OS PARÂMETROS ESTRUTURAIS E OS DESEQUILÍBRIOS DE PODER QUE RECHAÇAM AS PRESCRIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DAS NAÇÕES UNIDAS: uma crítica baseada em Celso Furtado

  • Maria José de Rezende UEL - Universidade Estadual de Londrina

Resumo

Investigam-se, neste artigo, as (des) semelhanças entre duas abordagens prospectivas – a formulada nos Relatórios do Desenvolvimento Humano (RDHs) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), das Organização das Nações Unidas (ONU), e a construída, por décadas de pesquisa e de atividades técnicas e políticas, por Celso Furtado – que estiveram presentes, de modo simultâneo, no final do século XX e início do XXI. Como parte de uma pesquisa documental mais ampla acerca do modo como os elaboradores dos RDHs comunicam intenções, interesses, ideologias, valores, agendas, prescrições e diagnósticos, visando criar políticas para alcançar o desenvolvimento humano, a reflexão, que por ora se apresenta, visa elucidar, com base nos últimos escritos de Celso Furtado, como os elaboradores dos RDHs de 1992, 1994 e 1996 constroem um caráter prospectivo genérico distanciado dos elementos históricos específicos e dos desequilíbrios de poder que impedem todo avanço rumo ao desenvolvimento humano.

Biografia do Autor

Maria José de Rezende, UEL - Universidade Estadual de Londrina

Professora de Sociologia na UEL Doutora em Sociologia pela USP Membro do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UEL Membro do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Popular e Comunitária da UEL. https://orcid.org/0000-0002-3426-910X

Publicado
2020-05-13
Como Citar
Rezende, M. J. de. (2020). OS PARÂMETROS ESTRUTURAIS E OS DESEQUILÍBRIOS DE PODER QUE RECHAÇAM AS PRESCRIÇÕES DE DESENVOLVIMENTO HUMANO DAS NAÇÕES UNIDAS: uma crítica baseada em Celso Furtado. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA & TRABALHO, 51, 164-179. https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.0v51n0.45770