A CONSTRUÇÃO DE UM ESPAÇO CRÍTICO ENTRE ALUNOS CONCLUINTES DO ENSINO MÉDIO: AS PRÁTICAS DE LETRAMENTO COMO INSTRUMENTO DE CRITICIDADE

  • Juliana de Araújo de Melo Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Instituto Federal de Alagoas (IFAL).

Resumo

O presente trabalho reflete algumas considerações de uma pesquisa de mestrado em andamento que tem como principal objetivo analisar como os alunos do Ensino Médio se apropriam da escrita em eventos de Letramento, durante a preparação para o ENEM, com base em uma perspectiva dialógica de linguagem. Para tanto, torna-se imperante a promoção de ações de Letramento em sala de aula, contribuindo para a formação de sujeitos críticos que ampliem a perspectiva de escrita do Exame. Para analisar o Letramento dos sujeitos envolvidos na pesquisa, desenvolvemos suas produções escritas, ao mesmo tempo em que trabalhamos as imbricações existentes nas produções textuais, com vistas à reescrita e estudos com base na pesquisa-ação, por ser a pesquisadora também professora da turma que será observada, isto é, trata-se também de uma prática de auto-observação, o que explica a escolha da base metodológica empreendida. A escolha pela pesquisa-ação explica-se por ela permitir ciclos autorreflexivos que envolvem o planejamento, a ação, a reflexão e o replanejamento do processo envolvido e suas consequências. A turma analisada é composta por alunos que estão cursando o terceiro ano do ensino médio em uma escola da rede estadual de ensino, localizada no município de Rio Largo, Alagoas. Na perspectiva do Letramento o texto é considerado unidade de sentido, isto é, as palavras utilizadas são atribuídas de significado ideológico ao que se pretende dizer. Para Barton e Hamilton (2000), os textos são partes essenciais dos eventos de Letramento e o estudo deste é particularmente um estudo de texto e como este é produzido e utilizado. Na perspectiva bakhtiniana, a palavra é signo ideológico por excelência, e como tal deve ser tratada de forma a se fazer sentido, e não de maneira estanque, como muitas práticas de ensino vêm adotando quando o assunto é o trabalho com a linguagem.

Biografia do Autor

Juliana de Araújo de Melo, Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Instituto Federal de Alagoas (IFAL).
Mestranda em Linguística Aplicada, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, da Universidade Federal de alagoas - PPGLL - UFAL. Pesquisadora dedicada aos estudos de Letramento de alunos concluintes do Ensino Médio, que estão em preparação para o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Professora efetiva EBTT do Instituto Federal de alagoas (IFAL) Campus Coruripe, lecionando Língua Portuguesa.
Publicado
2019-02-18
Seção
Artigos