DIFERENCIAL DE RENDIMENTOS POR SEXO NOS GRANDES SETORES ECONÔMICOS DO BRASIL

Iracy Silva Pimenta, Jader Fernandes Cirino, Francico Carlos da Cunha Cassuce

Resumo


Diante da falta de estudos sobre o diferencial de rendimentos por sexo com um foco setorial, este trabalho analisou os setores primário, secundário e terciário da economia brasileira em 2005 e 2015. Utilizou-se como referencial teórico a Teoria do Capital Humano e estimou-se equações de rendimento para homens e mulheres nos três setores e nos dois anos. O diferencial foi decomposto pelo método Oaxaca-Blinder para separar o efeito das características produtivas de homens e mulheres de outros efeitos. Os resultados apontaram para um menor rendimento das mulheres nos três setores de atividade, causado principalmente pelo componente não explicado pelas características produtivas.

Texto completo:

PDF

Referências


BECKER, Gary. Stanley. The Economics of Discrimination. University of Chicago Press, 1957.

___________. Investment in human capital: A theoretical analysis. The journal of political economy, p. 9-49, 1962.

BOJANIC, Alan. Jorge., et al. Superação da fome e da pobreza rural: iniciativas brasileiras. Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura, Brasília, Brasil, 2016.

BRUSCHINI, Cristina. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, p. 537-572, 2007.

CNI – CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA. Perfil do trabalhador formal brasileiro. Brasília: SESI/DN, 2005. 2. ed. rev. ampl.

DI SABATTO, Alberto, et al. Estatísticas rurais e a economia feminista: um olhar sobre o trabalho das mulheres. Brasília: MDA, 2009, 168.

DEGRAFF, Deborah S.; ANKER, Richard. Gênero, mercados de trabalho e o trabalho das mulheres. Gênero nos estudos de população. Campinas: Associação Brasileira de Estudos Populacionais-ABEP, (Demographicas, v. 2), 2004.

HECKMAN, James. Sample selection bias as a specification error. Econometrica. Princeton, v.47, n.1, mar. 1979.

HOFFMANN, Rodolfo; NEY, Marlon Gomes. Desigualdade, escolaridade e rendimentos na agricultura, indústria e serviços, de 1992 a 2002. Economia e Sociedade, 2004, 13.2: 51-79.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Diversos anos. Disponível em https://ww2.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=40

____________. Indicadores IBGE: Principais destaques da evolução do mercado de trabalho nas regiões metropolitanas abrangidas pela pesquisa 2003-2014. IBGE, 2014.

JANN, Ben. et al. The Blinder-Oaxaca decomposition for linear regression models. The Stata Journal, v. 8, n. 4, p. 453-479, 2008.

JOHNSTON, Jack; DINARDO, John. Econometric Methods. McGraw-Hill, Fourth Edition, 1997, p. 447-450.

MACHADO, Ana Flávia; OLIVEIRA, Ana Maria Hermeto; ANTIGO, Mariângela. Evolução do diferencial de rendimentos entre o setor formal e informal no Brasil: o papel das características não observadas. Encontro Nacional de Economia, 2006.

MDA – MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Gênero, agricultura familiar e reforma agrária no Mercosul. – Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006. p. 58-71

MINCER, Jacob. Age and Experience Profiles of earnings. In: Schooling, experience, and earnings. NBER, 1974. p. 64-82.

MINCER, Jacob; POLACHEK, Solomon. Family investments in human capital: Earnings of women. Journal of political Economy, v. 82, n. 2, Part 2, p. S76-S108, 1974.

OLIVEIRA, Ana Luiza Matos. O mercado de trabalho brasileiro nos anos 2000: balanço dos avanços e desafios. Caderno Mensal de Política Social. Fundação Perseu Abramo, 2014.

OLIVEIRA, Ana Luiza Matos; COLOMBI, Ana Paula Fregnani. Avanços e Contradições do Mercado de Trabalho Brasileiro de 2003 a 2012: uma análise em perspectiva de gênero. Anais do V Seminário de Trabalho e Gênero e III Seminário Internacional do PPGCS: Teorias, pesquisas e práticas sociais, Uberlândia (MG), 2014.

OLIVEIRA, Zuleica Lopes Cavalcanti; BELCHIOR, João Raposo. Emprego em TICs e gênero no ramo de informática: uma primeira exploração. Ciências Sociais Unisinos, v. 45, n. 1, p. 27-33, 2009.

PINHEIRO, Luana; GONZALEZ, Roberto; FONTOURA, Natália. Expansão dos direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil. Brasília: IPEA, ago. 2012. (Nota Técnica, n. 10).

SABOIA, João. A geração do emprego industrial nas capitais e no interior do Brasil. – Brasília : SENAI/DN, 2005.

SCHULTZ, Theodore William. Investment in human capital. The American economic review, v. 51, n. 1, p. 1-17, 1961.

SENNA, José Júlio. Escolaridade, experiência no trabalho e salários no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 1976, 30.2: 163-194.

SQUEFF, Gabriel Coelho. Desindustrialização: luzes e sombras no debate brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA, 2012. (Texto para Discussão nº 1747).

TROVÃO, Cassiano José Bezerra Marques; LEONE, Eugenia Trancoso. O Emprego Formal da Mulher no Crescimento Recente da Indústria. Revista da ABET, 2013.

WOOLDRIDGE, Jeffrey Marc. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Thomson, 2007. p. 549-556.




DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1676-4439.2019v18n1.38086

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Este periódico está indexado nas bases: