BUMBA MEU BOI, BOI-BUMBÁ: a inventividade das tradições populares

Autores

  • Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2018v1n49.40926

Resumo

No contexto do ensaio “As danças dramáticas no Brasil”, de Mário de Andrade, publicado em 1944, o Bumba Meu Boi ganhou notoriedade erguido a um só tempo a símbolo do encantamento das expressões populares e da possibilidade de sua deterioração e perda. As ideias ambivalentes expressas por Andrade a seu respeito influenciaram de modo marcante os estudos subsequentes. Ao discutir criticamente essa influência nos estudos posteriores, indicamos a circularidade cultural existente entre os estudos das expressões populares e a própria dinâmica viva de tais expressões. Isso feito, a vigorosa contemporaneidade do Boi-Bumbá de Parintins, Amazonas, é apresentada de modo a realçar um dos aspectos analíticos das formulações andradianas que permanece instigante para a pesquisa contemporânea: seu interesse pelas dimensões estéticas e performáticas das expressões populares. Visto por esse ângulo, o Bumbá de Parintins afirma a surpreendente capacidade inventiva das tradições populares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Laura Viveiros de Castro Cavalcanti, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Titular de Antropologia Pós Graduação em Sociologia e Antropologia Universidade Federal do Rio de Janeiro

Downloads

Publicado

2019-03-18

Como Citar

Cavalcanti, M. L. V. de C. (2019). BUMBA MEU BOI, BOI-BUMBÁ: a inventividade das tradições populares. REVISTA DE CIÊNCIAS SOCIAIS - POLÍTICA &Amp; TRABALHO, 1(49), 23–39. https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2018v1n49.40926

Edição

Seção

Nº 49 - FESTAS, ESPETÁCULOS E PATRIMÔNIOS