Provisões e Passivos cContingentes dos Clubes de Futebol da Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro: É Possível Determiná-los?

  • Beatriz de Oliveira Cunha
  • Lúcio de Souza Machado Universidade Federal de Goiás (UFG)
  • Michele Rílany Rodrigues Machado Universidade Federal de Goiás

Resumo

Objetivo: O presente estudo teve como objetivo identificar os determinantes da provisão para risco e passivo contingente, somados, bem como de cada variável de forma isolada. Fundamento: Os clubes brasileiros possuem elevadas dívidas, que superaram a casa de 6,9  bilhões, em 2017, segundo matéria do Jornal Valor Econômico. Estudos realizados com dados contábeis de companhias abertas e de Clubes, especialmente estrangeiros, indicaram que os passivos são determinados por algumas variáveis como tamanho, tangibilidade, intangibilidade, e performance esportiva. Método: A pesquisa, de abordagem quantitativa, foi realizada com dados amostrais de 13 times que disputaram, ininterruptamente, a primeira divisão do Campeonato Brasileiro de 2014 a 2017. Foram estabelecidas 5 hipóteses a partir a revisão de literatura, as quais foram testadas por meio de regressão múltipla. Resultados: A análise realizada evidenciou que somente a hipótese do tamanho foi confirmada para o modelo global (provisão mais passivo contingente) e do passivo contingente, ao impactar positivamente os passivos estudados. As demais hipóteses não foram confirmadas, sendo que a rentabilidade revelou uma relação positiva com os modelos, global e passivo contingente, ao passo que a tangibilidade, intangibilidade e performance esportiva não se mostraram estatisticamente significantes para nenhum dos  modelos. Contribuições: O estudo preenche uma lacuna científica sobre quais variáveis poderiam explicar as variações da provisão e do passivo contingente de clubes de Futebol brasileiros.

Biografia do Autor

Beatriz de Oliveira Cunha
Universidade Federal de Goiás (UFG)

Referências

BRESSAN, V., LIMA, J., BRESSAN, A., BRAGA, M. (2009). Análise dos determinantes do endividamento das empresas de capital aberto do agronegócio brasileiro. Rev. Econ. Sociol. Rural, 47 (1), Jan./Mar.

BRITO, G. A. S., CORRAR, L. J, BATISTELLA, F. D. (2007) Fatores determinantes da estrutura de capital das maiores empresas que atuam no Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças, 43, 9 –19.

CAPELO, R. (2015). O endividamento da primeira divisão sobe para R$ 4,8 bi – impostos omitidos pesam. Recuperado em 4 de novembro, 2018, de https://epoca.globo.com/vida/esporte/noticia/2016/06/o-endividamento-da-primeira-divisao-sobe-para-r-48-bi-impostos-omitidos-pesam.html .

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), 00 (R1) - Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. (2018). Recuperado em 3 de novembro, 2018, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/147_CPC00_R1.pdf .

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) 25: provisões, passivos contingentes e ativos contingentes. (2009). Recuperado em 20 de outubro, 2018, de http://static.cpc.aatb.com.br/Documentos/304_CPC_25_rev%2013.pdf .

CUNHA, P. R., SANTOS, C. A., HAVEROTH, J. (2017). Fatores contábeis explicativos da política de estrutura de capital dos clubes de futebol brasileiro. Revista PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 6 (1).

Esporte UOL. (2018). Clubes S/A: como funciona no mundo, a proposta de Macri na Argentina e o que se faz hoje futebol brasileiro. Recuperado em 16 de junho, 2019, de: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/lancepress/2018/05/11/clubes-sa-como-funciona-no-mundo-a-proposta-de-macri-na-argentina-e-o-que-se-faz-hoje-futebol brasileiro .htm .

FARIAS, M. R. S. (2004). Divulgação do Passivo: um enfoque sobre o Passivo Contingente no Setor Químico e Petroquímico Brasileiro. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo.

FARIAS, R., HUPPES, C., LOPES, A., NORILLER, R. (2016). Fatores Explicativos do Índice de Disclosure das Provisões e Passivos Contingentes das Empresas Pertencentes ao Índice Bovespa Congresso USP de Iniciação Científica em Contabilidade, São Paulo.

FÁVERO, L. (2013). Dados em painel em contabilidade e finanças: teoria e aplicação. Brazilian Business Review, 10 (1), 131-156.

FIGUEIREDO, G., SANTOS, V., CUNHA, P. (2017). Práticas de evidenciação em entidades desportivas: Um estudo nos clubes de futebol brasileiros. Enfoque: Reflexão Contábil, 36 (1) 1-21.

FONTELES, I. V.; NASCIMENTO, C. P. S.; PONTE, V. M. R.; REBOUÇAS, S. M. D. P. (2013). Determinantes da evidenciação de provisões e contingências por companhias listadas na BM&FBovespa. Revista Gestão Organizacional, 6 (4), 85-98.

GIL, A. (2008). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas.

HENDRIKSEN, E. S; VAN BREDA, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade. São Paulo: Atlas.

Interpretação Técnica Geral (ITG) 2002 (R1). (2015). Dispõe sobre Entidade sem Finalidade de Lucros. Recuperada em 24 de outubro, 2018, de http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2015/ITG2002(R1) .

