O CASO ATENTO: reflexões sobre as novas configurações do trabalho a partir de uma multinacional de TIC

Resumo

Existe uma diversidade de arranjos de empresas constituídas no novo cenário de um regime de acumulação e que se apresenta como campo aberto para a investigação sociológica e jurídica. Desse modo, para o presente trabalho, optou-se pelo estudo da empresa multinacional Atento, uma prestadora de serviços ligada ao segmento das tecnologias da informação e com presença em diversos países. Trata-se de uma das maiores prestadoras de serviços de gestão do relacionamento com clientes e processos de negócios na América Latina, comumente denominadas de call centers, centrais de telemarketing ou simplesmente centrais de atendimento. Sua carteira de clientes corresponde a uma miríade de empresas de diferentes setores da economia, incluindo telecomunicações, saúde, comércio, bancário e financeiro. Objetiva-se, neste artigo, analisar a configuração dessa empresa multinacional, que é, por condição ou natureza de sua atividade, intermediadora de mão de obra. Entre as questões destacadas, estão a identificação de como ela se encontra posicionada na rede e como se configuram o trabalho, as relações de trabalho e as condições trabalhistas no Brasil. Para isso, além da leitura de bibliografia pertinente, a metodologia da pesquisa compreende a análise de informações e dados da empresa disponíveis na rede, em seu sítio eletrônico, em relatórios corporativos e notícias, além da análise de acordos coletivos de diferentes estados do país, com vistas à apreensão das condições gerais de trabalho. Palavras-chave: Terceirização. Prestadora de serviços. Centrais de telemarketing. Condições de trabalho.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Bridi, Universidade Federal do Paraná
Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Paraná (1988), mestrado em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (2005) e doutorado em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (2008). Coordenadora do Grupo Trabalho e Sociedade. Professora (Associada) do Departamento de Sociologia da Universidade Federal do Paraná e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia. É membro da Associação Brasileira de Estudos do Trabalho (ABET) e atuou nesta instituição cientifica nas funções como primeira Tesoureira no biênio 2012-2013 e na função de primeira Secretária no biênio 2016-2017. Coordenadora (2017-2020). É membro do Conselho Fiscal da Sociedade Brasileira de Sociologia (2017-2019). Co-editora da Revista da ABET, Editora Associada da Revista Brasileira de Saúde Ocupacional (RBSO) da Fundacentro. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: trabalhador informacional, trabalho, relações de trabalho no setor de tecnologias da informação, terceirização, trabalho e desigualdade, trabalho e multinacionais, sindicalismo, indústria automobilística, reforma trabalhista, ação sindical, ensino de Sociologia na Educação Básica e construção do conhecimento em Sociologia. É Autora do livro Trabalhadores dos anos 2000: o sentido da ação coletiva na fábrica de nova geração (2009), coautora dos livros Sociologia: um olhar crítico (2014), Ensinar e aprender Sociologia (2014), O protagonismo dos trabalhadores no local de trabalho (2012); Sociologia (MEC/PNLD 2014 e 2018); Organizadora e autora do livro Sindicalismo na Era Lula: paradoxos, perspectivas e olhares, 2014); Flexíveis, virtuais e precários: os trabalhadores em tecnologia da informação (2018).
Sidnei Machado, Universidade Federal do Paraná
Professor Adjunto de Direito do Trabalho na graduação do Curso de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFPR (Capes 6). Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPR. Doutorado em Direito (UFPR), com pos-doutorado na Université Paris Nanterre. Líder do Grupo de Pesquisa Clínica de Direito do Trabalho (CDT-UFPR) - Trabalho e Direitos. É membro pesquisador de Núcleo de Pesquisa Constitucionalismo e Democracia. É membro do Grupo de Pesquisa Trabalho e Sociedade (GETS). Tem experiência nas áreas de Direito do Trabalho, Direito Constitucional, Direito da Seguridade Social e Sociologia Jurídica, com ênfase em atuação em pesquisas e atividades de extensão em temáticas sobre: regulação jurídica do trabalho, direitos humanos, democracia, constitucionalismo social e clínica Jurídica
Gabriela Portella, Universidade Federal do Paraná
Portella Foto Mestranda em Direitos Humanos e Democracia pela Universidade Federal do Paraná. Bacharela em Direito pela mesma universidade, com habilitação em Direito das Relações Sociais. Pós-graduada Lato-Sensu em Direito Constitucional pela Academia Brasileira de Direito Constitucional. Integra o grupo de pesquisa Clínica de Direito do Trabalho: Trabalho e Direitos, do Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná. Desenvolveu pesquisas junto ao Núcleo Trabalho Vivo, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Paraná, de 2014 até 2016. Foi membro do Programa de Educação Tutorial (PET - Direito/UFPR) de 2012 a 2014. Tem experiência na área de Direito do Trabalho, com ênfase em direitos fundamentais do trabalho, flexibilização dos direitos trabalhistas, novos mecanismos de regulação do trabalho e informalidade. Servidora pública.
Publicado
2019-11-20
Como Citar
Bridi, M. A., Machado, S., & Portella, G. (2019). O CASO ATENTO: reflexões sobre as novas configurações do trabalho a partir de uma multinacional de TIC. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA & TRABALHO, 1(50), 198-212. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/politicaetrabalho/article/view/45868