A FORMAÇÃO DE UM GRUPO PROFISSIONAL

entre permanências e mudanças das agentes de execução de programas sociais sob o prisma de gênero, classe e "raça"

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2020v1n53.56211

Resumo

Este artigo discute como as categorias gênero, classe e raça interferem (ou não) na formação de certos grupos profissionais, configurando a sua morfologia, a partir da análise de um estudo sobre agentes de execução de programas assistenciais brasileiros. É com base no conceito de consubstancialidade de gênero, classe e raça de Danièle Kergoat que é possível compreender as permanências e as mudanças que atravessam esse grupo profissional, que se encontra em baixa posição na hierarquia dos serviços públicos na saúde e na assistência contemporâneos. Numa abordagem inspirada no estudo das instituições do interacionismo norte-americano, a pesquisa propõe, por um lado, a análise das transformações da oferta institucional, assim como, pelo outro, das trajetórias socioprofissionais que a atravessam. São quatro agentes cujas experiências se apoiam em três contextos distintos da construção da política social: o primeiro, no final dos anos 1970, baseado no engajamento militante e comunitário de uma ex-agente sanitária ; o segundo, que se insere no processo de construção nacional da política de saúde voltada para as famílias no início de 2000, com o caso de duas agentes comunitárias de saúde. Uma delas carrega a herança da forma de trabalho comunitário e militante, e a outra se insere nesse mercado por motivos “instrumentais” para sobrevivência. O terceiro, por fim, um homem jovem, negro, se junta em nossa análise para compreender o sentido que ele atribui a esse trabalho fortemente feminizado, realizado num âmbito terceirizado e submetido a imperativos de produtividade.

Publicado

2021-03-23

Como Citar

Garcia dos Santos, Y., & Georges, I. (2021). A FORMAÇÃO DE UM GRUPO PROFISSIONAL : entre permanências e mudanças das agentes de execução de programas sociais sob o prisma de gênero, classe e "raça". REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA &Amp; TRABALHO, 1(53), 90–111. https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2020v1n53.56211

Edição

Seção

Nº 53 AVENTURA COLETIVA: A INFLUÊNCIA DE DANIÈLE KERGOAT E HELENA HIRATA NOS EST