BARREIRAS ENTRE AS PERIFERIAS E AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: DIFICULDADE DAS MULHERES EM ACESSAR O CENTRO DE REFERÊNCIA PARA AS MULHERES SUELY SOUZA DE ALMEIDA

Autores

  • Rosimar Souza dos Santos Borges Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Uisis Rodrigues dos Santos Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
  • Isabel Gonçalves da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.36968

Palavras-chave:

Mulheres

Resumo

O presente artigo tem por objetivo investigar as condições objetivas e subjetivas que fazem com que as mulheres em situação de violência tenham dificuldades em acessar o Centro de Referência para as Mulheres Suely Souza de Almeida - CRM-SSA, localizado no Campus Universitário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), comparando-se ao acesso no Centro de Referência para as Mulheres da Maré (CRMM). O Centro de Referência é um projeto de extensão do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas em Direitos Humanos (NEPP-DH), que trabalha com mulheres vítimas de violência, e seu objetivo é prevenir e enfrentar a violência contra a mulher através do resgate da autoestima e autonomia, criando formas para que as mulheres tornem-se agentes de sua própria transformação. Para realização da pesquisa foram coletados dados em ambos os Centros no período de três meses (de junho a agosto de 2017), além de pesquisa em artigos e sites como google acadêmico, BVS-Bireme, MEDLINE, PubMed entre outros. Encontramos como resultado dos estudos profundas disparidades no que diz respeito ao perfil das usuárias, demandas e fluxo de atendimento em cada um dos centros. Associamos tais disparidades à questão do território e direito à cidade, à elitização da universidade pública, ao racismo estrutural, entre outros fatores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimar Souza dos Santos Borges, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Mestre em Saúde Coletiva, graduada em Serviço Social e Direito, Assistente Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), atua no Centro de Referência para as Mulheres Suely Souza de Almeida (CRM-SSA).

Uisis Rodrigues dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Graduanda em Serviço Social na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), extensionista do Proext no Centro de Referência para as Mulheres Suely Souza de Almeida (CRM-SSA)

Isabel Gonçalves da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Graduanda em Serviço Social na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), estagiária no Centro de Referência para as Mulheres Suely Souza de Almeida (CRM-SSA)

Referências

ANDRADE, C. Y. Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social. Revista Ensino Superior Unicamp, Campinas, n. 6, jun./set., p. 18-27, 2012. Disponível em: <https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/ed06_julho2012/Cibele_Yahn.pdf>. Acesso em: 21 set. 2017

BRASIL. Lei Nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres - Presidência da República. Norma Técnica de Uniformização dos Centros de Referência de Atendimento à Mulher em Situação de Violência. Brasília, 2006. Disponível em: <http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e-publicacoes/norma-tecnica-de-uniformizacao-centros-de-referencia-de-atendimento-a-mulher-em-situacao-de-violencia/at_download/file> Acesso em: 15 set. 2017.

BURGOS, M. B. Cidade, Territórios e Cidadania. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 48, n. 1, p. 189-222, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/dados/v48n1/a07v48n1.pdf>. Acesso em: 29 set.2017.

CARNEIRO, S. Mulheres negras na educação: desafios para a sociedade brasileira. Gênero e educação: fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais. São Paulo: Ação Educativa, Cladem, Ecos, Geledés, Fundação Carlos Chagas, p. 121-186, 2016. Disponível em: <http://generoeeducacao.org.br/wp-content/uploads/2016/12/generoeducacao_site_completo.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

CENTRO DE ESTUDOS DE SEGURANÇA E CIDADANIA - CESeC. Perfil sociodemográfico dos moradores de favelas com UPP na cidade do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <https://www.ucamcesec.com.br/wp-content/uploads/2016/03/Perfil-sociodemogr%C3%A1fico-dos-moradores-de-favelas-com-UPP.pdf >. Acesso em: 28 set. 2017.

CORRÊA, R. L. O espaço urbano. São Paulo: Editora Ática, 1989. 94 p. (Série Princípios)

GARCIA, A. S. Contradições na cidade negra: relações de gênero, raça, classe, desigualdades e territorialidade. Saberes em perspectiva, Jequié, v. 2, n. 2, jan./abr., p. 33-51, 2012. Disponível em: <http://www.saberesemperspectiva.com.br/index.php/saberesemperspectiva/article/view/23>. Acesso em: 10 set. 2017.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, p. 39-62, 2005. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001432/143283por.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

GRUPO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES DE AÇÃO AFIRMATIVA - GEMAA. Relatório das desigualdades de gênero, raça e classe. Rio de Janeiro, Instituto de Estudos Sociais e Políticos – IESP/UERJ, 2017. Disponível em: <http://gemaa.iesp.uerj.br/relatorios/relatorio-das-desigualdades-gemaa-no-1/>. Acesso em: 10 set. 2017.

HASENBALG, C.; GONZALEZ, L. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982. Disponível em: <https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/lc3a9lia-gonzales-carlos-hasenbalg-lugar-de-negro1.pdf> Acesso em: 15 set. 2017.

MARICATO, Ermínia. As idéias fora do lugar e o lugar fora das idéias. In: ARANTES,

desmanchando consensos. Vozes, Petrópolis, p. 121-192, 2000. <http://labcs.ufsc.br/files/2011/12/07.-MARICATO-E.-As-id%C3%A9ias-fora-do-lugar-e-o-lugar-fora-das-id%C3%A9ias.pdf> Acesso em: 29 set. 2017.

MUSUMECI, L. Perfil sociodemográfico dos moradores de favelas com UPP na cidade do Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: <https://www.ucamcesec.com.br/wp-content/uploads/2016/03/Perfil-sociodemogr%C3%A1fico-dos-moradores-de-favelas-com-UPP.pdf> Acesso em: 28 set. 2017.

SALGUEIRO, T. Cidade pós-moderna: espaço fragmentado. Território, ano 111, nº 4, jan./jun. 1998.

SILVA, I. G; SOARES, F. C. O. Violência de gênero e primavera feminista: a alternativa informativa das grandes mídias para as redes sociais. Boletim PROEALC, CCS/UERJ, Rio de Janeiro, n. 72, jun./jul.ago. 2016. Disponível em: <http://www.proealc.uerj.br/Boletins/documentos/BoletimPROEALC72.pdf> Acesso em: 10 set. 2017.

VILLAÇA, F. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos Avançados, USP, São Paulo, v. 25, n. 71, p. 37-58, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ea/v25n71/04.pdf>. Acesso em: 5 out. 2017.

Publicado

2018-10-28

Como Citar

DOS SANTOS BORGES, R. S.; DOS SANTOS, U. R.; DA SILVA, I. G. BARREIRAS ENTRE AS PERIFERIAS E AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: DIFICULDADE DAS MULHERES EM ACESSAR O CENTRO DE REFERÊNCIA PARA AS MULHERES SUELY SOUZA DE ALMEIDA. Gênero &amp; Direito, [S. l.], v. 7, n. 2, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.36968. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/view/36968. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Direitos Humanos e Políticas Públicas de Gênero