O copyright em políticas internacionais de gestão de dados de pesquisa

  • Eduardo Graziosi Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" http://orcid.org/0000-0002-0682-0881
  • Daniel Martínez-Ávila Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Resumo

A criação de novos serviços nas bibliotecas universitárias tem sido realizada para atender demandas antes não existentes. Dentre elas, destaca-se a gestão de dados de pesquisa, que envolve a coleta, organização, tratamento e disponibilização de dados de pesquisa. No que se refere à disponibilização, há que se ter em mente os usos possíveis para os dados. Para tanto, deve estar prevista uma política de gestão dos dados que inclua, dentre outros elementos, o copyright. Assim, levantou-se uma amostra mundial a partir de um ranking universitário das cinco primeiras instituições classificadas para identificar se suas bibliotecas oferecem o serviço de gestão de dados de pesquisa e, em caso positivo, se possuem ou não a política desse serviço disponível ao público e, finalmente, se ela aborda ou não o copyright. Constatou-se a menção ao copyright nas políticas de gestão de dados em universidades da África, da Europa e da Oceania, mas não dos Estados Unidos; e no Brasil uma única universidade apresenta informações e iniciativas sobre gestão de dados científicos.

Biografia do Autor

Eduardo Graziosi Silva, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Bacharel em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Atualmente é bibliotecário da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP) onde atua como Chefe da Seção de Atendimento ao Usuário do Serviço de Biblioteca "Prof. Dr. Sérgio Rodrigues Fontes". Atua, também, como docente na Content Mind, onde oferece o MOOC "CVLattes: como criar e manter atualizado?". Cursa o mestrado em Ciência da Informação na Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP) - Campus de Marília, onde desenvolve um projeto sobre direitos autorais no contexto das bibliotecas universitárias.
Daniel Martínez-Ávila, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Professor Assistente Doutor na Universidade Estadual Paulista. Possui graduação em Biblioteconomía y Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2005), Licenciado en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2007), Mestrado em Investigación en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2009), e Doutorado internacional pelo Programa Oficial de Doctorado en Documentación pela Universidad Carlos III de Madrid (2012). Foi Pesquisador e Instrutor Adjunto na University of Wisconsin-Milwauke até setembro de 2014 e Professor Assistente Doutor da Universidad Carlos III de Madrid até setembro de 2013. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Organização da Informação. Membro do International Society for Knowlege Organization (ISKO) Scientific Advisory Board.

Referências

ADAMS BECKER, S. et al. NMC Horizon Report: 2017 library edition. Austin: The New Media Consortium, 2017. Disponível em: <http://cdn.nmc.org/media/2017-nmc-horizon-report-library-EN.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2017.

CHABOT, L. et al. 2016 top trends in academic libraries: a review of the trends and issues affecting academic libraries in higher education. College and Research Libraries News, Chicago, v. 77, n. 6, 2016. Disponível em: <http://crln.acrl.org/index.php/crlnews/article/view/9505/10798>. Acesso em: 30 nov. 2017.

COX, A. M.; VERBAAN, E. How Academic librarians, IT staff, and research administrators perceive and relate to research. Library & Information Science Research, Norwood, v. 38, n. 4, p. 319-326, 2016. Disponível em: < https://doi.org/10.1016/j.lisr.2016.11.005>. Acesso em: 24 nov. 2017.

DILLEN, W.; NEYT, V. Digital scholarly editing within the boundaries of copyright restrictions. Digital Scholarship in The Humanities, Oxford, v. 31, n. 4, p. 785-796, 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.1093/llc/fqw011>. Acesso em: 24 nov. 2017.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO. São Paulo: [s.n.], [201-?]. Disponível em: <http://www.fapesp.br/gestaodedados/>. Acesso em: 30 out. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manifesto de acesso aberto a dados de pesquisa brasileira para ciência cidadã. [S.l.: s.n.], 2016. Disponível em: <http://www.ibict.br/Sala-de-Imprensa/noticias/2016/ibict-lanca-manifesto-de-acesso-aberto-a-dados-da-pesquisa-brasileira-para-ciencia-cidada/#_ftn1>. Acesso em: 4 nov. 2017.

KOLTAY, T. Research 2.0 and research data services in academic and research libraries: priority issues. Library Management, Bradford, v. 38, n. 6/7, p. 345-353, 2017. Disponível em: <http://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/LM-11-2016-0082>. Acesso em: 29 out. 2017.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. OECD principles and guidelines for access to research data from public funding. OECD: [S.l.], 2007. Disponível em: <http://www.oecd.org/science/sci-tech/38500813.pdf>. Acesso em: 6 nov. 2017.

PATEL, D. Research data management: a conceptual framework. Library Review, Bingley, v. 65, n. 4-5, p. 226-241, 2016. Disponível em: <https://doi.org/10.1108/LR-01-2016-0001>. Acesso em: 24 nov. 2017.

SAYÃO, L. F. SALES, L. F. Guia de gestão de dados de pesquisa para bibliotecários e pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN, 2015. Disponível em: <http://carpedien.ien.gov.br/bitstream/ien/1624/1/GUIA_DE_DADOS_DE_PESQUISA.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

Publicado
2019-02-10