Efeitos da compatibilidade entre porta-enxerto vs enxerto de cajueiro comum em viveiro.

  • José Bruno Rego de Mesquita
  • João Rodrigues de Paiva
  • Gleydson Vieira Marques
  • Alexandre Campos Nunes

Resumo

O trabalho teve como objetivo, avaliar os efeitos da compatibilidade entre oito porta-enxerto, sendo seis de clones de cajueiro comum e dois do tipo anão precoce, desde a germinação da semente até a formação da muda em viveiro. A pesquisa foi conduzida no Campo Experimental de Pacajus, pertencente à Embrapa Agroindústria Tropical. Foram utilizados como porta-enxerto os clones de cajueiro comum: 18, 26, 28, 30, BRS 274, BRS 275 e anão precoce CCP 06 e CCP 76 (testemunha). Foram avaliadas as características morfológicas da semente, a percentagem de germinação, o vigor dos porta-enxertos e das enxertias, o rendimento da enxertia e um índice de classificação dos clones. Os resultados mostraram que para as características morfológicas das sementes, os clones do tipo comum foram superiores ao do tipo anão precoce. Já em relação à germinação da semente, no geral, os clones anãos precoce, obtiveram maior poder germinativo que os clones do tipo comum. Para a variável vigor dos porta-enxerto, houveram diferença estatística quando comparados, separadamente e entre si, aos clones de cajueiro anão precoce e comum. A variável vigor da enxertia mostrou que a relação porta-enxerto vs enxerto afetou apenas a altura das plantas quando usado o enxerto BRS 274 e que os clones Comum 18, 26, 28 e 30, diferiram em relação à altura e o diâmetro de caule. Quanto ao índice de classificação, a melhor interação encontrada foi entre o BRS 275 vs BRS 275.
Publicado
2010-07-10
Seção
Artigo Científico