AS STARTUPS NA PERSPECTIVA DAS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR: financeirização dos trabalhos de inovação e a reinvenção do salário por peça

  • Simone Wolff Universidade Estadual de Londrina

Resumo

A proposta deste artigo é contribuir com o debate acerca das formas ocultas de assalariamento decorrentes da financeirização da produção, a partir da abordagem de Cadeias Globais de Valor (CGV). Esta abordagem mira os novos expedientes de externalização das atividades produtivas das empresas transnacionais oportunizados pela desregulamentação financeira. A pesquisa circunscreve-se à deslocalização dos trabalhos de inovação através de novas modalidades de aplicações financeiras direcionadas a microempresas inovadoras, tomando como objeto as startups de base tecnológica, nas quais esses investimentos têm sido mais atuantes. O objetivo foi evidenciar que tal expediente denota um novo tipo de assalariamento por peça, assinalado pela produção sob encomenda (just in time), e impulsionado pelo capital financeiro. No caso, a peça é circunstanciada nos projetos encomendados para atender à incrementação da produtividade das empresas líderes das CGV e, com isso, a rentabilidade de seus acionistas. O instrumento mais utilizado para captar esses investimentos são os Editais de Inovação agenciados por políticas de governança e empreendedorismo, cujo principal pilar são as parcerias público-privadas. A análise de dois editais dessa natureza permitiu constatar que esses atuam como um meio de conectar encomendas corporativas a trabalhadores autônomos, servindo como um artifício para disfarçar processos de terceirização dos laboratórios de inovação das grandes marcas e disponibilizar força de trabalho qualificada sem despesas trabalhistas. Assim, riscos e custos laborais são transferidos às startups proponentes, ao mesmo tempo em que as deixa permanentemente disponíveis para novos pedidos, reiterando o paradigma do trabalho intermitente e sem direitos, característico do capitalismo contemporâneo. 

Biografia do Autor

Simone Wolff, Universidade Estadual de Londrina
Docente do Depto de Ciências Sociais e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Londrina - UEL. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (1995), Mestrado em Sociologia (1998) e Doutorado em Ciências Sociais (2004), ambos pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. É autora do livro Informatização do Trabalho e Reificação: uma análise à luz dos Programas de Qualidade Total (Editora da Unicamp, 2005). Dentre os capítulos de livro, destacam-se as publicações nas obras coletivas Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil, volumes I (2006) e II (2013), e Infoproletários (2009), todas publicadas pela Editora Boitempo sob a organização de Ricardo Antunes (UNICAMP), sendo que o último em parceria com Ruy Braga (USP). Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: reestruturação produtiva e empresarial; trabalho e tecnologias da informação; relação capital-trabalho; organização e relações de trabalho; gerência; processos de produção e trabalho, microempresas. Bolsista de Estágio Sênior/CAPES para realização de pós-doutorado pela University of Hertfordshire - UK, sob a supervisão da Dr. Ursula Huws. (Texto informado pelo autor)
Publicado
2020-05-13
Como Citar
Wolff, S. (2020). AS STARTUPS NA PERSPECTIVA DAS CADEIAS GLOBAIS DE VALOR: financeirização dos trabalhos de inovação e a reinvenção do salário por peça. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA & TRABALHO, 51, 90-107. https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.0v51n0.51045