A INVISIBILIDADE DAS MULHERES NAS CIÊNCIAS CRIMINAIS

Autores

  • Amanda Caroline Generoso Meneguetti Universidade Estadual de Maringá
  • Isadora Vier Machado Universidade Estadual de Maringá-PR.

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.39283

Palavras-chave:

Gênero, Ciências Criminais, Mulheres, Invisibilidade.

Resumo

O presente artigo tem como desígnio examinar de que forma o gênero se impõe para as mulheres como condição que apaga, invisibiliza e obstrui a construção das carreiras das sujeitas das Ciências Criminais, sobretudo no contexto brasileiro. Propõe-se, portanto, analisar o processo pelo qual passam as mulheres para galgarem uma posição de destaque dentro do Direito, partindo de procedimentos metodológicos e bibliográficos de áreas como o Direito e a Sociologia, bem como a análise de dados censitários e pesquisa de campo, que nos permitiram fundamentar com maior clareza os fatos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Caroline Generoso Meneguetti, Universidade Estadual de Maringá

Acadêmica de Direito da Universidade Estadual de Maringá-PR.

Isadora Vier Machado, Universidade Estadual de Maringá-PR.

Professora Adjunta de Direito Penal do Departamento de Direito Público da Universidade Estadual de Maringá-PR.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi, Sejamos Todos Feministas. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

AGRELLO, D. A.; GARG, R. Mulheres na Física: poder e preconceito nos países em desenvolvimento. Brasília: Revista Brasileira de Ensino de Física, vol. 31, n. 1, 2009.

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo: fatos e mitos.3ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAMPOS, Carmen Hein de. Razão e sensibilidade: teoria feminista do Direito e Lei Maria da Penha. [S.l].

CAMPOS, Carmen Hein de. (Org.) Criminologia e Feminismo.Porto Alegre: Sulina, 1999.

CORRÊA, Paulo César. (Org.). Tráfico de pessoas para exploração sexual: prostituição e trabalho sexual escravo. São Paulo: NETPDH/Cultura Acadêmica, 2013

GOMES, Luiz Flávio. Justiça penal restaurativa: conciliação, mediação e negociação. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/10051/justica-penal-restaurativa> Acessado em: 10 de maio de 2017.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos Feministas, [S.l.], n. 1/93.

HAYASHI, Maria Cristina Piumbato Innocentini. et al. Indicadores da participação feminina em Ciência e Tecnologia. TransInformação, Campinas, vol. 19, maio/ago., 2007.

HIRATA, Helena. et al. (Orgs.) Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Editora UNESP, 2009

KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. Malleus Maleficarum: O Martelo das Feiticeiras. Editora: Le Livros.

MACHADO, Isadora Vier. Da dor no corpo à dor na alma: uma leitura do conceito de violência psicológica da Lei Maria da Penha. 2013. 282 f. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. 2013.

SÁ, Priscilla Placha. As ciências penais têm sexo? Têm, sim senhor! Disponível em: <https://www.ibccrim.org.br/index.php/boletim_artigo/5726-As-ciencias-penais-tem-sexo-Tem-sim-senhor> Acessado em: 10 de maio de 2017.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru - SP: EDUSC, 2001.

WAISELFISZ, Julio Jacobo. Mapa da Violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. 1ª Edição. Brasília: FLACSO, 2015

Publicado

2018-10-28

Como Citar

GENEROSO MENEGUETTI, A. C.; VIER MACHADO, I. A INVISIBILIDADE DAS MULHERES NAS CIÊNCIAS CRIMINAIS. Gênero &amp; Direito, [S. l.], v. 7, n. 2, 2018. DOI: 10.22478/ufpb.2179-7137.2018v7n2.39283. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ged/article/view/39283. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Seção Livre