Interpretação Técnica Geral (ITG) 2003. (2013). Dispõe sobre Entidade Desportiva Profissional. Recuperada em 15 de outubro, 2018, de <https://cfc.org.br/wp-content/uploads/2016/02/ITG_2003_audiencia.pdf> .

Itaú BBA. (2017). Análise Econômico Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros. Recuperado em 4 de novembro, 2018, de http://textual.com.br/wp-content/uploads/2017/06/Analise-dos-Clubes-Brasileiros-de-Futebol-Itau-BBA-2017.pdf .

Itaú BBA. (2018). Análise Econômico Financeira dos Clubes de Futebol Brasileiros. Recuperado em 17 de novembro, 2018, de <https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/itauBBA/Analise_Clubes_Brasileiros_Futebol_Itau_BBA. pdf >.

Lei n. 6.404, de 15 de novembro de 1976 (1976). Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Recuperada em 2 de outubro, 2018, de < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6404consol.htm> .

Lei n. 9.615, de 24 de março de 1998 (1998). Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Recuperada em 20 de outubro, 2018, de < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9615consol.htm>.

Lei n. 9.790, de 23 de março de 1999 (1999). Dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, institui e disciplina o Termo de Parceria, e dá outras providências. Recuperada em 20 de outubro, 2018, de < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9790.htm> .

Lei n. 10.672, de 15 de maio de 2003. (2003). Altera dispositivos da Lei n. 9.615, de 24 de março de 1998, e dá outras providências. Recuperada em 2 de outubro, 2018, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2003/L10.672.htm>.

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. (2007). Altera e revoga dispositivos da Lei n. 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei n. 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Recuperada em 16 de junho, 2019, de < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm>.

Lei n. 13.155, de 4 de agosto de 2015. (2015). Estabelece princípios e práticas de responsabilidade fiscal e financeira e de gestão transparente e democrática para entidades desportivas profissionais de futebol. Recuperada em 2 de novembro, 2018, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13155.htm>.

MAIA, A., CARDOSO, V., PONTE, V. (2013). Práticas de disclosure do ativo intangível em clubes de futebol. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, 4 (1).

MOTA, A., BRANDÃO, I., PONTE, V. (2016). Disclosure e materialidade: evidências nos ativos intangíveis dos clubes brasileiros de futebol. RACE, 15 (1), 175-200.

NAKAMURA, W., MARTIN, D., FORTE, D., CARVALHO, A., COSTA, A, AMARAL, A. (2007). Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro: análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003. Revista Contabilidade & Finanças, 44, 72 - 85.

OLIVEIRA, M. (2011). Disclosure das contingências e das provisões passivas. Dissertação de Mestrado), Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, Brasil.

PRAZERES, R. V., SAMPAIO, Y. de S. B., LAGIOIA, U. C. T., SANTOS, J. F., MIRANDA, L. C. (2015). Determinantes do Endividamento: um Estudo Empírico no Setor de Telecomunicações Fatores Brasileiro. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 18 (2), 139-159.

PRODANOV, C. C., FREITAS, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. Novo Hamburgo: Editora Feevale.

PRONI, M. W., LIBANIO, J. P. M. (2016). O futebol brasileiro na Bolsa de Valores?. Texto para Discussão, Unicamp, Campinas.

REZENDE, A., CUSTÓDIO, R. (2012). Uma Análise da Evidenciação dos Direitos Federativos nas Demonstrações Contábeis dos Clubes de Futebol Brasileiros. REPeC, 6 (3), 229-245.

REZENDE, A., DALMÁCIO, F., SALGADO, A. (2010). Nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. Contabilidade, Gestão e Governança, 13 (2), 36-50.

RODRIGUES, R. J. F. (2015). Os determinantes do endividamento dos clubes europeus de futebol. Dissertação de Mestrado, Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa, Portugal.

ROSA, B. (2017). Representatividade e nível de evidenciação das provisões e passivos contingentes fiscais nas companhias de capital aberto brasileiras. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, Brasil.

RAJAN, R.; ZINGALES, L. (1994). What do we know about capital structure? Some evidence from international data. Journal of Finance, 50 (5).

SALVIAN, M. (2016). Multicolinearidade. Recuperado em 26 de maio, 2019, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/2340848/mod_resource/content/0/Mayara_Multicolinearidade.pdf.

Serasa Experian. (2017). Após três anos seguidos de redução, endividamento das empresas brasileiras voltou a crescer em 2017, aponta Serasa Experian. Recuperado em 2 de novembro, 2018, de https://www.serasaexperian.com.br/sala-de-imprensa/apos-tres-anos-seguidos-de-reducao-endividamento-das-empresas-brasileiras-voltou-a-crescer-em-2017-aponta-serasa-experian .

Valor Econômico. (2018). Futebol enfrenta bem tempo de crise na economia. Recuperado em 19 de outubro, 2018, de https://www.valor.com.br/empresas/5558479/futebol-enfrenta-bem-tempo-de-crise-na-economia .

Publicado
2020-05-25
Como Citar
Cunha, B. de O., Machado, L. de S., & Machado, M. R. R. (2020). Provisões e Passivos cContingentes dos Clubes de Futebol da Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro: É Possível Determiná-los?. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 8(2), 133-151. https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2020v8n2.47200
Seção
Seção Nacional