ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DE SAÚDE BUCAL VOLTADAS PARA PRÉ-ESCOLARES DA REDE PRIVADA: PARTICIPAÇÃO DA ESCOLA E DA FAMÍLIA

  • Maria Eliza Dantas Bezerra
  • Maria Alice Lucena Medeiros
  • Denise Gomes Torres
  • Sammia Anacleto de Albuquerque Pinheiro
  • Suyene de Oliveira Paredes

Resumo

Objetivo: Identificar as estratégias de promoção de saúde bucal, por meio do conhecimento, atitudes, ações e impressões de pais e professores de crianças em idade pré-escolar da rede privada de ensino do município de Patos, Paraíba, Brasil. Metodologia: Trata-se de um estudo exploratório, descritivo e analítico. A amostra, não probabilística, proporcionalmente estratificada por unidade de ensino, constou de 306 crianças representadas por seus pais/responsáveis, e 19 professores da educação infantil. Os dados foram coletados por duas pesquisadoras, devidamente treinadas. Resultados: 50% das crianças pertencia a núcleos familiares de 1 a 3 salários mínimos, os responsáveis de 75,2% das crianças tinham mais de 8 anos de estudo. 66,3% dos responsáveis relataram acesso às informações de como cuidar da saúde bucal do filho, bem como 59,2% afirmaram que a criança já foi ao dentista, onde 50,3% relataram a prevenção ter sido o motivo principal da consulta. Quando analisado quem escovava os dentes da criança, 30,7% afirmaram ser realizada pelo responsável ou outro membro da família, sendo 46,1% em dois turnos, 85,9% disseram utilizar creme dental infantil. A experiência de cárie nas crianças, segundo relato dos responsáveis foi de 26,1% e o histórico de dor de dente foi de 10,5%. Conclusões: Observou-se a existência de informações a respeito dos cuidados com a saúde bucal das crianças e práticas de higiene bucal nos núcleos familiares, apesar da não verificação frente à totalidade dos pesquisados. Nas escolas não são realizadas frequentemente a escovação, mas a maioria dos professores inclui em suas aulas assuntos sobre saúde bucal.
Publicado
2020-02-28
Seção
Pesquisa