Proposta de Jogo sobre a Estrutura Conceitual do Setor Público: Uma Ferramenta Aplicada na UFPE

Resumo

O objetivo deste estudo é verificar se o uso do jogo sobre a Estrutura Conceitual (EC) do Setor Público é eficaz como ferramenta complementar de ensino. O ensino-aprendizagem de normas técnicas de contabilidade do setor público é um grande desafio para professores, estudantes e profissionais. Estudos recentes indicam que o uso de ferramentas tradicionais de ensino é pouco atrativo e motivador para alunos e professores, com eficácia reduzida na aquisição do conhecimento. O jogo sobre a EC foi aplicado a 52 alunos da disciplina Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CASP) da UFPE em 2018.1. A análise quantitativa refere-se à análise dos questionários, mediante estatística descritiva e testes paramétrico t-pareado e não-paramétrico de Wilcoxon pareado com auxílio do software SPSS versão 20. Após a leitura prévia da EC, os alunos responderam um questionário com 60 perguntas, aplicado antes e após a realização do jogo, com a finalidade de avaliar se houve ganho no aprendizado. Assim, conclui-se que além de reunir os aspectos lúdicos, interação e diversão, o jogo da EC conseguiu aumentar a motivação e o nível de interesse dos alunos, o que levou ao aumento do conhecimento sobre a norma. Os resultados do estudo restringem-se à amostra analisada. Recomenda-se para futuras pesquisas, o uso do jogo às demais normas técnicas convergidas do setor público.

Biografia do Autor

Fernando Gentil de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Contábeis e Atuarias - DCCA

 

Jonas Paixão, Universidade Federal de Pernambuco
Graduação em Ciências Contábeis
Luiza Teti Mayer, Universidade Federal de Pernambuco
Mestranda em Contabilidade pela Universidade Federal de Pernambuco

Referências

Almeida, M. S. (2011). Elaboração de projeto, TCC, dissertação e tese: uma abordagem simples prática e objetiva. São Paulo, SP: Atlas.

Alvares, L. M. A. de R., & Souza, F. G. de. (2013). Relatório do Seminário Internacional Discutindo a Educação Corporativa: empreendedorismo, internacionalização e informação (ECEII 2015). Inclusão Social, 7(1), 82-93.

Ayres, R. M., Costa, R. S. L. F. da, & Szuster, N. (2016). EC: Uma Análise das CartasComentários referentes as Propostas do IASB para Reconhecimento e Desreconhecimento Contábil. Pensar Contábil, 18(67), 23–31.

Carbonaro, M. et al. (2006). Adapting a commercial role-playing game for educational computer game production. GameOn North America, 54-61.

Cavalcante, M. C. N., & Luca, M. M. M. (2013). Controladoria como instrumento de governança no setor público. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 7(1), 73–90.

Cella, G., Rodrigues, J. M., & Niyama, J. K. (2011). Contabilidade Internacional – análise dos periódicos internacionais sobre pesquisas em educação contábil face à convergência e globalização. Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(15), 177–198.

Cruz, C. F., Ferreira, A. C. S., & Szuster, N. (2011). EC da Contabilidade no Brasil : Percepção dos Docentes dos Programas de Pós- Graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis. Pensar Contábil, 13(50), 53–63.

Doane, P. D., & Seward, L. E. (2008). Estatística aplicada à administração e à economia.. São Paulo, SP: McGraw-Hill.

Eboli, M. (2004). Educação corporativa. Revista T&D - Inteligência Corporativa, 137(12), 48.

Espejo, M. M., Doss, B. et al. (2011). Evidências Empíricas Do Ensino No Curso De Ciências Contábeis – Uma Análise Das Respostas Às Alterações Provenientes Da Lei 11.638/07. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 15(1), 22–39.

Eudes, J., Filho, B., Feijó, P. H. (2012). A nova contabilidade aplicada ao setor público: o futuro chegou! Revista TCE-PE, 19(19), 28–61.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando SPSS. 2 Ed. Porto Alegre, RS: Artmed.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6 Ed. São Paulo, SP: Atlas.

Jensen, R. E., & Sandlin, P. K. (1995). Who's doing it? sources of public and private computer-aided learning materials for accounting educators. Journal of Accounting Education, 13(2), 119-148.

Falkembach, G. A. M. (2004). O Lúdico e os Jogos Educacionais.

Francisco, A., Matiko, H., & Kodama, Y. (2004). Jogos no Ensino da Matemática.

Krüger, L. M., & Ensslin, S. R. (2013). Método Tradicional e Método Construtivista de Ensino no Processo de Aprendizagem: uma investigação com os acadêmicos da disciplina Contabilidade III do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista Organizações em Contexto-online, 9(18), 219–270.

