O PESSOAL É POLÍTICO? AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NO MUNICÍPIO DE TRÊS CACHOEIRAS.

Autores

  • Dione Matos de Souza Cardoso ULBRA - Universidade Luterana do Brasil
  • Graziela Cucchiarelli Werba ULBRA - Universidade Luterana do Brasil

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2017v6n2.31054

Palavras-chave:

Mulher. Violência. Gênero. Saúde

Resumo

O Sistema Único de Saúde é a atual forma de organização da assistência pública em saúde em nosso país. Na busca pela reorganização das práticas profissionais foi instituída a ESF - Estratégia Saúde da Família. Este artigo tem por objetivo discutir sobre as RS - Representações Sociais - dos profissionais da ESF acerca da violência contra as mulheres. A pesquisa foi realizada com as equipes da ESF do município de Três Cachoeiras – RS. Os dados foram obtidos através das técnicas de Grupo Focal, Entrevistas e Observação Participante. Foram delimitadas três categorias: Invisibilidade, Culpabilização e Intervenções. Concluímos que, o setor de saúde ainda não reconhece esta problemática como de sua competência. A categoria culpabilização apontou a “liberdade da mulher” como causa principal da violência de gênero, sinalizando a necessidade de uma reflexão acerca do principal objetivo do movimento feminista “a libertação feminina”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dione Matos de Souza Cardoso, ULBRA - Universidade Luterana do Brasil

Especialista em Gestão Comunitária e Saúde Mental, docente e coordenadora adjunta do curso de Psicologia ULBRA - Torres

Graziela Cucchiarelli Werba, ULBRA - Universidade Luterana do Brasil

Pós Doutora em Psicologia, docente e coordenadora do Curso de Psicologia da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA),

Referências

BARDIN, L.(2007). Análise de Conteúdo. Rio de Janeiro: Edições 70.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 648, 2006. Consultado em 22.09.2014 Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2006/GM/GM-648.htm

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica 2012.

CARDOSO, Dione Matos de Souza; WERBA, Graziela Chucchiarelli.(2013). “Ser Mulher e Militante: a Vontade de Articular Mundos”. Revista Diálogo, n 24, p. 21 – 34. Disponível em: http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/Dialogo. Consultado em: 22. 09. 2014.

COSTA, Ana Maria; SILVESTRE, Rosa Maria.(2009). “Uma Reflexão Sobre Poder, Mulher e Saúde”. In: VENTURI, Gustavo; RECAMÁN, Marisol; OLIVEIRA, Suely (Orgs.). A Mulher Brasileira nos Espaços Público e Privado. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

DIREITOS HUMANOS. Gabinete de documentação e direito comparado - Declaração Sobre A Eliminação Da Violência Contra As Mulheres. Disponível em: http://direitoshumanos.gddc.pt/3_4/IIIPAG3_4_7.htm. Consultado em: 22. 09. 2014.

GUEDES, Rebeca Nunes; FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa; EGRY, Emiko Yoshikawa.(2013). “Limites e Possibilidades Avaliativas da Estratégia Saúde da Família para a Violência de Gênero”. Revista Enfermagem –USP. Disponível em www.ee.usp.br/reeusp/. Consultado em: 24. 09. 2014.

JODELET, D.: Représentationssociales: Undomaine en Expansion. In D. Jodelet (Ed.) Les Représentationssociales. Paris: PUF, 1989, pp. 31-61. Tradução: Tarso Bonilha Mazzotti. Revisão Técnica: Alda Judith Alves-Mazzotti. UFRJ- Faculdade de Educação, dez. 1993.

JOVCHELOVITCH, Sandra.(2011). Os contextos do Saber – Representações, Comunidade e Cultura. Tradução Pedrinho Guareschi. Petrópolis. Vozes.

LAGE, Lana; NADER, Maria Beatriz.(2012). “Da legitimação à Condenação Social”. In. PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Nova História das Mulheres. São Paulo: Contexto.

NARVAZ, Martha Giudice; KOLLER, Silvia Helena (2006). “Mulheres vítimas de violência doméstica. Compreendendo subjetividades assujeitadas”. PSICO, Porto Alegre, PUCRS, v. 37, n. 1, pp. 7-13, jan./abr.

PRIORE, Mary Del (Org).(2007). A História das Mulheres do Brasil. São Paulo. Contexto.

________________________(2009). Ao Sul do Corpo – Condição Feminina, Maternidades e Mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP.

STREY, Marlene Neves.(2000). JACQUES, M. G et al. Psicologia Social Contemporânea.Petrópolis: Vozes.

STREY, Marlene Neves; PULCHERIO, Gilda.(2010). “As tramas de Gênero na Saúde”. In. STREY, Marlene Neves; NOGUEIRA, Conceição; AZAMBUJA, Mariana Ruwer (Org). Gênero e Saúde: Diálogos Ibero-Brasileiros. Porto Alegre: EDIPUCRS.

TOURAINE, Alain.(2007). O mundo das mulheres; Tradução de Francisco Morás. Petrópolis: Vozes.

WAISELFISZ, Julio Jacobo.(2012) Mapa da violência . Atualização: homicídio de mulheres no Brasil. CEBELA – Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos. Consultado em: 24. 09. 2014.

WERBA, Graziela C. (1999). “Parteiras, Bruxas, Mulheres... Articulações entre a saúde, o Poder e o Feminino na História”. In: STREY, Marlene N. (org). Gênero por Escrito. Saúde, Identidade e Trabalho. Porto Alegre: Edipuc.

Publicado

2017-12-03

Como Citar

CARDOSO, D. M. de S.; WERBA, G. C. O PESSOAL É POLÍTICO? AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS PROFISSIONAIS DA ESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIA SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA MULHERES NO MUNICÍPIO DE TRÊS CACHOEIRAS. Gênero & Direito, [S. l.], v. 6, n. 2, 2017. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2017v6n2.31054. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/view/31054. Acesso em: 27 jan. 2023.

Edição

Seção

Saúde, Gênero e Direito