Relações entre a Concentração de Propriedade e o Conservadorismo Condicional nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma Análise através do Modelo de Regressão Quantílica

Palavras-chave: Conservadorismo Condicional, Concentração de Propriedade, Regressão Quantílica.

Resumo

Objetivo: Analisar as relações entre a concentração de propriedade e o conservadorismo condicional nas companhias abertas brasileiras para o período 2010-2016.Fundamento: São analisados os efeitos alinhamento e entrincheiramento a fim de investigar a relação de agência entre os proprietários controladores e minoritários.Método: Foi utilizada a técnica de estimação quantílica com a finalidade de examinar as relações teóricas de pesquisa ao longo de múltiplos pontos da distribuição de probabilidade.Resultados: : Os resultados encontrados evidenciaram que: i) a concentração de propriedade se relaciona negativamente com o conservadorismo condicional e este relacionamento é mais severo para níveis menores de concentração de propriedade; ii)  a variável market-to-book confirma o comportamento oportunista por parte dos controladores em relação às políticas contábeis; iii) a variável tamanho funciona como mecanismo que limita a concentração de propriedade e consequentemente a influência dos controladores; iv) o endividamento é positivamente relacionado ao conservadorismo no quantil inferior (τ = 0.25), mas não se mostra signficante nos quantis superiores (τ = 0.50 e τ = 0.75)Contribuições: É confirmada a hipótese do efeito entrincheiramento para a relação entre a concentração de propriedade e o conservadorismo, destacando que para níveis mais baixos de concentração de propriedade o efeito entrincheiramento é mais severo.

Biografia do Autor

Rodrigo Vicente Prazeres, Universidade Federal de Pernambuco
Doutorando em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Pernambuco
Publicado
2018-08-30
Seção
Seção Nacional