4, Ago. 2010. Disponível em: <http://www.cepis.org/upgrade/media/liu.IV.20101.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2016.

LONGAIR, S. Cultures of Curating: The Limits of Authority. Museum history journal, v. 8, n. 1, p. 1-7, Jan. 2015. Disponível em: <http://www.maneyonline.com/doi/pdfplus/10.1179/1936981614Z.00000000043>. Acesso em: 25 jul. 2016.

LYMAN, P.; VARIAN, H. R. How Much Information? The jornal of eletronic publishing, v. 6, n. 2, dec. 2000. Disponível em: <http://quod.lib.umich.edu/j/jep/3336451.0006.204?view=text;rgn=main>. Acesso em: 22 jul. 2016.

MANYIKA, J. et al. Big Data: The Next Frontier for Innovation, Competition, and Productivity. San Francisco: McKinsey Global Institute, 2011. Disponível em: <http://www.mckinsey.com/insights/business_technology/big_data_the_next_frontier_for_ Innovation>. Acesso em: 25 jul. 2016.

MEDEIROS, J. da S.; CAREGNATO, S. E. Compartilhamento de dados e e-Science: explorando um novo conceito para a comunicação científica. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 311-322, set. 2012.

MICHEL. M. H. Metodologia e Pesquisa científica em ciências sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2009.

NATIONAL ACADEMY OF SCIENCES. Preparing the Workforce for Digital Curation. Washington, DC: The National Academies Press, 2015. 104p. Disponível em: <http://www.nap.edu/catalog.php?record_id=18590>. Acesso em: 25 jul. 2016.

OECD. ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. OECD Principles and Guidelines for Access to Research Data from Public Funding. Paris: OECD, 2007. Disponível em: <http://www.oecd.org/sti/sci-tech/38500813.pdf>. Acesso em: 3 ago. 2016.

RAMOS, D. Anotações para a compreensão da atividade do “Curador de Informação Digital”. In: ______. Curadoria Digital e o Campo da Comunicação. São Paulo: ECA/USP, 2012.

SAAD CORREA, E.; BERTOCCHI, D. A cena cibercultural do jornalismo contemporâneo: web semântica, algoritmos, aplicativos e curadoria. Matrizes, ano 5, n. 2, p. 123-144, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://www.matrizes.usp.br/index.php/matrizes/article/download/340/pdf>. Acesso em: 28 jul. 2016.

SANTOS, T. N. C. Curadoria digital: o conceito no período de 2000 a 2013. 2014. 165 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Curadoria Digital: um novo patamar para preservação de dados digitais de pesquisa. Inf. & Soc.:Est., João Pessoa, v. 22, n. 3, p. 179-191, set./dez. 2012. Disponível em: <http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/12224>. Acesso em: 28 jul. 2016.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Guia de Gestão de Dados de Pesquisa para Bibliotecários e Pesquisadores. Rio de Janeiro : CNEN/IEN, 2015. 90 p.

SILVA, A. M.; RIBEIRO, F. Das Ciências Documentais à Ciência da Informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular. Porto: Edições Afrontamento, 2002. 174p.

TIBBO, H. R.; HANK, C.; LEE, C. A. Challenges, curricula, and competencies: researcher and practitioner perspectives for informing the development of a digital curation curriculum. In: ARCHIVING 2008, Bern, 2008. Final Program and Proceedings. Springfield: Society for Imaging Science and Technology, 2008. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2016.

TURNER, V. et al. The Digital Universe of Opportunities: Rich Data and the Increasing Value of the Internet of Things. Framingham: IDC, 2014. Disponível em: <http://idcdocserv.com/1678>. Acesso em: 02 ago. 2016.

Publicado
2018-06-05