Instituto dos Auditores Independentes do Brasil - IBRACON. (2018). Disponível em < http://www.ibracon.com.br/ibracon/Portugues/detNoticia.php?cod=4517>. Acesso em: 30 de maio 2018.

Leão, D. M. M. (1999). Paradigmas Contemporâneos de Educação: Escola Tradicional e Escola Construtivista. Cadernos de Pesquisa, 187–206.

Mazzioni, S. (2013). As estratégias utilizadas no processo de ensino-aprendizagem: concepções de alunos e professores de ciências contábeis. Revista Eletrônica de Administração e Turismo – ReAT, 2(1), 93–109.

Nunes, I. V., Vieira, A., & Marques, C. (2014). Nível de Conhecimento sobre a EC Básica: o caso dos Alunos do Curso de Ciências Contábeis de uma Universidade Pública Mineira. Encontro da ANPAD - EnANPAD, 38, 1–16.

Nunes, S. P., & Lima, D. V. de. (2017). Uma análise crítica da EC do Setor Público no Brasil.

Pereira, R. F., Fusinato, P. A., & Neves, M. C. D. (2009). Desenvolvendo um jogo de tabuleiro para o ensino de física. In Encontro Nacional de Pesquisa Em Educação Em Ciências, Ciências, 7., 2009, Florianópolis. Atas... Florianópolis, SC: UFSC, 12-23.

Pereira, E. M., Niyama, J. K., & Freire, F. D. S. (2012). Convergência Das Normas Internacionais De Contabilidade: Uma Análise a Luz das Teorias da Educação de Paulo Freire e Libaneo nas Instituições de Ensino do Distrito Federal. Anais do 12o Congresso USP de Controladoria e Contabilidade.

Piccoli, M. R., & Klann, R. C. (2015). A percepção dos contadores públicos em relação às Normas Brasileiras de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público (NBCASP). Revista do Serviço Público, 66(3), 425–448.

Santos, R. de. (2003). "Jogos de empresas" aplicados ao processo de ensino e aprendizagem de contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 14(31), 78-95.

Santos, W. S. dos. (2011). Organização curricular baseada em competência na educação médica. Rev. bras. educ. med., 35(1), 86-92.

Sauerbronn, F. F., & Silva, G. E. (2017). Um Breve Panorama Histórico da Contabilidade Governamental no Brasil: em busca pelo ‘novo’ na Nova Contabilidade Pública. Revista de Gestão e Contabilidade da UFPI, 4(1), 53–68.

Savi, R., & Ulbricht, V. R. (2008). Jogos Digitais Educacionais: Benefícios e Desafios. Novas Tecnologias na Educação, 6, 1–10.

Silva, W. et al. (2011). The Competency-Based Medical Curriculum COMPETÊNCIAS — BASES CONCEITUAIS. Revista Brasileira De Educação Médica, 35(351), 86–92.

Silva, A. C. R. da. (2011). Metodologia da pesquisa aplicada à contabilidade: orientações de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. 3 Ed. São Paulo, SP: Atlas.

Sousa, H. V. de, MACHADO, M. V. V., PETER, M. da G. A., & Gomes, A. de O. (2012). Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade do Setor Público às Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público: Um Ensaio Teórico. Convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade do Setor Público às Normas Internacionais de Contabilidade do Setor Público: Um Ensaio Teórico, p. 17.

Weintraub, M., & Hawlitschek, P. (2011). Jogo educacional sobre avaliação em fisioterapia : uma nova abordagem acadêmica Educational game on physiotherapy ’ s evaluation : a new academic approach. Fisioterapia e Pesquisa, 18(3), 280–286.

Rosas, A. R., & Sauaia, A. C. A. (2008). Jogos de empresas na educação superior no Brasil: Perspectivas para 2010. Enfoque: Reflexão Contábil, 25(3), 72-85.

Schaeffer, E. H. (2006). O jogo matemático como experiência de diálogo: análise fenomenológica da percepção de professores de matemática (Master’s thesis, Universidade Estadual de Maringá, Maringá).

Teixeira, I. S.; Frazen, I. F.; Engler, M. (2015).Utilização de jogos como ferramenta de ensino-apredizagem. XII CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Curitiba: PUCPR, 2015. p.11357-11368.

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Souza, F. G. de, Paixão, J., & Mayer, L. T. (2020). Proposta de Jogo sobre a Estrutura Conceitual do Setor Público: Uma Ferramenta Aplicada na UFPE. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 8(2), 74-90. https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2020v8n2.45155
Seção
Seção Nacional