DIFERENCIAL DE RENDIMENTOS POR SEXO NOS GRANDES SETORES ECONÔMICOS DO BRASIL

  • Iracy Silva Pimenta Universidade Federal de Minas Gerais
  • Jader Fernandes Cirino Universidade Federal de Viçosa
  • Francico Carlos da Cunha Cassuce

Resumo

Diante da falta de estudos sobre o diferencial de rendimentos por sexo com um foco setorial, este trabalho analisou os setores primário, secundário e terciário da economia brasileira em 2005 e 2015. Utilizou-se como referencial teórico a Teoria do Capital Humano e estimou-se equações de rendimento para homens e mulheres nos três setores e nos dois anos. O diferencial foi decomposto pelo método Oaxaca-Blinder para separar o efeito das características produtivas de homens e mulheres de outros efeitos. Os resultados apontaram para um menor rendimento das mulheres nos três setores de atividade, causado principalmente pelo componente não explicado pelas características produtivas.

Referências

BECKER, Gary. Stanley. The Economics of Discrimination. University of Chicago Press, 1957.

___________. Investment in human capital: A theoretical analysis. The journal of political economy, p. 9-49, 1962.

BOJANIC, Alan. Jorge., et al. Superação da fome e da pobreza rural: iniciativas brasileiras. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Brasília, Brasil, 2016.

BRUSCHINI, Cristina. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007.

CNI – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Perfil do trabalhador formal brasileiro. Brasília: SESI/DN, 2005. 2. ed. rev. ampl.

DI SABATTO, Alberto, et al. Estatísticas rurais e a economia feminista: um olhar sobre o trabalho das mulheres. Brasília: MDA, 2009, 168.

DEGRAFF, Deborah S.; ANKER, Richard. Gênero, mercados de trabalho e o trabalho das mulheres. Gênero nos estudos de população. Campinas: Associação Brasileira de Estudos Populacionais-ABEP, (Demographicas, v. 2), 2004.

HECKMAN, James. Sample selection bias as a specification error. Econometrica. Princeton, v.47, n.1, mar. 1979.

HOFFMANN, Rodolfo; NEY, Marlon Gomes. Desigualdade, escolaridade e rendimentos na agricultura, indústria e serviços, de 1992 a 2002. Economia e Sociedade, 2004, 13.2: 51-79.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Diversos anos. Disponível em https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=40

____________. Indicadores IBGE: Principais destaques da evolução do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa 2003-2014. IBGE, 2014.

JANN, Ben. et al. The Blinder-Oaxaca decomposition for linear regression models. The Stata Journal, v. 8, n. 4, p. 453-479, 2008.

JOHNSTON, Jack; DINARDO, John. Econometric Methods. McGraw-Hill, Fourth Edition, 1997, p. 447-450.

MACHADO, Ana Flávia; OLIVEIRA, Ana Maria Hermeto; ANTIGO, Mariângela. Evolução do diferencial de rendimentos entre o setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas. Encontro Nacional de Economia, 2006.

MDA – MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Gênero, agricultura familiar e reforma agrária no Mercosul. – Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006. p. 58-71

MINCER, Jacob. Age and Experience Profiles of earnings. In: Schooling, experience, and earnings. NBER, 1974. p. 64-82.

MINCER, Jacob; POLACHEK, Solomon. Family investments in human capital: Earnings of women. Journal of political Economy, v. 82, n. 2, Part 2, p. S76-S108, 1974.

OLIVEIRA, Ana Luiza Matos. O mercado de trabalho brasileiro nos anos 2000: balanço dos avanços e desafios. Caderno Mensal de Política Social. Fundação Perseu Abramo, 2014.

OLIVEIRA, Ana Luiza Matos; COLOMBI, Ana Paula Fregnani. Avanços e Contradições do Mercado de Trabalho Brasileiro de 2003 a 2012: uma análise em perspectiva de gênero. Anais do V Seminário de Trabalho e Gênero e III Seminário Internacional do PPGCS: Teorias, pesquisas e práticas sociais, Uberlândia (MG), 2014.

OLIVEIRA, Zuleica Lopes Cavalcanti; BELCHIOR, João Raposo. Emprego em TICs e gênero no ramo de informática: uma primeira exploração. Ciências Sociais Unisinos, v. 45, n. 1, p. 27-33, 2009.

PINHEIRO, Luana; GONZALEZ, Roberto; FONTOURA, Natália. Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Brasília: IPEA, ago. 2012. (Nota Técnica, n. 10).

SABOIA, João. A geração do emprego industrial nas capitais e no interior do Brasil. – Brasília : SENAI/DN, 2005.

SCHULTZ, Theodore William. Investment in human capital. The American economic review, v. 51, n. 1, p. 1-17, 1961.

SENNA, José Júlio. Escolaridade, experiência no trabalho e salários no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 1976, 30.2: 163-194.

SQUEFF, Gabriel Coelho. Desindustrialização: luzes e sombras no debate brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA, 2012. (Texto para Discussão nº 1747).

TROVÃO, Cassiano José Bezerra Marques; LEONE, Eugenia Trancoso. O Emprego Formal da Mulher no Crescimento Recente da Indústria. Revista da ABET, 2013.

WOOLDRIDGE, Jeffrey Marc. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Thomson, 2007. p. 549-556.

Publicado
2019-08-20