A LUTA PELO DIREITO: DEBATES SOBRE O SUFRÁGIO FEMININO NA REVISTA DE CRÍTICA JUDICIÁRIA NO INÍCIO DO SÉCULO XX.

Autores

  • Stéphani Fleck da Rosa Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.33658

Palavras-chave:

Sufrágio Feminino. Cidadania.

Resumo

Através da análise da Revista de Crítica Judiciária, evidencia-se um repositório de discussões político-jurídicas e sua crítica em um momento de transição e de transformações no conturbado cenário brasileiro, do início do século XX. O debate, estudado neste artigo, é sobre a luta das mulheres brasileiras pelo seu direito ao voto, pelo viés delineado do campo jurídico e, principalmente, pelos argumentos da primeira advogada do Brasil, Myrthes de Campos. Por conseguinte, reviva-se a importância de uma fonte esquecida ao direito contemporâneo repleto de rasas coletâneas sobre o passado jurídico nacional, fortalecendo o descompasso crítico da história do direito brasileiro diante de sua trajetória contada em linha reta de atos, fatos e resultados vencedores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stéphani Fleck da Rosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduada e Mestre pela Faculdade de Direito da UFRGS. Área de pesquisa e atuação:Metodologia jurídica, História do Direito, Filosofia do Direito, Direito Constitucional.

Referências

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1891. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao91.htm.>. Acessado em 31 de ago. 2016.

BRASIL. Decreto n. 2.848 de 7 de dezembro de 1940. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848.htm>. Acessado em 31 de ago. 2016.

BRASIL. Decreto n. 21.076 de 24 de fevereiro de 1932. Disponível em: <http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=33626>. Acessado em 31 de ago. 2016.

BRASIL. Lei de 16 de dezembro de 1830. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/lim-16-12-1830.htm>. Acessado em 31 de ago. 2016.

BRASIL. Lei nº 3.071 de 1º de janeiro de 1916. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l3071.htm>. Acessado em 31 de ago. 2016.

BRASIL. Regulamento do Decreto n. 16.272. Disponível em: <http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaNormas.action?numero=16272&tipo_norma=DEC&data=19231220&link=s>. Acessado em 31 de ago. 2016.

ISMÉRIO, Clarisse. Mulher: a moral e o imaginário: 1889 – 1930. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1995.

KARAWEJCZYK, Mônica. As filhas de Eva querem votar: dos primórdios da questão à conquista do sufrágio feminino no Brasil. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História. Porto Alegre, 2013.

Revista de Crítica Judiciária. Rio de Janeiro: Clovis Bevilaqua, 1924 – 1946.

ROUSSEAU, Jean-Jaques. Emílio ou Da Educação. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1992.

Publicado

2018-10-28

Como Citar

ROSA, S. F. da. A LUTA PELO DIREITO: DEBATES SOBRE O SUFRÁGIO FEMININO NA REVISTA DE CRÍTICA JUDICIÁRIA NO INÍCIO DO SÉCULO XX. Gênero &amp; Direito, [S. l.], v. 7, n. 2, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.33658. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/view/33658. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Movimento feminista, história da dominação e gênero