Nível de Evidenciação das Empresas Potencialmente Poluidoras à Luz do CPC 25

  • Victor Sandeje Dantas Alves
  • Thaiseany de Freitas Rêgo

Resumo

Objetivo: O estudo objetiva analisar qual a relação entre a evidenciação das provisões e passivos contingentes, com o endividamento das empresas potencialmente poluidoras, no período de 2007 a 2011.

Fundamento: As provisões e passivos contingentes, consideram a renúncia de prováveis benefícios econômicos futuros, que advém de obrigações presentes e resulta de eventos passados, cujo reconhecimento, mensuração e evidenciação requerem o uso de bases confiáveis.

Método: Realizou-se um estudo descritivo, que se fundamenta na apuração dos saldos das contas de provisões e passivos contingentes de natureza ambiental, bem como nos índices de endividamento, no período de 2007 a 2011, das empresas potencialmente poluidoras e que possuem registro no Brasil, Bolsa, Balcão (B3). Paralelamente, também foi necessário identificar o nível de evidenciação dos referidos itens antes e após o Pronunciamento Técnico CPC 25.

Resultados: Os dados indicam que as empresas pesquisadas ampliaram a divulgação de itens relacionados as provisões e passivos contingentes, principalmente, no que concerne as obrigações de longo prazo, sendo as notas explicativas o relatório que congrega o maior número de dados sobre a temática. Também é possível observar que as empresas que apresentam maior nível de evidenciação são aquelas que dispõem de menores índices de endividamento.

Contribuições: A investigação apontou que apesar da normatização, não se percebe uma mudança significativa no endividamento das empresas potencialmente poluidoras, com a inserção do Pronunciamento técnico CPC 25 e que as informações divulgadas carecem de maior aprofundamento.

Referências

Almeida, K. K. N. D., & Batista, F. F. (2016). Provisões Contingentes Ambientais e seus Reflexos no Endividamento das Empresas de Alto Impacto Ambiental Após Adoção do CPC 25. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(1).

Andrade, M. M. (2002). Como Preparar Trabalhos Para Cursos de Pós-graduação: Noções Práticas. (5a ed.) Editora Atlas SA.

Assaf, N., & Estrutura, A. (2010). análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro. Revista Brasileira de Contabilidade.

Beuren, I. M. (2004). Como elaborar os monográficos em contabilidade: teoria e prática. (2a ed.). São Paulo: Atlas.

Castro Jr, F. F. G. (2013). Evidenciação de provisões e passivos contingentes adotados pelas empresas brasileiras no setor de energia elétrica listadas na BM&FBovespa (Trabalho de Conclusão de Curso - Graduação em Ciências Contábeis). Recuperado de http://www.repositoriobib.ufc.br/000018/00001838.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2009). CPC 25. Pronunciamento Técnico CPC 25. Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes. Brasília. Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/304_CPC_25_rev%2006.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis (2011). CPC 00 (R1). Pronunciamento Técnico CPC 00 (R1). Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro. Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/147_CPC00_R1.pdf.

Cordeiro, C. M. R. (2002). Evidenciação (disclosure) nas demonstrações financeiras: uma abordagem internacional. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Paraná, Curitiba, 27 (134), 37-41.

Dye, R. A. (2001). An evaluation of “essays on disclosure” and the disclosure literature in accounting. Journal of accounting and economics, 32(1-3), 181-235.

Ferreira, D. D. M., Borba, J. A., & da Rosa, C. A. (2014). As contingências ambientais das empresas estrangeiras que publicam suas demonstrações financeiras em IFRS no mercado norte americano. Revista Universo Contábil, 10(3), 134-154.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Dados Recursos Naturais Renováveis – IBAMA (2013, 15 de março). Instrução normativa n.º 6, de 15 de março de 2013. Recuperado de https://servicos.ibama.gov.br/phocadownload/legislacao/in_ctf_app.pdf.

Iudicibus, S. (2009). Analise de Balanços. (10ª ed.) São Paulo: Atlas.

Lei n. 11.638, de 28 de dezembro de 2007. (2007). Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11638.htm.

Lei n.º 10.165, de 27 de dezembro de 2000. (2000). Altera a Lei no 6.938, de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L10165.htm.

Marion, J. C. (2012). Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. (7a ed). São Paulo: Atlas.

Maroco, J. (2015). Análise estatística com utilização do SPSS.

Martins, E. (2014). Análise didática das demonstrações contábeis. São Paulo: Atlas.

Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A. D., & Iudícibus, S. D. (2013). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo com as normas internacionais e do CPC (2ª ed.). São Paulo: Atlas.

Matarazzo, D. C. (2010). Análise financeira de balanços: abordagem gerencial (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Oliveira, M. A. S. (2011). Disclosure das contingências e Provisões passivas (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis). Programa de Pós-Graduação em Contabilidade e Controladoria. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. Recuperado de http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUOS-8YAL24.

Paulo, A. D. O., & Moreira, H. L. (2003). O capital de giro como fator estratégico para o desempenho econômico financeiro das empresas: um estudo de caso. Universidade Federal do Pará. Recuperado de http://www.peritocontador.com.br/artigos/colaboradores/O%20Capital%20de%20Giro%20como%20Fator%20Estrat%E9gico%20para%20o%20Desempenho%20Econ%F4mico-Financeiro%20das%20Empresas%20-%20Um%20Estudo%20de%20Casos.pdf.

Penha, R. S. D. (2014). Nível de Disclosure das empresas com perda de recuperabilidade de ativos à luz do CPC 01 e o impacto da perda nos indicadores econômico-financeiros no período de 2009 a 2012 (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis). Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-graduação em Ciências Contábeis UnB/UFPB/UFRN. Natal. Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/16498.

Pinto, A. F., Avelar, B., Fonseca, K. B. C., Silva, M. B. A., & Costa, P. D. S. (2015). Value relevance da evidenciação de provisões e passivos contingentes. Pensar Contábil, 16(61).

Prado, F. J. D. (2014). Análise do comportamento da divulgação das informações sobre provisões e passivos contingentes das empresas do setor de energia elétrica listadas na BM&FBOVESPA (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis). Universidade de São Paulo. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96133/tde-18082014-102308/pt-br.php.

Ribeiro, A. C, Ribeiro, M.S, & Weffort, E. F. J. (2013). Provisões, Contingências e o Pronunciamento CPC 25: as Percepções dos Protagonistas Envolvidos. Revista Universo Contábil, 9(3), 38-54.

Ribeiro, A. D. C. (2012). Provisões, contingências e normas contábeis: um estudo de gerenciamento de resultados em contencioso legal no Brasil (Dissertação de Mestrado em Ciências Contábeis) –Programa de Pós-graduação em Controladoria e Contabilidade. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto. Universidade de São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/96/96133/tde-17052012-114448/pt-br.php.

Ribeiro, M. S. (2005). Contabilidade Ambiental. São Paulo: Saraiva.

Scarpin, J. E., Macohon, E. R., & Dallabona, L. F. (2014). Variabilidade dos índices de endividamento em relação à adição dos passivos contingentes na estrutura patrimonial das empresas listadas na BM&FBOVESPA. Revista de Contabilidade e Organizações, 8(22), 3-14.

Suave, R., Codesso, M. M., de Moraes Pinto, H., Vicente, E. F. R., & Lunkes, R. J. (2013). Divulgação de passivos contingentes nas empresas mais líquidas da BM&FBovespa. Revista da UNIFEBE, 1(11).

Swanson, E., Rees, L., & Juarez-Valdes, L. (2003). The Contribution of Fundamental Analysis after a Currency Devaluation. The Accounting Review, 78(3), 875-902. Retrieved from http://www.jstor.org/stable/3203229.

Tavares, A. D. L. (2010). A eficiência da análise financeira fundamentalista na previsão de variações no valor da empresa (Tese de Doutorado em Ciências Contábeis) -Programa Multiinstitucional e Inter-regional de Pós-graduação em Ciências Contábeis, UnB, UFPB, UFRN, Brasília. Recuperado de http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNB_8a1a3fea3b341c28875138538748248c.

Tonetto Filho, V., & Fregonesi, M. S. F. A. (2010). Análise da variação nos índices de endividamento e liquidez e do nível de divulgação das empresas do setor de alimentos processados com a adoção das normas internacionais. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, São Paulo, SP, Brasil (Vol. 10).

Verrecchia, R. E. (2001). Essays on disclosure. Journal of accounting and economics, 32(1-3), 97-180.

Publicado
2020-09-07
Como Citar
Alves, V. S. D., & Rêgo, T. de F. (2020). Nível de Evidenciação das Empresas Potencialmente Poluidoras à Luz do CPC 25. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 8(3), 54-72. https://doi.org/10.22478/ufpb.2318-1001.2020v8n3.47460
Seção
Seção Nacional