CLIMA ORGANIZACIONAL E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ESTADUAL: UMA PESQUISA NO ESTADO DO PARÁ, BRASIL.

  • Laura da Conceição Luz Santos Morais UFPA
  • Patrícia Coelho Vicente UFPA
  • Rafael Virgolino Sereja UFPA
  • Carlos André Corrêa de Mattos UFPA
Palavras-chave: Gestão de pessoas, clima organizacional, comportamento organizacional, ambiente de trabalho.

Resumo

Resumo:As pesquisas de clima organizacional são recentes em organizações públicas, especialmente, quando comparadas com o tempo em que são utilizadas nas organizações privadas. Contudo, mesmo considerando esse aspecto e as diferenças entre essas organizações, percebe-se que as pesquisas de clima têm contribuído para melhorar o ambiente de trabalho no serviço público, com isso, melhorando a produtividade. Nesse contexto, o objetivo deste estudo foi analisar o clima organizacional de uma Secretaria de Estado, integrante do aparato governamental do estado do Pará. A pesquisa, de caráter exploratório e descritivo, contou com a participação de 97 servidores selecionados em amostra probabilística aleatória simples. Os resultados mostraram avaliações insatisfatórias para remuneração e equidade, por outro lado, foi possível observar que a cooperação e a comunicação são aspectos favoráveis na secretaria. As conclusões mostram um clima intermediário e recomendam atenção da organização para criar estratégias capazes de aprimorar progressivamente a gestão de pessoas na organização.

Biografia do Autor

Laura da Conceição Luz Santos Morais, UFPA
Cursando Bacharelado em Administração pela Universidade Federal do Pará - UFPA. Atualmente é Agente Administrativo do Departamento de Polícia Rodoviária - DPRF, com lotação na Superintendência Regional do Pará, sede Belém - SRPRF-PA
Carlos André Corrêa de Mattos, UFPA
Doutor em Ciências Agrárias (2012) pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional (2008) pela Universidade de Taubaté (Unitau). Cursou MBA em Gestão Empresarial (2004) e Gerenciamento de Projetos (2005) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Bacharel em Administração (2002) pela Universidade da Amazônia (Unama), na trajetória profissional atuou em organizações públicas e privadas. Dentre as áreas de concentração, destacam-se: Gestão de Organizações Públicas, Estudos Organizacionais, Competitividade, Agronegócio e Organização Agroindustrial. Atualmente é professor da Faculdade de Administração (FAAD) e do Programa de Mestrado em Gestão Pública para o Desenvolvimento (PPGGPD) do Núcleo de Altos Estudos da Amazômia da Universidade Federal do Pará (UFPa).

Referências

REFERÊNCIAS

ARAUJO, L. C.; GARCIA, A. Gestão de Pessoas: estratégia e integração. São Paulo: Atlas, 2009.

BERGAMINI, C.; CODA, R. Psicodinâmica da vida organizacional: motivação e liderança. São Paulo: Atlas, 1997.

BERGUE, S. T. Gestão de Pessoas em organizações públicas. Caxias do Sul: Educs, 2007.

CARAPETO, C; FONSECA, F. Administração Pública. Lisboa: Sílabo, 2014.

DUTRA, J. S. Gestão de pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2002.

FRANÇA, J. C. A; MATTOS, C. A. C. Clima organizacional e administração pública municipal: uma investigação na cidade de Belém do Pará, Brasil. Revista Gestão em Análise, V. 6, n. 1 / 2, p. 114-130, jan. /dez. 2017

FLEURY, M. T. L., FISCHER, R.M. Processo e relações do trabalho no Brasil. São Paulo: Atlas, 1998.

HUNTER, E. M.; PERRY, S. J.; CURRAL, S. C. Inside multi-disciplinary science and engineering research centers: the impact of organizational climate on invention diclosures and patents. Research Policy, v. 40, n. 9, p. 1226-1239, nov. 2011.

KAYA, N. The impact of human resource management practices and corporate entrepreneurship on firm performance: evidence from turkish firms. International Journal of Human Resources Management, v. 17, n. 12, p. 2074-2090, jan. 2007.

KJELDSEN, A.M.; HANSEN, J.R. Sector differences in the public service motivation- job satisfaction relationship: exploring the role organizational characteristics. Review of Public Personnel Administration, v. 38, n. 1, p. 24-48, fev. 2016.

LACOMBE F. J. M. Recursos Humanos: princípios e tendências. São Paulo. Saraiva, 2005.

LUZ, R. Gestão do Clima Organizacional. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2012.

MARCHETTI, R.; PRADO, P. H. M. Um tour pelas medidas de satisfação do consumidor. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 41, n. 4, p.56-67, out./dez. 2001.

MATOS, J. G. R.; MATOS, R. M. B.; ALMEIDA, J. R. Análise do ambiente corporativo: Do caos organizado ao planejamento. Local: E-papers, 2007.

MATTOS, C. A. C.; PONT, J. P.; SILVEIRA, M. L.; COSTA, N. L.; ABUD, G. M. B. Satisfação e trabalho na administração pública federal: uma investigação com servidores do ensino superior. Revista Cereus, v. 9, n. 1, p. 57-75, jan. /abr. 2017.

MENEZES, I.G.; GOMES, A.C.P. Clima organizacional: uma revisão histórica do constructo. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 16, n.1, p.158-179, abr./jun. 2010.

MEZOMO, J. C. Educação Qualidade: a escola volta às aulas. São Paulo: Terra, 1994.

MÓL, A. L. R.; FERNANDES, A. S. A.; TINÔCO, D. S.; BORGES, D. F.; ALLOUFA, J. M. L.; ARAÙJO, M. A. D.; Clima organizacional na administração pública. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2010.

NAMAN, J. L.; SLEVIN, D. P. Entrepreneurship and the concept of fit: a model and empirical tests. Strategic Management Journal, v. 14, n. 2, p.137-153, feb. 1993.

OLIVEIRA, N.; MORAES, L. F. R. Clima Organizacional: Discussões metodológicas sobre a implantação de uma pesquisa no Banco do Brasil S/A. In: XXII ENANPAD – Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 1999, Foz do Iguaçu. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 1999.

RAHIMIC, Z. Influence of Organizational Climate on Job Satisfaction in Bosnia and Herzegovina Companies. International Business Research, v. 6, n. 3, p. 129-139, mar. 2013.

RIZZATTI, G. Categorias de análise de clima organizacional em universidades federais brasileiras. Florianópolis: UFSC, 2002. Tese (Doutorado) Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

ROBBINS, S.P. Comportamento organizacional. São Paulo: Prentice Hall, 2014.

SALGADO, C. C. R.: AIRES, R. F. F.; ARAÙJO, A. G.; Clima organizacional: um estudo na Superintendência Estadual de um Banco Múltiplo. Tekhne e Logos, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 50-64, ago. /dez. 2013.

SBRAGIA, R. Um estudo empírico sobre clima organizacional em instituições de pesquisa. Revista de Administração, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 30-39, 1983.

SECCHI, L. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, p.347-369, mar./abr. 2009.

SCHNEIDER, B. The perception of organizational climate: the customer’s view. Journal of Applied Psychology, v. 57, n. 3, p. 248-256, jun. 1973.

SCHNEIDER, B. Organizational climate. Personnel Psychology, v. 28, n. 4, p. 447-79, dec. 1975.

SCHNEIDER, B.; White, S. S. Service quality: research perspectives. Thousand Oaks: Sage, 1938.

TAMAYO, A. Cultura e Saúde nas Organizações. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Publicado
2019-09-03
Edição
Seção
Pesquisas científicas