Princípios FAIR e melhores práticas do Linked Data na publicação de dados de pesquisa

Luciana Candida Silva, José Eduardo Santarem Segundo, Marcel Ferrante Silva

Resumo


As tecnologias da Web Semântica, seguindo as melhores práticas do Linked Data, proporcionam benefícios para a publicação de dados na Web. Os princípios FAIR orientam que os dados de pesquisa sejam publicados para serem encontráveis, acessíveis, interoperáveis e reusáveis. Contudo, não sugerem tecnologias específicas para sua implementação. Dessa forma, este estudo tem como objetivo identificar a possibilidade de publicar dados de pesquisa seguindo os princípios FAIR: Findable, Accessible, Interoperable, Re-usable, a partir da adoção das tecnologias da Web Semântica, por meio do Linked Data, como solução efetiva de sua implementação no ambiente Web. Esta pesquisa é de natureza qualitativa, do tipo descritiva-exploratória. Para tanto, descreveu sobre os dados de pesquisa em seu contexto tipológico e, em seguida, sobre os princípios FAIR e sobre o Linked Data. O Linked Data foi detalhado no conjunto de melhores práticas para publicação de dados na Web e seus benefícios. No segundo momento, analisou as orientações dos princípios FAIR e buscou, nas melhores práticas do Linked Data, as diretrizes e tecnologias apropriadas para publicação de dados de pesquisa na Web, de forma a atender os princípios FAIR. Como resultado, obteve-se que das trinta e cinco melhores práticas recomendadas, a adoção das tecnologias indicadas nas categorias metadados, licença, proveniência, identificadores, formatos, vocabulários e acesso a dados atendem aproximadamente oitenta por cento (80%) das orientações de FAIR para publicação de dados de pesquisa na Web, de forma a permitir aos dados, novos significados em pesquisas colaborativas e interdisciplinares.


Texto completo:

PDF

Referências


BERNERS-LEE, T.; HENDLER, J.; LASSILA, O. The Semantic Web: a new form of Web content that is meaningful to computers will unleash a revolution of new possibilities. Scientific American, New York, 17 may 2001.

BERNERS-LEE, T. Linked Data. 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

BORGMAN, C. Research data: who will share what, with whom, when, and why? In: CHINA--NORTH AMERICAN LIBRARY CONFERENCE, 5., 2010, Beijing. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2018.

FORCE11. The Future of Research Communications and e-Scholarship. Guiding principles for findable, accessible, interoperable and reusable data publishing version B1.0. 2014. Texto digital. Disponível em: < https://www.force11.org/fairprinciples>. Acesso em: 13 jun. 2018.

GREEN, A.; MACDONALD, S.; RICE, R.. Policy-making for research data in repositories: a guide. May 2009 Version 1.2. Disponível em:

. Acesso em: 13 jun. 2018.

IBICT. INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA. Manifesto de acesso aberto a dados de pesquisa brasileira para Ciência Cidadã. 2016. Texto digital. Disponível em: . Acesso em: 7 dez. 2017.

ISOTANI, S.; BITTENCOURT, Ig I. Dados abertos conectados. São Paulo: Novatec, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

LÓSCIO, B. F.; BURLE, C.; CALEGARI, N. Data on the Web best practices. W3C, 2017. Texto digital. Disponível em: < https://www.w3.org/TR/dwbp/> . Acesso em: 02 jun. 2018.

NATIONAL REARCH COUNCIL. A question of balance: private rights and the public interest in scientific and technical databases. Washington: NRC, 1999. Disponível em: . Acesso em: 02 jun. 2018.

NATIONAL SCIENCE BOARD. Long-lived digital data collections: enabling research and education in the 21st century. Alexandria, USA: National Science Foundation, 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2018.

PIRES, M. T. Guia de dados abertos. São Paulo: NIC.br, 2015. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2018.

OPEN KNOWLEDGE INTERNATIONAL. The open data handbook. 2004. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2017.

ORGANIZATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Principles and Guidelines for Access to Research Data from Public Funding. OECD, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

RILEY, J. Understanding metadata: what is metadata, and what is it for? Baltimore, MD: NISO Primer, 2017. Disponível em:< http://www.niso.org/apps/group_public/download.php/17446/Understanding%20Metadata.pdf> . Acesso em: 02 jun. 2018.

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Guia de gestão de dados de pesquisa para bibliotecários e pesquisadores. Rio de Janeiro: CNEN, 2015.

SIMIONATO, A. C. Mapeamento dos metadados para dados científicos. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 18. 2017. Marília, SP: UNESP, 2017. Disponível em:

index.php/xviiienancib/ENANCIB/paper/viewFile/563/874>. Acesso em: 6 jun. 2018.

TENOPIR, C. et al. Changes in data sharing and data reuse practices and perceptions among scientists worldwide. PLoS One, v. 10, n.8, 2015. DOI 10.1371/journal.pone.0134826

WILKINSON, M. et al. The FAIR guiding principles for scientific data management and stewardship. Sci Data, n. 3, 2016. DOI: 10.1038/sdata.2016.18




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2358-3908.2018v5n2.44812

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Os documentos disponibilizados por Informação & tecnologia foram licenciados por uma Licença Creative Commons - Atribuição-Não Comercial-Compartilha Igual 3.0 Brasil

ISSN 2358-3908

Informação & Tecnologia está registrada e/ou indexada através dos seguintes serviços: