O Campo como Espaço da Exceção: Uma Análise da Produção da Vida Nua Feminina nos Lares Brasileiros à Luz da Biopolítica

Autores

  • Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth UNIJUÍ; UNISINOS
  • Joice Graciele Nielsson UNIJUÍ

Resumo

O presente artigo parte da análise dos dados que evidenciam a grande incidência da violência doméstica contra a mulher no Brasil, que possui como local privilegiado de ocorrência o próprio lar. Diante deste quadro, analisa, a partir de algumas categorias extraídas das filosofias de Michel Foucault e Giorgio Agamben, a violência doméstica perpetrada contra as mulheres brasileiras como fruto de um espaço de exceção – o lar brasileiro – que pode ser conceituado como campo, ou seja, como lugar por excelência da produção da vida nua, da vida (impunemente) matável do homo sacer, a partir da vontade indiscriminada do soberano, revelando, assim, os seus contornos biopolíticos. Para a concretização da pesquisa, a metodologia de abordagem utilizada foi a fenomenologia hermenêutica (STEIN, 1979), a qual visa à aproximação entre o sujeito (pesquisadores) e o objeto a ser pesquisado (no caso, a violência perpetrada no lar/campo no Brasil). Com efeito, o presente artigo parte da ideia de que os sujeitos (os autores do texto) estão diretamente implicados no objeto da pesquisa, que com eles interage e sofre as consequências dos seus resultados. Por fim, conclui que, a partir da perpetuação destas violências, o lar, enquanto espaço privado constitui-se desde sempre em um espaço biopolítico, refletindo, portanto, o paradigma biopolítico do campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maiquel Ângelo Dezordi Wermuth, UNIJUÍ; UNISINOS

Doutor em Direito - UNISINOS; Professor do Mestrado em Direitos Humanos - UNIJUÍ.

Joice Graciele Nielsson, UNIJUÍ

Doutora em Direito - UNISINOS; professora do Curso de Graduação em Direito da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul – UNIJUÍ.

Referências

ADORNO, Theodor. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1984.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti.São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

AYUB, João Paulo. Introdução à analítica do poder de Michel Foucault. São Paulo: Intermeios, 2014.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BEAUVOIR, S.. O Segundo Sexo. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009.

BENJAMIN, Walter. Para una crítica de la violencia y otros ensaios. Madri: Taurus, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kuhner. 10 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BRUM, Eliane. A “safada” que “abandonou” o seu bebê. Disponível em: <http://brasil.elpais.com/brasil/2015/10/12/opinion/1444657013_446672.html>. Acesso em: 24 nov. 2015.

BUTLER, Judith. Vida precária: el poder del duelo y la violencia. Trad. Fermín Rodríguez. Buenos Aires: Paidós, 2009.

CORSO, Diana L.; CORSO, Mário. A psicanálise na terra do nunca: ensaios sobre a fantasia. Porto Alegre: Penso, 2011.

DEUTSCH, Helene. La psicologia de la mujer. Parte II – Maternidad. Buenos Aires: Losada, 1960.

DUARTE, André. Vidas em risco: crítica do presente em Heidegger, Arendt e Foucault. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 18. ed. São Paulo: Graal, 2003.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Trad. Maria Ermantina Galvão. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

FAUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 22ª. Impressão. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2012.

GONZÁLEZ – MARÍN, Carmen. Biopolítica y género. In: Cuadernos Kóre. Revista de historia y pensamiento de género. Vol.1/Nº 4, pp. 7-13, 2011.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: N-1 Edições, 2015.

RIBEIRO, Renato Janine. Hobbes: o medo e a esperança. In: WEFFORT, Francisco C. Os clássicos da política. Vol. I, São Paulo: Ática, 2002, p. 51-77.

RUIZ, Castor. M. M. Bartolomé. A sacralidade da vida na exceção soberana, a testemunha e sua linguagem: (re) leituras biopolíticas da obra de Giorgio Agamben. Cadernos IHU. São Leopoldo: Instituto Humanitas Unisinos. Ano 10. n. 39, 2012.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Mulher e Realidade: mulher e educação, Porto Alegre: Vozes, v. 16, n. 2, jul./dez. 1990.

TIBURI, Marcia. Branca de Neve ou corpo, lar e campo de concentração. As mulheres e a questão da biopolítica. In: TIBURI, Marcia; VALE, Barbara (Orgs.). Mulheres, Filosofia ou coisas do gênero. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2008.

TIBURI, Marcia. Diadorim: biopolítica e gênero na metafísica do Sertão. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 191-207, maio 2013. ISSN 0104-026X. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2013000100010>. Acesso em: 19 mar. 2016.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. 1. ed. Brasília, DF: Flacso Brasil, 2015. Disponível em: <http://www.mapadaviolencia.org.br/pdf2015/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf>. Acesso em: 18 mar. 2016.

WERMUTH, Maiquel Ângelo Dezordi. Por que a Guerra? De Einstein e Freud à atualidade. Santa Cruz do Sul: Essere nel mondo, 2015.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. El discurso feminista y el poder punitivo. In: SANTAMARÍA, Ramiro Ávila, VALLADARES, Lola (Orgs.) El género en el derecho. Ensayos críticos. Quito: V&M, 2009.

Downloads

Publicado

2017-05-24

Como Citar

WERMUTH, M. Ângelo D.; NIELSSON, J. G. O Campo como Espaço da Exceção: Uma Análise da Produção da Vida Nua Feminina nos Lares Brasileiros à Luz da Biopolítica. Prim Facie, [S. l.], v. 15, n. 30, p. 01–34, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/primafacie/article/view/33084. Acesso em: 19 jul. 2024.