Processos de preservação digital na rede memorial pernambuco (RMP)

  • Aureliana Lopes de Lacerda Tavares Universidade Federal de Pernambuco
  • Marcos Galindo Lima UFPE

Resumo

Esta pesquisa objetiva analisar os processos de preservação digital nas instituições que compõem a Rede Memorial de Pernambuco buscando nesse cenário uma solução baseada em uma abordagem sistêmica através da categoria dos Sistemas Memoriais. É uma pesquisa de cunho exploratório com enfoque qualitativo, que utilizou como procedimento técnico o questionário e a entrevista. Os resultados mostram que a especificidade da informação digital implica em mudanças nas ações e rotinas das instituições e profissionais envolvidos nesse contexto, pois os problemas que acompanham os processos de preservação digital são imensos e abarcam soluções que precisam ser tomadas à longo prazo, pois esta preservação não limita-se apenas a esfera tecnológica, atinge também as esferas administrativas, legais, políticas e econômicas, o que coloca as instituições diante de um quadro que evidencia que muitos dos problemas a serem enfrentados não podem mais ser tratados isoladamente. Conclui que urge agir sobre os riscos inerentes aos processos de preservação digital buscando identificar os fenômenos que estão por traz destes, e que ameaçam os documentos digitais, assim indica uma mudança de pensamento pautado numa abordagem sistêmica e em uma cultura de colaboratividade e compartilhamento de práticas e conhecimentos acumulados

Biografia do Autor

Aureliana Lopes de Lacerda Tavares, Universidade Federal de Pernambuco
Mestre em Ciência da Informação, pelo Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco. Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). Foi professora substituta no Departamento de música da UFPE entre 2014 e 2016, atualmente é professora Assistente do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

ABRAMS, S.; CRUSES, P.; KUNZE, J. Preservation Is Not a Place. The International Journal of Digital Curation, n.1, v. 4, 2008.

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION. Definitions of Digital Preservation.

Disponível em: <http://www.ala.org/alcts/resources/preserv/defdigpres0408>. Acesso em: 22 Ago. 2013

ARELLANO, Miguel Angel. Critérios para a preservação digital da informação científica. 2008. 356f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Universidade de Brasília. Brasília, 2008. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/15412/1/Tese_Miguel_%C3%81ngel_M%C3%A1rdero_Arellano.pdf>. Acesso em 18 Jun. 2012.

BORBA, Vildeane da Rocha. Modelo orientador para construção de estratégias de Preservação digital: Estudo de Caso do Banco de Teses e Dissertações da UFPE. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2009.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. 1.

FERREIRA, Miguel. Introdução à Preservação digital: Conceitos, estratégias e atuais consensos. Guimarães: Escola de Engenharia da Universidade do Minho, 2006. 85p. Disponível em: <https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/5820/1/livro.pdf>. Acesso em: 10 jun. 2012.

GOLDIN, Daniel. En torno a las políticas públicas del libro y la lectura. In: PASAJES de la edición: hablan los profesionales. Guadalajara: Cerlalc: Universidad de Guadalajara, 2003. p. 162-168.

GALINDO. Marcos. Patrimônio memorial e instituições públicas no Brasil. In: MOTTA, A.; BARRIO, A. E.; GOMES, M. H. (Orgs). Inovação Cultural, Patrimônio e Educação. Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Massangana, 2009. p. 251-263.

GALINDO, Marcos. O Dilema de Pharmacon. Ciência da Informação, v.1, n. 1, 2012. p. 36-50. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/2111/1790>. Acesso em: Acesso em: 22 Jul. 2013

GOUVEIA JUNIOR, M. GALINDO, M. Sistemas memoriais como disseminadores de informação. Transinformação, Campinas, v.24, n.3, 2012. p.207-2017. Disponível em: <http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/transinfo/article/view/1203/1178>. Acesso em: 20 Jul. 2013

GRÁCIO, José Carlos A. FADEL, Bárbara. VALENTIM, Marta Lígia P. Preservação digital nas instituições de ensino superior: aspectos organizacionais, legais e técnicos. Perspectivas em Ciência da Informação, v.18, n.3, p.111-129, jul./set. 2013.

HEDSTROM, Margaret. Digital preservation: a time bomb for digital libraries. Computer and the Humanities, v.31, n.3, 1998, p.189-202.

KASPER, Humberto. O processo de pensamento sistêmico: um estudo das principais abordagens a partir de um quadro de referência proposto. 2000. Dissertação (Mestrado em Engenharia da produção) - Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, PPGEP/UFRGS.

OLIVEIRA, Simone Rosa de. Informação e memória: registros documentais da Fundarpe - 2003/2009. 2011. Dissertação. (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PPGCI/UFPE, 2011. 165 p.

REDE MEMORIAL. Carta de Recife. Recife: Rede memorial, 2008

RODRIGUES, Maria de Lurdes Tainha Saramago. Preservação a longo prazo: Estado da arte e boas práticas em repositórios digitais. 2003. Dissertação (Mestrado em Estudos de Informação e Bibliotecas Digitais). ISCTE, Lisboa, 2003.

SAYÃO, Luís Fernando. Preservação digital no contexto das bibliotecas digitais: uma breve introdução. In: MARCONDES, Carlos Henrique; KURAMOTO, Helio; TOUTAIN, Lidia Brandão; SAYÃO, Luís Fernando (Org.). Bibliotecas digitais: saberes e práticas. Salvador: UFBA, 2005. p. 115-145.

SAYÃO, Luís Fernando. Uma outra face dos metadados: informações para a Gestão da preservação digital. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação. Florianópolis, v. 15, n. 30, 2010.

SOARES, Sandra Maria Veríssimo. O microfilme e o digital: as duas faces da preservação. 2011. Dissertação. (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife – PPGCI/UFPE, 2011. 163

Publicado
2018-10-20